Greve dos garis demonstra que racismo e discriminação devem ser superados. Entrevista especial com Antonio Cechin e Roque Spies

Revista ihu on-line

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Morte. Uma experiência cada vez mais hermética e pasteurizada

Edição: 496

Leia mais

Mais Lidos

  • O que a desobediência de Renan e as bombas da igreja no Rio têm em comum?

    LER MAIS
  • Religiosos e religiosas do Brasil manifestam comunhão com o pontificado do papa Francisco

    LER MAIS
  • Proposta para Previdência endurece regra para jovens e tira renda de vulneráveis

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

12 Março 2014

“Há uma tentativa de mostrar para a sociedade que a discriminação não tem cabimento, especialmente no caso dos garis, dos catadores de lixo, que desenvolvem um trabalho fundamental”, diz o assessor de cooperativas Roque Spies.

Foto: Manchete Online

A greve dos garis do Rio de Janeiro, que teve como desfecho o aumento salarial de 37% e outros benefícios aos trabalhadores, suscitou discussões que estão entrelaçadas na história do Brasil.

As desigualdades sociais, o racismo, as más condições de trabalho foram alguns dos temas comentados por conta da greve que, sem contar com o apoio do sindicato, conseguiu um aumento salarial surpreendente. Para comentar esse fato, a IHU On-Line conversou com Antonio Cechin, por e-mail, que trabalha com catadores e recicladores de Porto Alegre, e Roque Spies, que assessora cooperativas de catadores na região do Vale do Rio dos Sinos.

Na avaliação de Cechin, “a grande lição deixada por esses vitoriosos garis, aplaudidos pelo povo depois do sensacional tento que lavraram e que deixou a eles mesmos perplexos, porque jamais imaginavam tanto, é que não há meio popular que não possa se organizar em busca de sua própria libertação. Isso porque o Deus da fé cristã é o Deus dos últimos, dos excluídos”.

Para Roque Spies, “esse foi o momento acertado para fazer a reivindicação, ou seja, antes da Copa do Mundo, porque, com tantos recursos sendo canalizados para outros serviços e atividades, chegou a hora de valorizar pessoas que trabalham por um salário tão mísero”. Em entrevista concedida pessoalmente à IHU On-Line, Spies lembrou que a “Política Nacional de Resíduos Sólidos trouxe uma necessidade de valorização das pessoas que atuam nessa área, sejam garis, coletores, catadores de rua, ou pessoas que trabalham nas cooperativas, nos processos de triagem. Essas pessoas desenvolvem um trabalho ambiental muito importante, o qual só é lembrado quando há casos de inundações. A sociedade não pensa muito nesse tipo de trabalho, mas o movimento nacional de reciclagem popular está reivindicando que as pessoas que fazem esse serviço mais ‘sujo’ sejam valorizadas, porque há um descompasso de valores entre aquilo que os trabalhadores ganham e aquilo que as empresas ganham com as coletas ou no beneficiamento de materiais”.

Antônio Cechin é irmão marista, graduado em Letras Clássicas e em Ciências Jurídicas e Sociais. Trabalha como agente de Pastoral em diversas periferias da região metropolitana de Porto Alegre, sendo também assessor de Comunidades Eclesiais de Base do Rio Grande do Sul, de catadores e de recicladores. É coordenador do Comitê Sepé Tiaraju e da Pastoral da Ecologia do Regional Sul III da CNBB

Roque Spies atua como assessor e capacitador de catadores, auxiliando na formação de cooperativas, discutindo a coleta seletiva e a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS.

Foto: Manchete Online

Confira a entrevista.

IHU On-Line - O senhor acompanhou a repercussão da greve dos garis no Rio de Janeiro? O que essa greve demonstra?

Antonio Cechin - A greve dos garis do Rio de Janeiro ficará para a história como um exemplo de que até o impossível pode acontecer neste ‘Brasilzão de Deus’.

Arrostando todo tipo de dificuldades, os limpadores da Cidade Maravilhosa, contra a vontade da empresa que os contratou para o trabalho, contra o governo da cidade que lhes acenava apenas com a possibilidade de 5% de aumento, contra a direção pelega do próprio sindicato da categoria a que pertencem, contra a mídia escrita e falada, em suma, contra todos os tipos de poderes que se possa imaginar, depois de oito dias parados e de braços cruzados para as atividades insanas do dia a dia, conseguirem um aumento salarial de 37%, mais um adicional de insalubridade de 40% e, ainda, de lambuja, aumento no tíquete alimentação de 12 reais para 20 reais (66% de aumento), além de outros direitos — munidos apenas de cara e coragem na mobilização homem a homem —, é simplesmente espetacular.

Roque Spies – Fiquei admirado com a iniciativa dos garis de se organizarem e realizarem uma greve. O resultado foi muito justo. Além disso, fiquei abismado ao saber o valor que eles recebiam por realizarem um serviço tão importante. Esse foi o momento acertado para fazer a reivindicação, ou seja, antes da Copa do Mundo, porque, com tantos recursos sendo canalizados para outros serviços e atividades, chegou a hora de valorizar pessoas que trabalham por um salário tão mísero. Apesar da conquista, o valor recebido pelos garis ainda está aquém do merecido.

“A greve dos garis do Rio de Janeiro ficará para a história como um exemplo de que até o impossível pode acontecer neste ‘Brasilzão de Deus’”

IHU On-Line – O que a conquista dos garis sinaliza em relação à discussão sobre desigualdades sociais, profissões ligadas à temática do lixo? Que perspectiva as conquistas dessa greve geram para outros trabalhadores?

Antonio Cechin - Comprova-se mais uma vez a tese central da Teologia da Libertação a respeito da força histórica dos pobres, sobre a qual Gustavo Gutierrez escreveu todo um livro sobre os fundamentos desta nova ciência de modelo latino-americano.

O verdadeiro milagre dessa vitória total dos garis cariocas também vai na linha do anúncio do maior milagre da história, quando foi anunciado pelo anjo Gabriel à Virgem Mãe de Jesus o mistério da encarnação: a Deus nada é impossível.

O grande cientista sociólogo Marx deve estar dando pulos dentro da tumba em que jazem os seus ossos. Não afirmava ele que o lumpezinato (lumpem proletariat) é totalmente imprestável para a revolução, simplesmente inútil para qualquer coisa? Funciona apenas como "o combustível da sociedade capitalista", segundo as palavras textuais de Marx, como a dizer que desse mato dos párias da civilização urbana não sai coelho de espécie alguma.

A grande lição deixada por esses vitoriosos garis, aplaudidos pelo povo depois do sensacional tento que lavraram e que deixou a eles mesmos perplexos porque jamais imaginavam tanto, é que não há meio popular que não possa se organizar em busca de sua própria libertação. Isso porque o Deus da fé cristã é o Deus dos últimos, dos excluídos. Esse dado da fé cristã está também, desde um ano, sempre na boca de nosso grande bispo de Roma de nome Francisco.


“Fiquei admirado com a iniciativa dos garis de se organizarem e realizarem uma greve. O resultado foi muito justo”

Roque Spies – A Política Nacional de Resíduos Sólidos trouxe uma necessidade de valorização das pessoas que atuam nessa área, sejam garis, coletores, catadores de rua, ou pessoas que trabalham nas cooperativas, nos processos de triagem. Essas pessoas desenvolvem um trabalho ambiental muito importante, o qual só é lembrado quando há casos de inundações. A sociedade não pensa muito nesse tipo de trabalho, mas o movimento nacional de reciclagem popular está reivindicando que as pessoas que fazem esse serviço mais “sujo” sejam valorizadas, porque há um descompasso de valores entre aquilo que os trabalhadores ganham e aquilo que as empresas ganham com as coletas ou no beneficiamento de materiais.

IHU On-Line – Como esse episódio contribui para uma discussão social no país?

Roque Spies – Há uma tentativa de mostrar para a sociedade que a discriminação não tem cabimento, especialmente no caso dos garis, dos catadores de lixo, que desenvolvem um trabalho fundamental. As questões do racismo e da discriminação pela atividade que as pessoas desenvolvem devem ser superadas. Todas as pessoas e profissões têm sua importância e devem ser reconhecidas pelos seus trabalhos. Hoje, os catadores podem ser reconhecidos e, inclusive, ter uma microempresa individual. Essa questão já está reconhecida por lei.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Greve dos garis demonstra que racismo e discriminação devem ser superados. Entrevista especial com Antonio Cechin e Roque Spies