Arcebispo de Berlim nomeará um ministro pastoral para a comunidade LGBTQ

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Agosto 2021

 

Depois de um encontro com a Associação de lésbicas e gays de Berlin-Brandenburg (LSVD), o arcebispo de Berlim Mons. Heiner Koch prometeu nomear um ministro pastoral para a comunidade LGBTQ em sua arquidiocese. “Koch - informa a agência de notícias alemã KNA - afirmou que considera a dupla marginalização dos gays católicos - dentro da comunidade católica e da comunidade LGBTQ - “problemática e dolorosa”. Embora não possa ignorar a posição expressa em março passado pelo Vaticano, com a negação da bênção dos casais homossexuais, Koch disse estar empenhado "sem reservas em conceder a bênção de Deus ao amor e às relações entre as pessoas".

A reportagem é de Ludovica Eugenio, publicada por Adista, 22-08-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

A arquidiocese de Berlim e a LSVD estão ligados por uma relação dialógica e construtiva, desde quando, em 2011, o então arcebispo card. Rainer Maria Woelki convidou pela primeira vez os representantes da associação para um debate. Em janeiro de 2016, Koch visitou o "Centro para migrantes mulheres, lésbicas e gays" da LSVD para conhecer a situação de vida dos refugiados queer. Em janeiro de 2019, ele também foi o primeiro arcebispo de Berlim a participar de uma cerimônia comemorativa para os homossexuais perseguidos pelo nazismo. Koch confirmou que, como próximo passo, ele aceitou um convite do Grupo de Trabalho Ecumênico Homossexuais e Igrejas (HuK) e celebrar serviços religiosos com o grupo de Berlim.

O apoio de Koch à pastoral LGBTQ também pode ter repercussões fora de sua arquidiocese: o arcebispo presidiu a Comissão para o casamento e a família da Conferência Episcopal alemã desde 2014 e, no ano passado, declarou que a homossexualidade é "normal", afirmando que o ensinamento da Igreja contrário à atividade sexual entre pessoas do mesmo sexo constitui um "assunto quente". Em nível internacional, Koch participou do Sínodo sobre a família, onde se uniu aos bispos de seu país para pedir uma pastoral LGBTQ mais articulada.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Arcebispo de Berlim nomeará um ministro pastoral para a comunidade LGBTQ - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV