Papáveis em potencial: os concorrentes do próximo conclave

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • “O grande erro da esquerda é pensar que movimentos sociais são sempre bons", afirma Manuel Castells

    LER MAIS
  • Um milhão de crianças fora da escola: o absurdo do trabalho infantil no Brasil

    LER MAIS
  • Discurso da esquerda não dá a Lula a menor chance de fazer bom governo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Janeiro 2012

Um dos pontos de discussão em Roma nos últimos meses tem sido a crescente fragilidade do Papa Bento XVI. Inevitavelmente, a especulação se voltou para o seu provável sucessor. Eis aqui um guia daqueles que são considerados papáveis.

A reportagem é de Robert Mickens, publicada na revista católica britânica The Tablet, 31-12-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Em poucos meses, o Papa Bento XVI terá superado oficialmente o Beato João Paulo II e se tornará o homem mais velho em mais de 100 anos a servir como Bispo de Roma. O papa polonês morreu apenas 16 dias antes do seu 85º aniversário, um marco que o Papa Bento XVI está prestes a chegar no dia 16 de abril. Apenas quatro outros papas, desde o fim do século XIII, chegaram aos 86 anos de idade, dos quais o mais recente foi o Papa Leão XIII, que morreu aos 93 anos em 1903.

Embora a saúde geral do Papa Bento XVI pareça estar boa, ele começou a mostrar sinais de fadiga e de crescente fraqueza. A história e a prudência sugeririam que os cardeais da Igreja deveriam começar a pensar seriamente sobre candidatos adequados para sucedê-lo. Votar no sucessor de Pedro é o principal e mais grave propósito para o qual eles recebem um barrete vermelho. Eles devem evitar ser pegos desprevenidos, como aparentemente foram no conclave passado, quando diversos cardeais confessaram publicamente que não conheciam muito bem os seus confrades.

O próximo papa provavelmente será o produto de um compromisso entre os eleitores, o que evidentemente não foi o caso do último conclave. As regras de votação haviam sido revisadas significativamente em 1996 pelo Papa João Paulo II, permitindo uma eleição por maioria simples depois de algumas semanas de impasse. Anteriormente, a votação continuaria até que um candidato recebesse 2/3 mais um voto. Aparentemente, Joseph Ratzinger alcançou uma maioria simples no início da votação e, de acordo com uma teoria, uma série de outros cardeais concordou em acrescentar o seu apoio à sua candidatura, em vez de arriscar um conclave prolongado, destacando a divisão que isso sinalizaria.

Isto possivelmente não irá acontecer no próximo conclave. Pouco depois da sua eleição, o Papa Bento XVI sabiamente mudou as regras de volta ao sistema tradicional. Assim, o seu sucessor provavelmente será alguém com um amplo apoio, em vez de alguém que vem principalmente de uma facção particular. De acordo com o número 1.024 do Código de Direito Canônico, qualquer homem batizado é elegível. Mas, desde 1378, o papa sempre foi eleito a partir do Colégio dos Cardeais.

Mesmo que o Papa Bento XVI crie um número qualquer de novos membros antes do próximo conclave, possivelmente o Colégio irá manter certas características. Primeiro, haverá um grupo significativo de homens com experiência de trabalho na Cúria Romana: ou seja, o homem que finalmente for eleito papa terá que ter o apoio desse bloco.

Em segundo lugar, aproximadamente a metade ou mais dos membros serão europeus, e uma porcentagem ainda maior terá estudado em Roma ou em algum outro lugar do Velho Continente. Assim, o candidato vitorioso, mesmo que não europeu, provavelmente terá passado por um grau de polinização europeia. E, como essa é uma eleição do Bispo de Roma, qualquer papável a sério deve ter um domínio decente da língua italiana.

Os prováveis candidatos

Cardeal Angelo Scola (nascido em 7 de novembro de 1941), arcebispo de Milão, é o atual favorito de acordo com muitos italianos. Ele é próximo de Bento XVI e tem um currículo impressionante, que inclui o cargo de reitor da Universidade Lateranense e de bispo em duas dioceses anteriores, incluindo o Patriarcado de Veneza. Ele é também um dos primeiros padres a ter sido ordenado, em 1970, exclusivamente para o serviço do Comunhão e Libertação (CL), embora seus apoiadores tentaram argumentar que a sua filiação ao movimento encerrou assim que ele se tornou bispo. Com acesso ao financiamento do CL, ele foi criador de programas universitários e culturais ambiciosos, e um restaurador de igrejas. Uma de suas maiores realizações foi a de estabelecer a Fundação Oasis, que reúne estudiosos muçulmanos e cristãos para debater sobre o futuro do mundo mediterrâneo. Mas afirma-se que ele tem adversários na Cúria Romana. E, aos 70 anos, as horas vão passando.

Cardeal Odilo Pedro Scherer (nascido em 21 de setembro de 1949), arcebispo de São Paulo, é o candidato latino-americano mais forte, mas tem um apelo que se estende para além das considerações geográficas. Ele não só lidera a maior diocese do maior país católico do mundo desde 2007, mas também tem excelentes credenciais romanas. Teuto-brasileiro, obteve uma licenciatura e um doutorado em teologia na Universidade Gregoriana e depois passou vários anos trabalhando na Congregação para os Bispos (1994-2001). Enquanto isso, trabalhou na Diocese de Toledo (Brasil) como reitor de seminário e pároco. Sendo bispo auxiliar desde 2001 e cardeal desde 2007, a Cúria Romana, os europeus e os latino-americanos poderiam encontrar nele um candidato de consenso.

Cardeal Peter Turkson (nascido em 11 de outubro de 1948), presidente do Conselho Pontifício Justiça e Paz, é o favorito entre os africanos. Nascido em Gana de pai católico e mãe que se converteu do metodismo, ele é um dos poucos africanos de ter realizado estudos de doutoramento no Pontifício Instituto Bíblico em Roma. Completou seus estudos básicos de teologia em um seminário dirigido pelos franciscanos conventuais em Nova York e depois lecionou em um seminário em seu país natal, Gana. Foi nomeado arcebispo de Cape Coast em 1992 e cardeal em 2003. Desde que assumiu seu cargo vaticano em outubro de 2009, ele impressionou as pessoas pelos seu claro sentido pastoral, seu estilo pé-no-chão e seu gentil senso de humor.

Cardeal Oscar Andrés Rodríguez Maradiaga, SDB (nascido em 29 de dezembro, 1942), arcebispo de Tegucigalpa, foi descrito como um João Paulo II latino-americano por causa da sua personalidade carismática, suas habilidades linguísticas e seu trabalho na promoção do ensino social da Igreja. Hondurenho de nascimento, é atualmente presidente da Caritas Internationalis e foi "italianizado" no início de sua formação salesiana de Roma e Turim. Músico formado em conservatório, passou seus primeiros breves anos de sacerdócio na sala de aula antes de se tornar bispo na tenra idade de 35 anos. Foi criado cardeal em 2001. Manchou a sua reputação por apoiar, inicialmente, o golpe militar de 2009 em Honduras.

Cardeal Christoph Schönborn, OP (nascido em 22 de janeiro de 1945), arcebispo de Viena, é provavelmente o mais forte candidato europeu fora da Itália. Teólogo de tradição dominicana que estudou em Paris e na Alemanha, é urbano, poliglota e de linhagem nobre. Quando se tornou um jovem cardeal em 1998, foi considerado um dos mais brilhantes entre os conservadores do Colégio, mas isso foi quando existiam alguns notáveis moderados-progressistas que ainda estavam com idade de votar. Protestos de reformistas católicos na Áustria estão agora testando a resistência do veterano, e as avaliações sobre o seu desempenho ainda estão ocorrendo. Alguns acreditam que ele abriria novos caminhos se lhe fosse permitido. Mas a sua proximidade com o Papa Bento XVI e a improbabilidade de que os cardeais elejam dois papas de língua alemã consecutivamente vão contra ele.

Cardeal Leonardo Sandri (nascido em 18 de novembro de 1943) tem sido descrito como um candidato ítalo-argentino ideal, que restauraria a ordem que quase se desintegrou na Cúria Romana durante o pontificado atual. Atual prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, é um antigo diplomata papal com uma linhagem da Accademia Ecclesiastica. Como sostituto (vice-secretário de Estado) de 2000 a 2007, foi um dos homens mais poderosos do pontificado de João Paulo II. No entanto, ele não tem experiência pastoral e nunca foi bispo diocesano.

Cardeal Marc Ouellet, SSP (nascido em 8 de junho de 1944) lidera a Congregação para os Bispos desde junho de 2010. Franco-canadense, juntou-se à prestigiada sociedade de ensino sulpiciana logo depois de sua ordenação sacerdotal e passou a maior parte de sua vida como professor de seminário e reitor. Passou 10 anos na Colômbia e depois nove novamente no Canadá, antes de ir para Roma em 1997 para lecionar no Instituto João Paulo II para Matrimônio e Família. É ex-editor da Communio, a revista internacional fundada por Joseph Ratzinger e por Hans Urs von Balthasar, cuja teologia de ambos ele abraça. Depois de ter atuado brevemente como vice-presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, foi nomeado arcebispo do Quebec em 2002 e recebeu seu barrete vermelho três anos depois. Durante oito seus anos como líder espiritual de uma das sociedades mais secularizadas do mundo, o cardeal Ouellet muitas vezes causou polêmica ao falar sobre questões morais. Sua afabilidade e sinceridade ajudaram a suavizar as fissuras, mas não está claro se ele foi capaz de realizar muitas coisas em breve tempo por lá.

Cardeal Gianfranco Ravasi (nascido em 18 de outubro de 1942) tornou-se um sucesso instantâneo quando o Papa Bento XVI nomeou-o presidente do Pontifício Conselho para a Cultura em 2007. Biblista de primeira linha que popularizou os estudos da Escritura através da televisão, da rádio e dos jornais populares italianos, ele liderou ambiciosamente esforços para restabelecer o lugar proeminente que a Igreja Católica e o Vaticano costumavam ocupar no mundo da alta cultura. Antes de assumir seu cargo em Roma, passou a maior parte de seu tempo como professor e diretor da altamente estimada Biblioteca Ambrosiana em sua Milão natal. Gentil e afável, considerado "moderado" eclesiologicamente, ele infelizmente não tem experiência global e multicultural. É um intelectual europeu clássico.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papáveis em potencial: os concorrentes do próximo conclave - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV