A redução da presença de resíduos em alimentos só será feita por pressão do consumidor. Entrevista especial com Amir Bertoni Gebara

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • Calmaria antes da tempestade: antecipando o plano radical de um papa reformista para reduzir a Cúria Romana

    LER MAIS
  • Deus nos livre do deus do presidente

    LER MAIS
  • Lula solto poderia tirar militares do controle, diz comandante do Exército: “Estávamos no limite”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Patricia Fachin | 09 Novembro 2017

A pedido do Greenpeace, o Laboratório de Resíduos de Pesticidas do Instituto Biológico de São Paulo analisou a quantidade de resíduos de agrotóxicos presentes em uma série de alimentos à venda em São Paulo e Brasília. Sobre o resultado geral da análise, o pesquisador do Instituto, Amir Bertoni Gebara, é categórico: “Esperávamos que o número de alimentos com resíduos fosse menor, mas também não esperávamos que fosse zero. Aconteceu de em algumas amostras, como a do pimentão, encontrarmos sete diferentes produtos. Não que isso já não tenha acontecido antes, em outras ocasiões, mas continua acontecendo, e isso é ruim”.

Na entrevista a seguir, concedida por telefone à IHU On-Line, Gebara explica que os resultados dos alimentos são classificados em quatro grupos distintos. No primeiro grupo não há resíduos de pesticidas nos alimentos; no segundo, o percentual é baixo e está dentro das regras legais estabelecidas pelos órgãos fiscalizadores; no terceiro, foram encontrados resíduos de pesticidas não autorizados para as culturas analisadas; e no quarto grupo foram encontrados resíduos acima do permitido por lei.

“As amostras não vieram todas na mesma quantidade. As que chamaram mais atenção em função dos resultados foram o pimentão verde, onde em uma amostra foram encontrados sete produtos e em outra foram encontrados cinco produtos, sendo que alguns deles não eram permitidos para essa cultura. A laranja apresentou resíduos não permitidos e acima do limite. O mamão formosa também tinha resíduos acima do permitido e substâncias não permitidas; o resultado em mamão papaia não é muito diferente. Analisamos também muitas amostras de banana e em apenas uma delas apareceu resíduo de um agrotóxico. O tomate tinha menos substâncias do que o esperado, e a couve manteiga também tinha resíduos de produtos não permitidos. No café, no feijão carioca, no feijão preto e no arroz e arroz integral, encontramos um único caso em que havia um produto não permitido, mas no restante estava tudo bem. Nesse grupo, os piores foram pimentão, mamão, couve e laranja”, sintetiza.

Amir Bertoni Gebara também reflete sobre a necessidade de esse tipo de análise ter alguma incidência sobre ações de fiscalização, e afirma que o percentual de análise nos alimentos brasileiros ainda é baixo. “Infelizmente são poucos os laboratórios que fazem esse tipo de análise, mas isso não significa que eles estejam com muito trabalho; ao contrário, a demanda não é grande. Há um custo para fazer esse tipo de análise, mas não sei dizer se o custo é o fator limitante para que não sejam feitas mais análises; acho que a imagem negativa de quando se encontra resíduo em algum alimento pode ser uma das causas, porque gera uma repercussão para toda a cadeia produtiva, e inclui as esferas oficiais e governamentais”, diz.

Amir Gebara | Foto: Researchgate

Amir Bertoni Gebara é graduado em Biologia pela Universidade de Santo Amaro - UNISA, mestre em Ciências Biológicas pela Université du Québec à Montréal e doutor em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo - USP. Atualmente é pesquisador científico do Instituto Biológico da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Confira a entrevista.

IHU On-Line - Como foi feita a análise realizada pelo Laboratório de Resíduos de Pesticidas do Instituto Biológico de São Paulo, a pedido do Greenpeace, a qual constatou que diversos alimentos à venda em São Paulo e Brasília contêm resíduos de agrotóxicos acima do permitido?

Amir Bertoni Gebara – O Laboratório de Resíduos de Pesticidas do Instituto Biológico de São Paulo existe há mais de 40 anos e iniciou o trabalho de monitoramento com a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo – Ceagesp em 1978. Então, o laboratório tem um histórico e executa periodicamente análises de resíduos de pesticidas em alimentos, e desenvolve e atualiza métodos. O monitoramento de resíduos de pesticidas em alimentos deveria ocorrer de forma perene, mas infelizmente o laboratório não participa de nenhum programa no âmbito federal e estadual de monitoramento de resíduos.

Essa análise foi feita a pedido do Greenpeace, que nos procurou e trouxe uma série de amostras de alimentos de diferentes origens, e nós as analisamos. Os resultados podem ser vistos de quatro diferentes maneiras. Na primeira delas não apresenta nenhum resíduo de agrotóxico. Na segunda, os alimentos tinham resíduos de pesticidas, mas com um percentual abaixo do número permitido. No terceiro grupo, encontramos resíduos de pesticidas que não são autorizados para as culturas analisadas, como, por exemplo, no caso da laranja. No quarto grupo encontramos resíduos de agrotóxicos em níveis acima do permitido pela Anvisa e órgãos reguladores.

A nossa responsabilidade começa quando chega a amostra no laboratório e termina quando emitimos o certificado de análise. A origem da amostra para nós é desconhecida, e o que é feito depois, em termos de fiscalização, também não sabemos, porque não somos um órgão de fiscalização, somos um instituto de pesquisa.

IHU On-Line - Considerando a regularidade com que você faz esse tipo de análise, diria que o resultado dessa análise encomendada pelo Greenpeace trouxe alguma novidade em relação ao que já se sabia sobre os índices de resíduos de agrotóxicos em alimentos?

Amir Bertoni Gebara – A respeito das amostras do Greenpeace, esperávamos que o número de alimentos com resíduos fosse menor, mas também não esperávamos que fosse zero. Aconteceu de em algumas amostras, como a do pimentão, encontrarmos sete diferentes produtos. Não que isso já não tenha acontecido antes, em outras ocasiões, mas continua acontecendo, e isso é ruim. Como consumidor, eu esperava encontrar menos resíduos, gostaria que os agricultores utilizassem menos produtos e da forma correta. Também gostaria que fossem disponibilizados para esses agricultores — porque afinal não sei se eles são os algozes desse sistema, talvez eles sejam vítimas também desse sistema maluco de consumo — produtos menos agressivos, que eles usassem menos variedades e quantidades de agrotóxicos, ou até que não usassem nada, e que existissem somente alimentos orgânicos, em grandes quantidades, a preços competitivos, mas isso é um tanto utópico.

IHU On-Line - Você comentou, em outras ocasiões, que em algumas análises já foram encontrados agrotóxicos em alimentos orgânicos. Com que frequência isso ocorre e em que tipos de alimentos orgânicos já foram encontrados agrotóxicos?

Amir Bertoni Gebara – Sim, em algumas análises já encontramos resíduos de agrotóxicos em alimentos orgânicos, mas o número é bem menor se comparado aos alimentos não orgânicos. A cada dez amostras de alimentos convencionais, três apresentam resíduos, e nos orgânicos, a cada dez, um apresenta. O ideal seria que não apresentasse nada.

Nós temos uma parceria de análise dos produtos orgânicos com o Ministério da Agricultura, porque eles trabalham muito com isso, para inclusive certificar os produtores. Então, em princípio, os produtores são orientados e treinados para não usar nenhum tipo de pesticida no manejo do solo, mas às vezes encontramos um ou outro alimento com agrotóxico em pequena quantidade. Não dá para culpar o agricultor sozinho quando encontramos agrotóxico num alimento orgânico, porque talvez ele não tenha usado nada de agrotóxico mesmo, mas até chegar na gôndola do supermercado o alimento passa por outros caminhos como, por exemplo, pelo caminhão que pode ter sido pulverizado contra pragas urbanas, e os resíduos desses pesticidas podem passar para o alimento.

De todo modo, não dá para fazer uma apologia negativa aos alimentos orgânicos, e os órgãos de fiscalização devem acompanhar as produções, fazer um trabalho de resíduos ou monitoramento, como deveria acontecer com todos os alimentos. Infelizmente são poucos os laboratórios que fazem esse tipo de análise, mas isso não significa que eles estejam com muito trabalho; ao contrário, a demanda não é grande. Há um custo para fazer esse tipo de análise, mas não sei dizer se o custo é o fator limitante para que não sejam feitas mais análises; acho que a imagem negativa de quando se encontra resíduo em algum alimento pode ser uma das causas, porque gera uma repercussão para toda a cadeia produtiva, e inclui as esferas oficiais e governamentais.

IHU On-Line – Você tem informações sobre como as análises feitas e os resultados obtidos repercutem nos órgãos de fiscalização?

Amir Bertoni Gebara – A única forma de divulgarmos nossos resultados para o grande público é via mídia, porque os demais estudos são divulgados nos meios científicos e o grande público não tem acesso ou não se interessa por eles. O estado de São Paulo tem órgãos de fiscalização, mas, por questões que não me sinto seguro em falar, ainda não viabilizou um monitoramento constante com desdobramento para ações pós-análise. Isso também não acontece no âmbito federal. O que ocorre são algumas parcerias com alguns municípios. Sei que existia o programa federal do Ministério da Saúde e da Anvisa, chamado Programa de Análise de Resíduos em Alimentos – PARA e, se não me engano, a última publicação deles foi em 2015, mas não lembro de ter visto um programa específico para tratar das consequências por conta dessas análises.

A redução da eventual presença de resíduos em alimentos só será feita por pressão do consumidor, porque é ele quem pode exigir alguns produtos e pode parar de comprar outros. Nós fizemos alguns trabalhos com grandes redes de supermercados no sentido de trazer um produto diferenciado para os consumidores, porque alguns mercados, como eram grandes compradores, poderiam exigir mais qualidade dos produtores. No entanto, parece que esse tipo de trabalho está morrendo à míngua, porque não existem grandes projetos de controle dos alimentos.

Nós temos uma parceria com uma empresa distribuidora de grãos, chamada Broto Legal, há mais de dez anos e já fizemos mais de cinco mil análises para ela. Essa empresa leva isso muito a sério e oferece seus produtos com um informativo, no qual consta que os produtos passaram por análise de resíduos de agrotóxicos, e os vende a preços competitivos. Não estou fazendo propaganda, mas o fato é que essa empresa não recebe feijão ou arroz de uma carga qualquer sem antes fazer análise de resíduo. Se houver contaminação, a empresa nem deixa descarregar a mercadoria. Mas ela paga para que isso seja feito, então deve ter avaliado que vale a pena.

IHU On-Line – O Brasil é considerado há alguns anos o país que mais consome agrotóxicos no mundo e há muitas críticas ao uso desses produtos nos cultivos. Apesar disso, a que atribui a falta de pressão social para que esse tipo de análise seja feito?

Amir Bertoni Gebara – É conhecido que o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo e essa é uma notícia muito ruim, mas há uma série de fatores que dificultam o barramento do uso. Um deles é o interesse comercial, antes de mais nada, e a questão econômica é a que mais pesa em qualquer negócio. Além disso, não existe um sistema organizado, perene, que favoreça esse tipo de coisa. As condições climáticas do país também são imprevisíveis; por exemplo, num dia está fazendo 32 graus e no outro está fazendo 14 graus. Essa falta de definição climática, por conta de o Brasil ser um país tropical, que tem uma série de pragas e insetos e ervas daninhas que atacam as plantações, exige uma carga de agrotóxicos. Além disso, há o despreparo do agricultor em alguns casos, a ganância dos vendedores de agrotóxico, o volume de comércio dos produtores de agrotóxicos e a falta de capacidade operacional e de interesse político dos órgãos públicos.

IHU On-Line - Pode nos dar alguns exemplos de quais alimentos foram analisados, que tipos de substâncias foram encontradas e quais as implicações delas para a saúde?

Amir Bertoni Gebara – As amostras não vieram todas na mesma quantidade. As que chamaram mais atenção em função dos resultados foram o pimentão verde, onde em uma amostra foram encontrados sete produtos e em outra foram encontrados cinco produtos, sendo que alguns deles não eram permitidos para essa cultura. A laranja apresentou resíduos não permitidos e acima do limite. O mamão formosa também tinha resíduos acima do permitido e substâncias não permitidas; o resultado em mamão papaia não é muito diferente. Analisamos também muitas amostras de banana e em apenas uma delas apareceu resíduo de um agrotóxico. O tomate tinha menos substâncias do que o esperado, e a couve manteiga também tinha resíduos de produtos não permitidos. No café, no feijão carioca, no feijão preto e no arroz e arroz integral encontramos um único caso em que havia um produto não permitido, mas no restante estava tudo bem. Nesse grupo os piores foram pimentão, mamão, couve e laranja.

O problema é que não sabemos que tipo de dano as várias substâncias encontradas num único alimento podem causar para o consumidor. Não sabemos como a junção de várias moléculas vai agir no organismo. Bem elas não vão fazer, certamente, porque são substâncias estranhas ao corpo humano.

IHU On-Line - Está tramitando na Câmara dos Deputados o PL 6.299/2002, que sugere alterar as regras do uso, da pesquisa, da produção e da comercialização de agrotóxicos, e retirar do Ministério do Meio Ambiente e da Anvisa o processo de aprovação dos agrotóxicos, atribuindo a responsabilidade apenas ao Ministério da Agricultura. Como o senhor avalia esse tipo de proposta? Ela pode contribuir para o aumento do uso de agrotóxicos na agricultura?

Amir Bertoni Gebara – Eu não tenho conhecimento profundo de quais são os argumentos a favor e contra esse Projeto de Lei, mas como consumidor eu gostaria que os diferentes organismos continuassem atuando, inclusive que eles atuassem de forma mais contundente, e que dessem retorno para a sociedade com frequência.

IHU On-Line – A partir do seu conhecimento sobre os níveis de resíduos em alimentos, como você faz suas compras no supermercado ou nas feiras?

Amir Bertoni Gebara – Eu não compro exclusivamente alimentos orgânicos, mas aqueles que estão disponíveis. A aparência dos alimentos não me engana, e o preço é algo que eu considero. Se aquilo que quero comprar está disponível de forma orgânica, dou preferência para os orgânicos desde que o preço não seja exorbitante. Chegando em casa, eu lavo todos os alimentos na água corrente, mesmo aqueles que não vou consumir imediatamente. Os que eu vou consumir em seguida, lavo novamente e os descasco, mas alguns alimentos, como folhas, pimentão, morango, não tem como descascar. Eu sei que existem várias características nutritivas nas cascas de muitos alimentos, mas eu prefiro descascá-los. De todo modo, insisto que é preciso lavar muito bem os alimentos em água corrente. Inclusive, temos que lavar a laranja, por exemplo, mesmo depois de descascá-la, porque manipulamos a casca que está contaminada. Aliás, não sei se é comum as pessoas, logo após descascarem as frutas, lavarem as mãos antes de levar o alimento à boca.

IHU On-Line – Deseja acrescentar algo?

Amir Bertoni Gebara – Seria interessante incentivar os estudantes a olharem com olhos mais atentos para esse tema, a terem interesse em desenvolver estudos e pesquisas para melhorar a qualidade do consumidor no que diz respeito a agrotóxicos. O nosso laboratório está à disposição e não somos limitados a fazer análises somente no estado de São Paulo. Sei que os custos de manter os laboratórios de análise são elevados, mas seria importante que houvesse mais laboratórios no país e que a sociedade como um todo estivesse mais atenta a esse tema.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A redução da presença de resíduos em alimentos só será feita por pressão do consumidor. Entrevista especial com Amir Bertoni Gebara - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV