Fórum da Palestina é precedido de polêmica

Revista ihu on-line

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

Mais Lidos

  • Os jovens que não gostam do papa Francisco

    LER MAIS
  • 'A educação está nocauteada'. Entrevista com Gaudêncio Frigotto

    LER MAIS
  • Ministérios ordenados para as mulheres? Entrevista com Andrea Grillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Novembro 2012

A realização do Fórum Social Mundial Palestina Livre, que espera reunir milhares de pessoas no fim do mês na Capital, ganhou contornos de polêmica. Órgãos públicos que haviam manifestado apoio ao evento decidiram rever a posição, por considerar o teor do debate proposto – registrado em textos oficiais – hostil à comunidade judaica.

A prefeitura, por meio do secretário de Coordenação Política, Cézar Busatto, confirmou ontem que não dará aval institucional por discordar da “linha política de agressividade presente nas discussões”.

– Em Porto Alegre, judeus e palestinos convivem pacificamente. Não temos o direito, como prefeitura, como cidade, de promover um conflito que aqui não existe. Apoiar o fórum que não está baseado na visão do diálogo seria fazer um desserviço – explicou o secretário.

A informação é publicada pelo jornal Zero Hora, 14-11-2012.

Apesar disso, a prefeitura decidiu ceder o térreo da Usina do Gasômetro para o evento, desde que seja usado apenas para “atividades de caráter cultural”.

Organizadores não cogitam cancelamento

A exemplo da administração municipal, a Assembleia Legislativa também está analisando o caso. Já ouviu os argumentos do consulado de Israel e aguarda informações de representantes da Palestina para definir se cederá seu auditório.

– Recebemos documentos pesados aqui, de boicote e de contrariedade ao povo judeu, e esse não é o espírito da Assembleia – disse o presidente da Casa, Alexandre Postal (PMDB).

A reviravolta descontentou integrantes do fórum. Segundo o presidente da Federação Árabe Palestina do Brasil, Elayyan Aladdin, a suposição de que o encontro pode incitar a agressividade é infundada. Para Claudir Nespolo, presidente de uma das entidades promotoras, a Central Única dos Trabalhadores do Rio Grande do Sul (CUT-RS), a polêmica é exagerada:

– A prefeitura recebeu uma pressão muito grande da comunidade israelita. Pintaram um ambiente de beligerância, e a prefeitura se assustou. Mas não é nada disso.

O fórum, conforme Nespolo, será pautado na “solidariedade ao povo palestino”. Ele confirmou que o documento de referência do evento, disponível na internet, fala em “boicote” a Israel, mas evitou polemizar. Disse que “não há risco de violência” e que se trata “apenas de uma forma de pressão”.

Os organizadores do evento – que ocorre entre os dias 28 de novembro e 1º de dezembro, na Capital – não cogitam o cancelamento.

– O evento já é um sucesso. São 160 oficinas inscritas. O fórum vai se realizar nem que seja embaixo das árvores, ali no Centro – afirma Nespolo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fórum da Palestina é precedido de polêmica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV