Espiritualidade dos sentidos: mística da vida vivida. Artigo de Jürgen Moltmann

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Maio 2012

Os sentidos do nosso corpo nos unem ao mundo. Não devemos somente usá-los para viver e trabalhar; devemos também cuidar deles, moldá-los e cultivá-las com respeito à vida e à presença do Deus vivo.

Publicamos aqui a última parte da análise do teólogo alemão Jürgen Moltmann, em artigo publicado no sítio Teologi@Internet, 21-05-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Leia também a primeira, a segunda, a terceira e a quarta partes.

Eis o texto.

5. Espiritualidade dos sentidos. Mística da vida vivida


Há uma razão das ideias e um intelecto dos sentimentos. Há o esprit de geometrie, dizia Pascal, e o esprit du coeur. A espiritualidade é dinamismo do coração. Na espiritualidade, nós nos voltamos para onde experimentamos o Espírito de Deus. Por muito tempo, dominou uma espiritualidade da alma e do homem interior. O poeta místico evangélico Gerhard Tersteegen escreveu:

"Fecha as portas dos teus sentidos
e busca a Deus lá dentro, em profundidade".

Ela, no entanto, também pode se tornar uma espiritualidade dos sentidos, se o Espírito Santo é experimentado na natureza da terra, como ocorreu com a mística cósmica Hildegard de Bingen e no Cântico das Criaturas de Francisco de Assis. Então, não se deve "re-entrar" no próprio íntimo, mas, ao contrário, sair de si mesmo e experimentar com todos os sentido o mundo exterior. Devemos nos jogar entre os braços da vida. Essa mística cósmica se move, de fato, de Agostinho em diante, em sentido contrário à espiritualidade ocidental, mas ela é hoje interpelada por um futuro ecológico dos seres humanos e da terra [24].

Os sentidos do nosso corpo nos unem ao mundo. Não devemos somente usá-los para viver e trabalhar; devemos também cuidar deles, moldá-los e cultivá-las com respeito à vida e à presença do Deus vivo.

Na realidade, com os nossos olhos, vemos as coisas do mundo, mas não aprendemos a olhar. Só se ficarmos em silêncio e olharmos, percebemos a beleza de uma árvore ou a essência de uma flor. Só se olharmos e nos deixamos impressionar pelo outro que está diante de nós, amamos as coisas e as pessoas por si mesmas.

Escutamos com os nossos ouvidos os rumores do mundo externo, escutamos o ruído, as vozes, a música. Mas talvez aprendemos a escutar, ou seja, a escuta desinteressada do outro, do novo? O judaísmo e o cristianismo são religiões da escuta: "Ouve, ó Israel...", assim inicia o She'ma Israel, e Maria "escutava" a voz do anjo e guardava as suas palavras em seu coração. Não há apenas uma escuta com os ouvidos, mas também um "escutar com o coração". Essa é uma escuta profunda com todo o corpo. Depois, como se diz, chegamos "ao fundo da alma".

Deus respira através de toda a criação. Se o seu Espírito de vida se apodera de nós, desperta novamente em nós um amor inimaginável pela vida, e os nossos sentidos são despertados:

"Com a tua luz, iluminas os sentidos,
infundes o amor nos nossos corações",

canta-se no hino de Pentecostes, de Rabano Mauro.

Para combater o cinismo da aniquilação da vida, hoje difundido no nosso mundo, devemos superar a crescente indiferença do coração. A nova mística da vida dissolve esses desfalecimentos interiores, a aridez dos sentimentos para com o sofrimento alheio e o hábito de ignorar o sofrimento da natureza. Quem começa a amar a vida, a vida comum, se oporá à morte de seres humanos e à exploração da terra, e lutará por um futuro comum. Ele rezará com os olhos abertos e ouvirá o gemido da criatura oprimida.

Se amamos a Deus,
abraçamos o mundo inteiro.
Amamos a Deus com todos os nossos sentidos
nas criaturas do seu amor.
Deus espera por nós em tudo o que encontramos.

Notas:

24. J. Moltmann, Die Quelle des Lebens. Der Heilige Geist und die Theologie des Lebens. Gütersloh, 1997 [tradução italiana, La fonte della vita. Lo Spirito santo e la teologia della vita. Queriniana, Bréscia 1998].

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Espiritualidade dos sentidos: mística da vida vivida. Artigo de Jürgen Moltmann - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV