Papa ataca a coabitação e os casais gays

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • Governo Bolsonaro deixa estragar 6,8 milhões de testes de covid-19

    LER MAIS
  • A Economia de Francisco. ‘Urge uma nova narrativa da economia’. A vídeomensagem do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Março 2012

"A coabitação é um pecado grave do qual, porém, não se tem a adequada consciência". "A diferença sexual é essencial para o matrimônio". Foi isso que o Papa Bento XVI disse a um grupo de bispos norte-americanos recebidos em visita ad limina nessa sexta-feira, 9 de março.

A reportagem é de Roberto Monteforte, publicada no jornal L'Unità, 10-03-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Assim, o pontífice volta a defender a família tradicional fundamentada no casamento entre um homem e uma mulher, e convida aos bispos a fazer o mesmo. As outras formas de união, acrescenta, "prejudicam a estabilidade social". Estão sob acusação os casamentos gays, sobre os quais a Igreja Anglicana está dividida, e as outras formas de união.

O papa convida a combater as "poderosas correntes políticas e culturais" que, nos EUA, procuram alterar a "definição legal" da família fundamentada sobre o matrimônio. Ele pede que se lute contra os lobbies que estão prestes a arrancar o “placet” da Casa Branca aos casamentos gays. Também está sob acusação a discussão sobre a "indissolubilidade do matrimônio" e a rejeição de uma "sexualidade responsável".

Ratzinger insiste. Reitera os pontos firmes sobre o matrimônio: "Uma instituição natural que consiste em uma comunidade específica de pessoas, essencialmente enraizada na complementaridade dos sexos e orientada à procriação". Portanto, "as diferenças sexuais não podem ser consideradas irrelevante na definição do matrimônio".

Para o papa, defender a instituição do casamento como realidade social é "uma questão de justiça, porque compreende a salvaguarda do bem de toda a comunidade humana, dos direitos dos pais e dos filhos".

Ele pede aos bispos um compromisso concreto na sua ação "pastoral e litúrgica", que dê "testemunho inequívoco das obrigações objetivas da moral cristã". Insiste em pedir para que se convoque a sociedade a não "considerar como irrelevante a diferença sexual para a definição do matrimônio", assim como convida a se opor "ao enfraquecimento da indissolubilidade do vínculo matrimonial e de uma compreensão madura do fundamento ético da castidade, que levou a sérios problemas sociais e a imensos custos humanos e econômicos".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa ataca a coabitação e os casais gays - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV