Marcos Veron. O julgamento dos acusados do assassinato do cacique Guarani Kaiowá

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • “Infelizmente, a história da escravidão é contada por pessoas brancas”. Entrevista com Laurentino Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Fevereiro 2011

Acontece em São Paulo, o julgamento dos acusados pelo assassinato do cacique Guarani Kaiowá. Na opinião de Egon Heck, coordenador do CIMI - MS.

Segundo ele, trata-se de "um julgamento histórico para os Guarani Kaiowá e os povos indígenas do país. Este povo não aguenta mais tanta violência e impunidade".

Eis o artigo.

A cidade de São Paulo, esse grande formigueiro humano, de mais de 12 milhões de pessoas agitadas, será, nesta semana, um espaço de muita atenção e confiança dos Guarani Kaiowá. O início do julgamento dos acusados pelo assassino do cacique Marcos Veron, neste dia 21 de fevereiro, teve grande repercussão na mídia local e nacional.  Trata-se de um acontecimento raro, pois poucos matadores de índios e, em especial dos Guarani, foram até hoje julgados. Outro fato que chama atenção é o fato do julgamento ter sido deslocado de Dourados, no Mato Grosso do Sul, para São Paulo. Os Procuradores da República entenderam que naquela cidade poderia não haver a isenção necessária para o julgamento deste crime.

Cerca de 40 indígenas Guarani Kaiowá vieram a São Paulo para acompanhar de perto e participar do julgamento. Alguns serão testemunhas de acusação, enquanto os outros vieram somar forças e dar visibilidade à luta do povo pelo julgamento dos acusados. Filhos, parentes e amigos de Marcos Veron estarão nesse pequeno espaço próximo ao centro nervoso e econômico de São Paulo, a Avenida Paulista, nos próximos dias, clamando por justiça, fim da impunidade e reconhecimento das terras  Guarani Kaiowá.

Eles vêm de uma história marcada por massacres, violência, usurpação de suas terras, destruição das florestas e da natureza. Eles vêm da terra em que se exalta um tipo de progresso e desenvolvimento através do agronegócio, concentrador e excludente, da monocultura e dos transgênicos, do agrotóxico, de profundo impacto na natureza e poluição das águas e da terra. Eles vêm do território Guarani, dos índios sem terra, dos acampamentos e confinamentos à beira de estradas. Eles vêm do sofrimento, da fome, da injustiça e da impunidade. Vêm apenas pedir justiça e, do alto de sua heróica resistência e dignidade, pedir punição.

No primeiro dia do julgamento, o tempo foi ocupado com a escolha dos sete jurados. Dentre os candidatos, a defesa dos réus vetou três mulheres, o que, para um dos antropólogos presentes, sinaliza o afastamento da sensibilidade maior das mulheres e os possíveis impactos de semelhante crime. Depois foram lidas as peças dos autos solicitadas pela acusação e a defesa, onde se explicitam os argumentos das partes.

Dentre os  Guarani Kaiowá presentes, estavam três filhas e sete netos de Veron. Ao ouvirem a leitura de depoimentos colhidos pela polícia do MS, permaneceram num indignado silêncio.  Desabafaram depois de encerrada a sessão, antes das cinco horas da tarde, pela ausência dos testemunhas de acusação, que foram impedidos de embarcar no aeroporto de Dourados,  sob a alegação de que, pintados e de cocares, não poderiam embarcar. Posteriormente se deslocaram até Campo Grande e daí a São Paulo.  "Incrível como se montam mentiras e distorcem totalmente os acontecimentos para tentar encobrir um crime tão bárbaro como o assassinato do meu pai", desabafou Valdelice Veron.

Depois do encerramento dos trabalhos do primeiro dia, os  Guarani Kaiowá fizeram um rápido ritual de agradecimento e também pedido aos espíritos de seus antepassados para que os protejam, e iluminem os que vão julgar o assassinato,  para que a paz e a justiça volte a reinar e suas terras sejam reconhecidas, devolvidas e respeitadas conforme as leis nacionais e internacionais.

Após o encerramento dos trabalhos, vieram para a aldeia Guarani Mbyá, no morro do Jaraguá, na periferia de São Paulo.  Ali foram acolhidos com muito carinho pelos seus parentes, num gesto de solidariedade e apoio Guarani. Ali lhes ofereceram o jantar e espaço para descansar depois da longa viagem até a Grande São Paulo.

É um julgamento histórico para os Guarani Kaiowá e os povos indígenas do país. Este povo não aguenta mais tanta violência e impunidade.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Marcos Veron. O julgamento dos acusados do assassinato do cacique Guarani Kaiowá - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV