População fecha estrada de acesso a maior projeto de mineração da Vale

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O coronavírus é um pedagogo cruel”. Entrevista com Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • Religião remixada

    LER MAIS
  • A universidade pós-pandêmica. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Junho 2012

Cerca de 100 moradores da Vila Racha Placa, também conhecida como Mozartinópolis, localizada no município de Canaã dos Carajás (PA), interditaram na manhã desta quinta- feira (14) a estrada de acesso às instalações do maior projeto de mineração da Vale, o S11D.

O empreendimento está localizado a 70 km da cidade de Canaã dos Carajás e, de acordo com informações da Vale, deve iniciar sua operação com a exploração de 90 milhões de toneladas de ferro por ano.

A reportagem é do jornal Brasil de Fato, 14-06-2012.

O protesto é contra a situação de isolamento e abandono que a companhia submeteu os moradores da Vila Racha Placa. Em 2010, a Vale comprou todas as propriedades do entorno da comunidade e exigiu que os donos das terras vendidas destruíssem as casas que tinham na vila. Cerca de 60 famílias pobres que moravam na vila e não tinham terras, mas garantiam seu sustento trabalhando nas propriedades vizinhas, ficaram sem trabalho e sem alternativa. A estratégia da Vale era desestabilizar a comunidade e, dessa forma, fazer com que as famílias concordassem em sair da área recebendo valores irrisórios.

Os moradores se negaram a sair e, num processo de organização apoiado pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Canaã, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e o Centro de Educação, Pesquisa, Assessoria Sindical e Popular (CEPASP), exigiram que a Vale adquirisse uma área e fizesse o reassentamento do grupo. Exigiram, ainda, que a companhia pagasse o valor de um salário mínimo para cada família até que todos fossem devidamente assentados, considerando ter sido a Vale a responsável pelo isolamento da vila.

Em dezembro de 2010, a Vale concordou em atender as exigências da comunidade, iniciou o pagamento de um salário mínimo para cada família e adquiriu a terra para o reassentamento do grupo. No entanto, passado um ano e meio, o acordo não foi cumprido e as famílias continuam no mesmo local em situação de abandono e pobreza. Para piorar ainda mais a situação, há quatro meses  a Empresa não paga a ajuda de custo para as famílias. Sem alternativa, os moradores decidiram, na manhã desta quinta-feira, interditar a estrada de acesso ao empreendimento da Vale para exigir: o reassentamento das famílias até o mês de agosto; a retomada do pagamento da ajuda de custo para as famílias; a liberação do acesso às propriedades do entorno da vila para coleta de alimentos; e a retomada das negociações de outras questões pendentes que a Vale não vem cumprindo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

População fecha estrada de acesso a maior projeto de mineração da Vale - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV