O gesto do Papa para Gabriele

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • O que faria a esquerda despertar? Vladimir Safatle comenta a política brasileira

    LER MAIS
  • Há fome no Brasil: 3 dados alarmantes que Bolsonaro deveria conhecer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 12 Novembro 2012

Bento XVI teria perdoado o seu mordomo Paolo Gabriele, condenado com sentença definitiva pelo roubo de documentos reservados dos aposentos papais que acabaram nas páginas do livro do jornalista italiano Gianluigi Nuzzi. A informação é de Antonio Socci, jornalista e escritor, e publicada no jornal Libero.

A reportagem é de Andrea Tornielli e publicada no sítio Vatican Insider, 08-11-2012. A tradução é do Cepat.

Após ter recordado a carta de desculpas que o ex-mordomo enviou a Ratzinger mediante os três cardeais encarregados da investigação sobre os Vatileaks, Socci escreve: “Quando o secretário da comissão cardinalícia, o padre Martiniani, entregou ao Papa a carta autógrafa de Gabriele, na qual se dizia estar consciente de tê-lo ofendido e de ter defraudado sua confiança, pelo que lhe pedia perdão, Bento XVI respondeu enviando a Gabriele um livro dos salmos (que aparecia citado na carta). O livro, autografado pelo Papa com sua bênção apostólica dirigida pessoalmente a Gabriele e o selo da secretaria particular do Pontífice, foi levado diretamente de Castel Gandolfo, onde o Papa se encontrava durante esses dias,  entrega nas mãos de Gabriele (o Pontífice preocupou-se, além disso, com a situação da família)”.

“Tudo isto – continua o autor do artigo – era a premissa para a graça que se esperava depois do veredicto”. Segundo Socci, o gesto de enviar o livro autografado deve ser interpretado como um sinal concreto do perdão papal. Enquanto o atraso da concessão da graça, que muitos esperavam para depois da sentença definitiva, se deveria – segundo o jornalista do Libero – mais a uma vontade da Secretaria de Estado que ao próprio Pontífice, posto que Gabriele não pediu perdão às demais pessoas atingidas pela divulgação dos documentos, em particular o primeiro colaborador de Ratzinger, o cardeal Tarcisio Bertone”.

Socci destaca a dureza do comunicado divulgado pela Secretaria de Estado no dia 25 de outubro passado, dia em que Paolo Gabriele voltou à cela da prisão vaticana depois que a sentença de condenação a um ano e meio de reclusão fora pronunciada. E espera que ao final prevaleçam “a bondade e a sabedoria do Santo Padre”. “Seria – conclui – um exemplo para o mundo. O Padre Pio sempre dizia: ‘Deus quer que a nossa miséria seja o trono de Sua misericórdia’”.

De qualquer maneira, é difícil imaginar que o comunicado de 25 de outubro não tenha recebido a aprovação de Bento XVI, assim como supor que a ausência (até agora) do anúncio da graça não dependa da vontade do Papa em primeiro lugar, dado que compete não apenas ao Pontífice e à sua soberana decisão a eventual concessão do perdão.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O gesto do Papa para Gabriele - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV