Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Entrevistas

MP 651: a nova história grega da política ambiental. Entrevista especial com Antonio Silvio Hendges

“Como na história grega, a MP 651 traz este conteúdo estranho à sua redação e objetivos originais, e por este motivo é chamada de ‘Cavalo de Troia dos lixões’”, adverte o biólogo.

Foto: api.ning.com

“Não considero vantajosa para a sociedade a ampliação dos prazos aos lixões”, afirma Antonio Silvio Hendges em entrevista por e-mail à IHU On-Line, ao comentar a Medida Provisória 651, que amplia o prazo para o fechamento dos lixões até 2018. A desaprovação à MP 651 é justificada pelo tempo em que a erradicação dos lixões é discutida no país.

Segundo Hendges, “a PNRS esteve em debate durante 19 anos antes de sua aprovação — desde 1991 — e mais quatro anos para sua implantação, ou seja, foram 23 anos para que os municípios se adequassem”. A prorrogação para os municípios erradicarem os lixões terá implicações graves, porque “enquanto existirem lixões não haverá coleta seletiva, responsabilidade compartilhada, logística reversa, organização dos trabalhadores com materiais recicláveis/reutilizáveis — catadores e valorização econômica dos resíduos”. De acordo com ele, atualmente o Brasil “perde anualmente cerca de R$ 8 bilhões por não ter políticas públicas voltadas à gestão adequada dos resíduos, isto sem citar os problemas ambientais e de saúde públicas decorrentes. Portanto, a ampliação do prazo aos lixões é uma irresponsabilidade coletiva dos que pretendem esta ação”.

Hendges esclarece que o texto original da MP 651 “não tinha nenhuma ligação com o tema dos resíduos sólidos”, mas “os deputados introduziram este tema. Portanto, a MP 651/2014 foi alterada para constar a prorrogação dos prazos para que os municípios façam seus planos de resíduos e também substituam os lixões atualmente existentes por aterros sanitários adequados para disposição somente dos rejeitos”. Na avaliação dele, a “falta de planejamento da gestão dos resíduos e a inexistência de planos municipais e regionais que estabeleçam os princípios, objetivos, diretrizes e responsabilidades dos diversos setores produtivos” dificultaram o cumprimento do prazo de erradicação dos lixões, previsto para este ano. E acrescenta: “O lixo é um problema ambiental, mas também social e precisa de políticas específicas e contínuas para sua solução”.

Antonio Silvio Hendges é graduado em Biologia pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI, Santa Catarina, e especialista em Auditorias Ambientais pela Universidade Candido Mendes, RJ. É articulista do Portal EcoDebate, professor e consultor em educação ambiental, gestão sustentável de resíduos sólidos e auditorias ambientais.

 

Foto: EBC

Confira a entrevista.

IHU On-Line - Em que consiste a MP 651? Em que contexto ela foi criada?

Antonio Silvio Hendges - A Medida Provisória 651/2014 em seu texto original não tinha nenhuma ligação com o tema dos resíduos sólidos, mas com a desoneração da folha de pagamento para diversos setores produtivos, materiais destinados aos usos médicos, laboratoriais e hospitais públicos ou privados com isenção tributária e reorganização das dívidas das empresas com o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS. Foi nas Comissões da Câmara que os deputados introduziram este tema. Portanto, a MP 651/2014 foi alterada para constar a prorrogação dos prazos para que os municípios façam seus planos de resíduos e também substituam os lixões atualmente existentes por aterros sanitários adequados para disposição somente dos rejeitos. Como na história grega, a MP 651 traz este conteúdo estranho à sua redação e objetivos originais, e por este motivo é chamada de "Cavalo de Troia dos lixões".

IHU On-Line - Por quais razões a MP 651 possibilita que os municípios não cumpram as diretrizes atuais da Política Nacional dos Resíduos Sólidos?

Antonio Silvio Hendges - A lei 12.305/2010, que estabeleceu a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS, determinou que os municípios realizassem os seus planos municipais até agosto de 2012 e extinguissem os lixões até agosto de 2014. No entanto, a maioria dos municípios não cumpriu estes prazos alegando dificuldades financeiras e/ou técnicas, e por este motivo eles perderão o acesso aos recursos da União e Estados destinados à limpeza urbana. A MP 651 altera estes prazos para 2016 e 2018, respectivamente, concedendo mais quatro anos para que os municípios cumpram a legislação.

Importante destacar que a PNRS esteve em debate durante 19 anos antes de sua aprovação — desde 1991 — e mais quatro anos para sua implantação, ou seja, foram 23 anos para que os municípios se adequassem. Com mais este prazo que se pretende conceder são quase 30 anos para o início da resolução deste problema. Realmente um prazo longo e injustificável para se resolver com a urgência necessária a gestão ambiental adequada dos resíduos no território brasileiro.

“Quanto aos municípios, embora afirmem esta necessidade, também não apresentam nenhuma garantia de que cumprirão os prazos desta vez”

IHU On-Line - Por quais razões é tão difícil erradicar os lixões?

Antonio Silvio Hendges - Principalmente pela falta de planejamento da gestão dos resíduos e a inexistência de planos municipais e regionais que estabeleçam os princípios, objetivos, diretrizes e responsabilidades dos diversos setores produtivos, assim como dos consumidores e dos poderes públicos quanto às suas atribuições. As dificuldades dos municípios em dialogar e formar consórcios, muitas vezes por questões políticas locais ou (des)interesses dos administradores, também é um fator que dificulta a erradicação dos lixões. A Política Nacional de Resíduos Sólidos tem como base a responsabilidade compartilhada, mas esta ação precisa ser planejada, institucionalizada e fiscalizada, substituindo as ações imediatistas e individualizadas que atualmente possibilitam a existência de aproximadamente 2.700 lixões no país. O lixo é um problema ambiental, mas também social e precisa de políticas específicas e contínuas para sua solução.

IHU On-Line - Quais as vantagens e desvantagens de ter sido prorrogado até 2018 o prazo para a erradicação dos lixões? Apesar de possibilitar que os municípios tenham mais tempo para tratar dessa questão, quais são as implicações dessa medida no sentido de que adia a resolução de um problema?

Antonio Silvio Hendges - Conforme mencionado acima, a PNRS está em debate desde 1991 e foi aprovada após um amplo debate com a sociedade. Neste sentido, a alegação de que foi pouco tempo os quatro anos concedidos para sua implantação não se justifica. Por este motivo, não considero vantajosa para a sociedade a ampliação dos prazos aos lixões.

Enquanto existirem lixões não haverá coleta seletiva, responsabilidade compartilhada, logística reversa, organização dos trabalhadores com materiais recicláveis/reutilizáveis — catadores e valorização econômica dos resíduos. O Brasil perde anualmente cerca de R$ 8 bilhões por não ter políticas públicas voltadas à gestão adequada dos resíduos, isto sem citar os problemas ambientais e de saúde públicas decorrentes. Portanto, a ampliação do prazo aos lixões é uma irresponsabilidade coletiva dos que pretendem esta ação. E, ao findarem os prazos concedidos, não serão solicitadas novas ampliações em um ciclo que pode inviabilizar a PNRS, inclusive quanto ao desenvolvimento de tecnologias adequadas? Portanto, não é vantajosa para a sociedade esta ampliação. Quanto aos municípios, embora afirmem esta necessidade, também não apresentam nenhuma garantia de que cumprirão os prazos desta vez.

IHU On-Line - De que outras maneiras a MP 651 atrapalha a implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos?

Antonio Silvio Hendges - Além de premiar a falta de ação dos municípios que ignoraram as diretrizes legais, a MP 651 não garante que nos próximos anos a implementação da PNRS seja uma prioridade, constituindo-se simplesmente em uma postergação das obrigações atuais. Possivelmente, os municípios não terão como prioridade adequarem-se no novo prazo e contarão com novos adiamentos, ou seja, ao invés de se organizarem para cumprir a legislação, poderá acontecer uma mudança nas suas políticas públicas, com ações mais circunstanciais e imediatistas que o planejamento de longo prazo exigido para a gestão ambientalmente adequada dos resíduos. Os lixões continuarão contaminando os solos e os recursos hídricos e isso aumentará os custos e passivos ambientais, dificultando ainda mais a adequação. Quanto maior o prazo estabelecido, maiores serão os problemas a serem resolvidos e isso certamente terá custos financeiros, ambientais e sociais que toda a sociedade terá que pagar e que serão muito superiores aos necessários atualmente.

IHU On-Line - Qual é o impacto da MP 651 para os catadores?

Antonio Silvio Hendges - Os trabalhadores com materiais recicláveis/reutilizáveis são totalmente ignorados na MP 651, e o não cumprimento dos prazos legais demonstra a falta de compromisso dos legisladores com estes profissionais, que, embora contribuam para a limpeza urbana, a saúde pública e a economia, na maioria dos municípios brasileiros não recebem nenhum incentivo e muitas vezes ainda são marginalizados e/ou tratados com preconceito. Onde há lixões não há coleta seletiva, compostagem, cooperativas, tecnologias, incentivos e dignidade, transformando os catadores em marginais ao invés de profissionais inseridos nos sistemas produtivos. A MP 651 reforça a exclusão e a invisibilidade social destes trabalhadores, tornando-os ainda mais vulneráveis e marginalizados.

“A MP 651 não garante que nos próximos anos a implementação da PNRS seja uma prioridade”

IHU On-Line - O que a prorrogação do prazo para erradicar os lixões demonstra sobre a agenda ambiental brasileira e a relevância dessa temática entre os políticos?

Antonio Silvio Hendges - Há um descompasso entre os interesses da população e dos administradores públicos municipais e a maioria dos Deputados que buscam postergar as soluções sem nenhuma compensação à sociedade, alterando desta forma a agenda ambiental para beneficiar os interesses localizados, a falta de planejamento, investimentos e capacitação para gestão e gerenciamento adequado dos resíduos sólidos. É claro que uma alteração nos prazos da PNRS tem implicações negativas sobre toda a agenda ambiental do país, inclusive na preservação e disponibilidade dos recursos hídricos, atualmente uma das principais preocupações da população brasileira. Ao alterarem as normas e os prazos, os deputados demonstraram um total descompromisso com o meio ambiente, premiando a falta de iniciativa e de seriedade para com as questões ambientais.

IHU On-Line - Deseja acrescentar algo?

Antonio Silvio Hendges - Para sua transformação definitiva em lei federal, a MP 651/2014 ainda precisa ser aprovada no Senado e depois sancionada pela Presidência da República, mas sua aprovação na Câmara acende um claro sinal de alerta de que existem interesses e argumentos contrários às diretrizes atuais quanto aos resíduos sólidos. O oportunismo sem compromissos com a sustentabilidade também fica evidente na forma como foi introduzida esta proposta em uma MP sem nenhuma relação com o tema dos resíduos, aproveitando-se do fato de que se não for aprovada em tempo hábil perde a validade. Explicando melhor: ao fazerem isto, os senhores deputados colocaram em risco todos os benefícios econômicos concedidos pela MP 651/2014 aos setores produtivos beneficiados, além de constrangerem os Senadores, que também precisam votar esta matéria, e a Presidência da República, que precisa sancionar ou vetar.

Para ler mais:


  • 31/10/2014 - Governo quer prorrogar por dois anos prazo para municípios acabarem com os lixões
  • 23/10/2014 - Medida Provisória 651, o Cavalo de Tróia dos lixões
  • 17/10/2014 - Municípios poderão ter mais quatro anos para acabar com lixões
  • 17/10/2014 - Prorrogação de prazo dos lixões atende reivindicação de prefeitos, diz Confederação Nacional dos Municípios (CNM)
  • 17/10/2014 - Governo quer derrubar no Senado MP que dá mais prazo para fim de lixões
  • 08/10/2014 - Especialistas apelam por maior proteção contra resíduos de plástico nos oceanos
  • 02/10/2014 - Melhoria da eficiência energética e gestão de resíduos são as práticas mais utilizadas por empresas brasileiras
  • 05/09/2014 - Impactos visíveis dos resíduos sólidos
  • 04/09/2014 - Documentário debate política de Resíduos Sólidos
  • 18/08/2014 - Lei de resíduos sólidos não foi cumprida. E agora?
  • 18/08/2014 - Biogás como solução para os resíduos sólidos. Entrevista especial com Joachim Werner Zang
  • 02/07/2014 - Política Estadual de Resíduos Sólidos e superação dos gargalos ambientais no RS. Entrevista especial com Antônio Silvio Hendges
  • 24/06/2014 - Reciclagem de resíduos sólidos: a propaganda é bonita, mas o processo explora os catadores. Entrevista especial com Alex Cardoso
  • 08/04/2014 - Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS. O desafio de garantir uma lei de proteção ambiental. Entrevista especial com Alessandro Soares
  • Veja também:


  • A era do lixo. Revista IHU On-Line, nº. 410
  • Adicionar comentário


    Código de segurança
    Atualizar

    Cadastre-se

    Quero receber:


    Refresh Captcha Repita o código acima:
     

    Novos Comentários

    "Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
    "Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
    "Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

    Conecte-se com o IHU no Facebook

    Siga-nos no Twitter

    Escreva para o IHU

    Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

    Conheça a página do ObservaSinos

    Acompanhe o IHU no Medium