Mulheres indígenas e camponesas unidas na luta

Revista ihu on-line

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Morte. Uma experiência cada vez mais hermética e pasteurizada

Edição: 496

Leia mais

Mais Lidos

  • Manual de ciberataque contra o Papa Francisco. Artigo de Antonio Spadaro

    LER MAIS
  • “Tudo o que está na ‘Amoris Laetitia’ foi aprovado por mais de dois terços dos padres sinoda

    LER MAIS
  • Em quem se escorar?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

09 Março 2012

"“Cansamos de esperar nossa terra, que para nós é sagrada, é nossa vida, onde a mata é nosso espírito...queremos nossa terra de volta. Chegou a hora das mulheres indígenas na luta, conseguirmos nossa vitória. Derramamos lágrimas pela terra. Lutamos pelos nossos direitos, sofremos pela nossa terra,  olhamos para a frente, nossa terra sem males”, afirmam as mulheres indígenas Kaiowá Guarani, na Jornada de luta das mulheres camponesas e indígenas do Mato Grosso do Sul, segundo relata Egon Heck, do CIMI-MS.

Eis o artigo.

Nolaila, Kaiowá Guarani, presença altiva, mesmo que silenciosa, denunciando a violência contra as mulheres indígenas e anunciado a vida, a luta pela terra mãe, o Yvy mara’ynei, a terra sem males

Pela primeira vez as mulheres do movimento indígena Kaiowá Guarani e Camponesas do estado do Mato Grosso do Sul estão juntas na Jornada de luta, por ocasião do Dia Internacional da Mulher, numa histórica luta contra o latifúndio, o agronegócio, a não demarcação das terras indígenas,a paralisação da reforma agrária e descaso com os  assentamentos.

Dourados que tem se notabilizado pela corrupção nas esferas do poder executivo e legislativo locais, no INCRA,  pela inoperância das políticas com relação aos povos indígenas, dá mostras de que a população oprimida, vítima dessas mazelas, está organizada e lutando contra todo o tipo de políticas que desrespeitem seus direitos e suas vidas. As mulheres guerreiras e lutadoras são as maiores vítimas, mas também as mais aguerridas lutadoras contra esse sistema e estrutura de violência e morte..

Em documento que entregaram essa manhã no Ministério Público Federal em Dourados, fazem várias exigências, dizendo “Nós, mulheres indígenas Guarani Kaiowa e camponesas, reunidas na Jornada de Luta, realizada nos dias 06 a 08 de março, em Dourados-MS, estamos nos unindo na luta pelos direitos de todas as mulheres de nosso Estado e do Brasil, que neste dia oito de março trazem a memória de tantas “Marias” que no silencio e no anonimato constroem e gestam este país mais cheio de ternura e de fortaleza. Mulheres guerreiras, sim, e sempre na luta sem se cansar. Mulheres da resistência e da esperança de que outro mundo é possível, mais justo e solidário. Por entender o relevante papel que o Ministério Público Federal tem desempenhado na defesa de fazer valer  direito constitucionalmente assegurado à nação”

Indignação e organização das mulheres Kaiowá Guarani

Na recente Aty Guasu, realizada na TI Jaguapiré, as mulheres indígenas deram uma mostra de sua disposição e capacidade de indignação e luta pelos seus direitos.

No encontro da Jornada de Luta das mulheres camponesas e indígenas do Mato Grosso do Sul, elas externaram sua dura realidade “Cansamos de esperar nossa terra, que para nós é sagrada, é nossa vida, onde a mata é nosso espírito...queremos nossa terra de volta. Chegou a hora das mulheres indígenas na luta, conseguirmos nossa vitória. Derramamos lágrimas pela terra. Lutamos pelos nossos direitos, sofremos pela nossa terra,  olhamos para a frente, nossa terra sem males”.

No documento entregue no Ministério Público Federal, as mulheres indígenas e camponesas fazem graves denúncias de violação de seus direitos e das violências impetradas pelo sistema de concentração de terra, considerado um sistema de morte  “Desde 2008 o Brasil se transformou no maior consumidor de agrotóxico do mundo, em 2009 foram despejados na agricultura nada menos que 1 milhão de toneladas. Nós mulheres somos as mais atingidas direta e indiretamente pelas mazelas causadas por este sistema produtivo dependente do agrotóxico, baseado no monocultivo, na concentração da terra e da riqueza. Acreditamos em outra forma de viver e produzir que contribua para a soberania alimentar do País e a  preservação da biodiversidade”.

Com  relação aos povos indígenas o documento reafirma as exigências da recente Aty Guasu de Jaguapiré, reafirmando sua firme decisão de lutar contra toda a forma de violência e pela recuperação e garantia de seus territórios “A urgente identificação e demarcação de nossas terras, como condição para diminuir a      fome, a dependência e violência em nossas aldeias e acampamentos. Caso isso não aconteça vamos ajudar nossos guerreiros nas retomadas de nossos tekohá. Se o governo não cumprir os prazos vamos levar às instâncias internacionais como OEA e ONU.

Mas não foram apenas três dias de informação, debate, construção de alianças e solidariedade na luta. Foi também um tempo de protesto, com uma mobilização contra os agrotóxicos, numa das empresas distribuidoras desses insumos em Dourados.

Em recente mensagem ao Povo Kaiowá Guarani, D. Pedro Casaldaliga, assim expressa sua solidariedade com esse sofrido mas guerreiro povo “Nos unimos de coração às lutas e às esperanças do sofrido povo Kaiowá Guarani. Parabéns pela sua resistência; está dentro da procura da Terra Sem Males. O Deus da Vida está com esse povo... companheiros (as) do CIMI e de outros grupos solidários, continuem dando testemunho e acompanhando com paixão.”

A organização e luta das mulheres é sem dúvida um dos maiores avanços da vida e da esperança nesse século XXI.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Mulheres indígenas e camponesas unidas na luta