Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Fórum pró-palestinos no RS é criticado por comunidade judaica

O patrocínio dos governos gaúcho e federal ao Fórum Social Mundial Palestina Livre, que será realizado entre 28 de novembro e 1º de dezembro em Porto Alegre, vem sendo criticado na comunidade judaica do Brasil.

De acordo com Mari Perusso, secretária-adjunta da Casa Civil do governo Tarso Genro (PT), o Fórum receberá R$ 396 mil de um convênio com a Secretaria Geral da Presidência e mais R$ 44 mil bancados pelo Estado.

A reportagem é de Morris Kachani e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 22-11-2012.

Claudir Nespolo, presidente da CUT-RS, uma das entidades promotoras do encontro, diz que a verba se destina ao pagamento de despesas de viagem, deslocamentos e estadia de convidados, além da impressão de material gráfico e traduções.

Cerca de 8.000 pessoas, de 36 países, são esperadas. Entre ONGs e centrais sindicais, 207 entidades estão inscritas.

"O objetivo é reunir todos os comitês de apoio à causa palestina que existem no mundo. É a primeira vez que um evento desta natureza está sendo realizado", explica Nespolo. A princípio, ninguém do Hamas participará.

Para Claudio Lottenberg, presidente da Confederação Israelita do Brasil (Conib), o evento não propõe o entendimento e sim a destruição de Israel. "O teor da programação é hostil", diz.

Ele cita trechos do documento de referência, que deve pautar a maior parte dos debates: as menções a um "regime de apartheid", "sistemática limpeza étnica da maioria do povo palestino em 1948" e "ataques ao cristianismo e ao islamismo", atribuídos a Israel. Além da defesa de uma estratégia de boicote global ao Estado israelense.

O evento deriva do Fórum Social Mundial, que já teve cinco edições na capital gaúcha - todas com patrocínio do governo, segundo Perusso.

"Entendo o esforço brasileiro em se tornar protagonista nas grandes questões globais, mas organizar um fórum com estas características é importar o conflito para setores da sociedade daqui que sempre conviveram pacificamente", diz Lottenberg.

Na semana passada, ele esteve com o governador gaúcho, Tarso Genro. Em nota, Genro, cuja mãe, Elly Herz, é judia, assegurou que "eventuais posições que possam ser manifestadas no evento só serão apoiadas pelo governo do Rio Grande do Sul se estiverem norteadas pela posição do governo brasileiro".

A Prefeitura de Porto Alegre vai ceder seis locais para o evento. Mas, segundo o secretário de Coordenação Política, Cezar Buzatto, o município prefere não dar "apoio institucional" ao fórum.

Veja também: Palestina e Israel. A luta pela Paz Justa. Revista IHU On-Line, no. 408

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium