Julgamento do assassinato do Cacique Veron

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • EUA. Padre é suspenso por celebrar a missa rejeitando Francisco como Papa

    LER MAIS
  • A economista que defende uma mudança radical do capitalismo para o mundo pós-pandemia

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga: sua Morte dá Sentido ao seu Credo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Fevereiro 2011

"Acompanhar todos os momentos do julgamento de três dos acusados do assassinato do cacique Marcos Veron, é poder entender um pouco mais da história de luta e sofrimento desse povo, e sentir que depois de mais de cinco séculos eles continuam sendo assassinados por que querem continuar vivendo em pequenos espaços de suas terras tradicionais. O julgamento possívelmente estará indo amanhã noite e talvez madrugada adentro, até que finalmente seja anunciada a decisão dos jurados", escreve Egon Heck, coordenador do CIMI-MS, ao enviar o artigo que abaixo publicamos.

Eis o artigo.

No terceiro dia do julgamento foram ouvidas vítimas e testemunhas de acusação e defesa.  Foram os depoimentos que mais estavam sendo aguardados, uma vez que os depoentes eram os mais diretamente afetados pelas violências que resultaram no assassinato do cacique Marcos Veron Avá Taperendy, líder Guarani Kaiowá,  no dia 13 de janeiro de 2003

Ladio Veron, filho mais velho do cacique assassinado, e que sofreu espancamentos, tortura e ameaças  de atearem  fogo em seu corpo,  fez o depoimento mais contundente e detalhado da bárbara agressão sofrida, tendo sido amarrado e jogado na carroceria de uma camionete, juntamente  com seu pai, agonizante.

Ladio, após o depoimento já  reintegrado ao grupo de seus familiares e amigos, declarou que "espera que a justiça agora seja feita. Que o assassinato de seu pai não fique impune, bem como outros assassinatos de líderes indígenas Kaiowá Guarani."  Bastante sereno e confiante declarou: "só ficarei mais tranqüilo na hora que terminar o julgamento com a punição dos assassinos".

Adelcia Martins Veron, a primeira vítima a depor, disse "a dor que passei é como se tivesse sido ontem. Uma coisa muito triste. Vi com meus próprios olhos, o massacre a judiação, a lamentação e gritos das crianças e mulheres. Tudo isso fui relembrando enquanto fui  falando no depoimento. O tiroteio que a gente sofreu, é um grande sentimento que a gente vai sentindo de novo. A coisa mais triste que aconteceu foi ver o nosso cacique ir morrendo aí sem a gente poder fazer nada. Ele morrendo, sem xingar ninguém. Morrendo como uma abelha. Uma dor do povo índio de Takuara dando a sua vida".

Relatou ainda "Eu não agüentava, chorava muito, vendo toda aquela tortura.  Meu coração ficou doendo vendo toda aquela judiação. Espero que tenha justiça. Que os jurados sintam no seu coração aquela dor que sofremos com o assassinato do nosso cacique. Esperamos continuar vivendo com nossas crianças do jeito que ele nos ensinou, na reza, no guachiré. E assim continue nossa alegria na aldeia Takuara. Ele deu a vida pela terra e pelo futuro das nossas crianças. Os fazendeiros mataram nosso cacique sem compaixão, mas nós vamos continuar a vida do nosso cacique".

Por fim, ressaltou "Que o governo possa ouvir e sentir onde o sangue foi derramado e demarque a nossa terra, para que a gente possa viver tranqüilo em nossa terra, com nossas crianças.  Hoje quem lidera o grupo indígena da aldeia Takuara  é o filho mais velho do cacique Marcos Veron,  Ládio Veron Avá Taperendy’i ".

Araldo Veron, primeiro depoente de testemunha de acusação, declarou  "estava com grande  sentimento e ansiedade  esperando há muito tempo  esse julgamento. Creio muito na justiça que  vai  dar a sentença para os que mataram meu pai. Fiquei muito contente porque o julgamento está acontecendo e, agora, esperamos a punição dos assassinos do nosso pai Marcos Verón.

Recordou das pessoas que os tem ajudado nessa luta. "Agradecemos a todos os que nos apoiaram e deram força como a Fiona da Survival, os amigos do Cimi e muitos outros por esse Brasil e mundo afora, que assistiram e apóiam a nossa causa, dando força nessas horas difíceis". Finalizou dizendo "que a nossa comunidade esteja contente e todos os professores e alunos  do Teko Arandu, que deram  muita força para nós."

Rosalino Ortis ,líder aldeia Yvy Katu, município Japorã disse: "queremos que sejam punidos os assassinos do líder indígena guarani Marcos Verón. Agradecemos por ter acontecido o julgamento e esperamos que a justiça venha para julgar o assassinato de outras lideranças indígenas, mortas pelos pistoleiro dos fazendeiro no Mato Grosso do Sul".

Ressaltou ainda, "Agradeço  a outras liderança,  Funai ,Cimi, Ministério Público Federal e Polícia Federal . Espero que não aconteça mais conflitos por causa de nossas terras".

Franscisco Gonçalves, importante liderança guarani declarou "estou confiante na justiça, que esses assassinos sejam punidos pela violência e tortura cometidas contra o cacique Marcos Veron,  índio Guarani e dos outros líderes assassinados pelos pistoleiros dos fazendeiros no Mato Grosso do Sul. Agradeço à  Justiça Federal e a todas as liderança indígena Guarani Kaiowá."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Julgamento do assassinato do Cacique Veron - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV