Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Entrevistas

A esquerda e o desejo por trás do rugido da plebe. Entrevista especial com Bruno Cava

“Eu mesmo vi vários companheiros, governistas ou não, com nojo das manifestações. Muitas pessoas vão de verde-amarelo, cantam o hino nacional, e simplesmente não têm o discurso que a esquerda gostaria de ouvir. Algumas se comportariam como num show ou micareta, outras 'distorcem' a luta partindo para a depredação ou a pilhagem, outros seriam teleguiados pela grande imprensa... A esquerda passa a acusar pulsões incontroláveis em meio aos protestos, que seriam organizados e protagonizados por massas amorfas, passionais, volúveis”, critica o pesquisador.

Confira a entrevista.

Foto: http://noticias.portalbraganca.com.br

Em entrevista à IHU On-Line, Bruno Cava, mestre em Direito pela UERJ, ao analisar as manifestações que estão ocorrendo em todo o país, assinala que "a esquerda ainda alimenta a pretensão de guiar as 'massas', iluminando o caminho da revolução. A esquerda acha que está com a razão. O que está fora de seu campo só contém uma carga errática e perigosa, que precisa ser controlada. É o procedimento típico da época das Luzes: me delimito definindo a não razão, o que é irracional. Aí você tem a Marilena Chaui falando pejorativamente em 'magia' dos protestos, ou o Tarso Genro que chegou a apontar uma 'hipnose fascista'. Deveríamos, aliás, declarar uma moratória sobre o termo 'fascista'. Ele tem sido usado quase como um mecanismo de defesa, para se proteger de uma alteridade que ameaça a própria identidade. Parece tão deslocado, quanto alguns setores da extrema-direita, que acusam o governo Dilma de planejar um golpe 'comunista'”.

A exemplo das manifestações que acontecem sucessivamente em diversos países, no Brasil elas “chacoalharam consensos, bagunçaram as previsões e análises. Elas vêm erodindo a sustentação de governos, de um conjunto de políticas urbanas, de todo um projeto de Brasil e de brasileiro”, afirma na entrevista a seguir concedida por e-mail. Para Cava, os protestos também sinalizam o desenvolvimento brasileiro negativo e suas repercussões no mundo do trabalho. “O projeto de brasileiro por trás do novo Brasil é um brasileiro preparado para os desafios desse mundo do trabalho. E o mundo do trabalho, hoje, quer dizer 'empregabilidade', uma condição precária e flexível. O sujeito tem de se adaptar a cobranças sucessivamente maiores, tem de prestar um ‘cuidado de si’ voltado ao empreendedorismo, criatividade, sagacidade”.

Bruno Cava é graduado e pós-graduado em Engenharia de Infraestrutura Aeronáutica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA, graduado em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ e mestre em Direito na linha de pesquisa Teoria e Filosofia do Direito. É blogueiro do Quadrado dos loucos e escreve em vários sites; ativista nas jornadas de 2013 e nas ocupas brasileiras em 2011-2012; participa da rede Universidade Nômade, e é coeditor das revistas Lugar Comum e Global Brasil.

Confira a entrevista.  

IHU On-Line - A que atribui a adesão massiva ao Movimento Passe Livre e às recorrentes manifestações que se seguiram?

Foto: http://saraiva13.blogspot.com.br/

Bruno Cava - Em primeiro lugar, tem o fator global. Não falar dele seria deixar passar uma peça muito importante no quebra-cabeça. Como não ver pontos em comum entre o que está acontecendo no Brasil e na Turquia, ou no Egito, como parte do ciclo global disparado pelas revoluções árabes, em 2011? Multidões saem para as ruas, se encontram, se organizam, exprimem a indignação acumulada. Não ficam só no grito: ocupam, acampam, geram mídia, debates, propostas, aparecem novos grupos e coletivos. Autoconvocadas principalmente pelas redes sociais, elas se organizam de maneira transversal, sem um centro, sem ideologia, bandeira ou liderança unificadas. Pelo contrário, nos protestos, frequentemente emergem narrativas conflitantes, pautas fragmentárias, quereres muitas vezes contraditórios e inconciliáveis. As manifestações são imediatamente acusadas de não ter direção política, de apresentar demandas vagas ou nenhuma, de não ter futuro. A reação das agremiações políticas mais tradicionais e da grande imprensa é de perplexidade, desconfiança, chegando até ao desdém. Quando muito, demonstram alguma condescendência, como se fossem manifestações ingênuas, e necessitassem urgentemente de uma requalificação por parte de quem entende do assunto.

Contudo, apesar dos narizes torcidos, em pouquíssimo tempo os protestos viram e reviram a cena política e provocam mudanças duradouras. Vão contagiando multidões noutros cantos, transmitindo o ímpeto por longas distâncias, de maneira imprevisível, nas velocidades próprias da era digital. Nas revoluções árabes, derrubaram ditaduras que até pouco tempo eram consideradas sólidas como pedra. Na Europa, puseram a nu a “ditadura financeira” em que os estados-nações e a própria União Europeia não passam de filiais subservientes, aplicando as receitas elaboradas por bancos, fundos e especialistas multimilionários. Nos Estados Unidos, as ocupações repuseram no vocabulário político a palavra “capitalismo”, trespassando o diálogo cada vez mais anódino dos partidos. No Brasil, de maneira bastante similar, as manifestações chacoalharam consensos, bagunçaram as previsões e análises. Elas vêm erodindo a sustentação de governos, de um conjunto de políticas urbanas, de todo um projeto de Brasil e de brasileiro. Até semanas atrás, tinha-se a sensação de que tudo isso ia de vento em popa, mas agora  ficou confuso. Antes achavam que apenas algumas minorias - seja da elite ressentida, seja de um esquerdismo cronicamente “problemático” - estariam insatisfeitas. No entanto, agora a intranquilidade reina nos gabinetes. Mudou, de um modo fundamental, a percepção, o que já é muita coisa.

Então você tem a conjuntura global, mas por que pegaria no Brasil? Afinal, estivemos por vários anos na contratendência da crise do capitalismo, aproveitando a oportunidade para conjugar crescimento econômico com inclusão social. Quem disse que as revoltas só acontecem em tempos de recessão? O maio de 68 não aconteceu no auge dos Trinta Gloriosos, como ficou conhecido o período de prosperidade europeia do segundo pós-guerra? Em certo sentido, aquela foi uma insurreição contra o sucesso da sociedade de bem-estar social, de que a Europa Ocidental se tornou paradigma. Embora, de fato, aqui no Brasil estejamos bem longe das condições de um país europeu dos anos 1960, aconteceram melhorias importantes, e uma grande fração da população brasileira vive melhor do que há 10 ou 20 anos. O que ocorre é que também existe uma crise do crescimento. Sem muita consciência disso, o governo alimentou o monstro que agora quer devorá-lo.

Por um lado, ao valorizar os pobres, ao propiciar condições para a integração no mercado de trabalho (formal ou não), também se fortaleceram as ferramentas políticas, culturais, comunicativas, cujo contraefeito é uma capacidade superior também de agir e demandar. O ciclo se retroalimenta, e as pessoas querem cada vez mais, elevando o nível de exigências. É o que o cientista político Giuseppe Cocco, da UFRJ, chama de “mobilização produtiva dos pobres”, o que conforma uma nova composição social. O processo implica uma série de transformações, que os indicadores econômicos ou tabelas estatísticas não captam, porque são transformações que tangem à subjetividade. Aumenta o poder criativo, intensifica a produtividade combinada dos grupos sociais, o que Marx chama, nos Grundrisse, de expansão do “trabalho vivo”.

O projeto brasileiro

Por outro lado, o desenvolvimento brasileiro também tem um lado negativo. Integrar as pessoas no “mercado interno” significa, igualmente, incluí-las no mundo do trabalho subordinado, em circuitos que exploram o tempo de vida para extrair valor. O projeto de brasileiro por trás do novo Brasil é um brasileiro preparado para os desafios desse mundo do trabalho. E o mundo do trabalho, hoje, quer dizer 'empregabilidade', uma condição precária e flexível. O sujeito tem de se adaptar a cobranças sucessivamente maiores, tem de prestar um “cuidado de si” voltado ao empreendedorismo, criatividade, sagacidade. Tem que se qualificar de maneira permanente, competir ferozmente por vagas disputadíssimas, tem de permanecer atento para as ameaças e oportunidades de um mercado cambiante. Em certo sentido, junto com a inclusão social, aparece também uma montanha de expectativas, exigências e cobranças. O sucesso se torna tangível para a “nova classe média”, mas isso também quer dizer que o fracasso passa a rondar cada um como uma sombra individual.

O sociólogo Jessé Souza, em Os batalhadores do Brasil, propõe-se a pesquisar os dramas, as angústias, os sonhos dessa nova composição social, emergente no governo Lula, de quem o mercado exige a qualificação. No livro, é narrado o esforço gigantesco dos pobres em construir para si um futuro no “capitalismo brasileiro”, empenhando a integralidade do tempo de vida em projetos ferrenhos, incertos, extremamente demandantes. Ele descreve como os pobres batalham abnegadamente para, contra todos os preconceitos e privações, adquirir estrutura material, cultural e emocional, a fim de escapar da desventura da miséria, dos estigmas da ralé. Para ajudar a entender os protestos no Brasil, um livro que pode ser lido em paralelo é a A fábrica do homem endividado (ainda sem edição em português), de Maurizio Lazzaratto. Nesse livro, a culpa é abordada como o motor do capitalismo contemporâneo. A dívida de cada um perante a sociedade capitalista, mais do que mensurada em dinheiro, é medida pelas expectativas interiorizadas, por uma exigência subjetiva que nos impele, incansavelmente, para longe do fracasso. O fracasso é sempre culpa nossa, uma responsabilidade individual, em vez de produto de um sistema político-econômico que precisa da aceitação da própria lógica de sucesso e fracasso para constranger as pessoas a trabalhar tanto e em condições tão desfavoráveis.

É aí, no encontro entre a “mobilização produtiva dos pobres” (que querem mais e melhor) e o descarrego das culpas acumuladas diante do crescimento do Brasil, que a expressão global “pegou” por aqui. Foi essa conjunção que conduziu centenas de milhares aos atos começados pelo MPL. O que permitiu o encontro foi a situação crítica dos transportes coletivos. Eles continuam desconfortáveis, lentos e superlotados, apesar do crescimento de renda e consumo. Continua um lugar de sofrimento, abuso sexual, irritação permanente. A mobilidade urbana em dias de semana cai a quase zero. Não por acaso, no noticiário das grandes cidades, haja tantas brigas, depredações, delinquências, incêndios propositais, sabotagens miúdas de ônibus e estações. Essas expressões esparsas de insatisfação são um sintoma das tensões saturadas, e não apenas marginalidade gratuita.

Problema político

Ao contestar mais um aumento da passagem, boa parte da população se viu representada na atuação do MPL. Só que, desta vez, as pessoas estavam mais preparadas para se organizar, tinham mais canais para a insatisfação, outras mídias em que se apoiar além da imprensa convencional. E dentro de uma conectividade muito grande com o que está acontecendo nas lutas globais. Isso mudou a percepção: em vez de me sentir culpado por não ter conseguido comprar o conforto de um carro, percebo como se trata de uma condição coletiva e que, portanto, pode ser resistida coletivamente. O sofrimento diário nos ônibus, metrôs e trens passa a ser subitamente entendido não mais como resultado de um fracasso individual, mas como violência de classe. 

A culpa, enfim, não é nossa. A culpa é do sistema de transportes, do governo da cidade. “Estão fazendo algo conosco!” Quer dizer, está-se diante de um problema político.  Essa percepção alastrada pelas redes torna subitamente possível uma luta de grandes proporções. As delinquências e revoltas miúdas se agrupam para se transformar num grande ato político de recusa. E não seria a pecha de vandalismo a apagar a chama da indignação, diante de uma condição degradante da vida que é experimentada cotidianamente por milhões de pessoas. O vandalismo sempre esteve lá, latente, localizado, como a manifestação mais passional de uma revolta cotidiana.

Desse estopim, em pouco tempo, disparou um processo constituinte. Entrou em cena o “trabalho vivo”, a capacidade de cooperação e organização, para espessar mais e mais indignações, para multiplicar mais e mais demandas, ligando os muitos pontos de atrito espalhadas pela sociedade brasileira. Com isso, os protestos ganharam impulso, e se rechearam de pautas do direito à cidade e à crítica do sistema político.

IHU On-Line - Essas manifestações não estão atreladas a movimentos sociais tradicionais nem a partidos de esquerda tradicional. O que isso significa?

Bruno Cava - Em primeiro lugar, que o campo de esquerda, como se autodefine, ainda é muito iluminista. Ainda alimenta a pretensão de guiar as “massas”, iluminando o caminho da revolução. A esquerda acha que está com a razão. O que está fora de seu campo só contém uma carga errática e perigosa, que precisa ser controlada. É o procedimento típico da época das Luzes: me delimito definindo a não razão, o que é irracional. Aí você tem a Marilena Chaui falando pejorativamente em “magia” dos protestos, ou o Tarso Genro que chegou a apontar uma “hipnose fascista”. Deveríamos, aliás, declarar uma moratória sobre o termo “fascista”. Ele tem sido usado quase como um mecanismo de defesa, para se proteger de uma alteridade que ameaça a própria identidade. Parece tão deslocado, quanto alguns setores da extrema-direita, que acusam o governo Dilma de planejar um golpe “comunista”.

Eu mesmo vi vários companheiros, governistas ou não, com nojo das manifestações. Muitas pessoas vão de verde-amarelo, cantam o hino nacional, e simplesmente não têm o discurso que a esquerda gostaria de ouvir. Algumas se comportariam como num show ou micareta, outras “distorcem” a luta partindo para a depredação ou a pilhagem, outros seriam teleguiados pela grande imprensa... A esquerda passa a acusar pulsões incontroláveis em meio aos protestos, que seriam organizados e protagonizados por massas amorfas, passionais, volúveis. Daí essa obsessão, por assim dizer psicanalítica, de muitos comentaristas da esquerda, tentando revelar a verdade do desejo por trás do “rugido da plebe” e seus compromissos libidinosos mais aparentes.

Ora, a verdade do desejo não existe no caso, porque o próprio desejo está criando novas verdades. Uma razão pré-programada de esquerda não enxerga as transformações que estão acontecendo. A pessoa pode adotar o verde-amarelo, mas a simples presença nas marchas, discussões e organizações transforma os sentidos implicados. Podem ter se entusiasmado com imagens na TV (da Turquia, de São Paulo etc.), mas chegam à rua e veem a realidade do controle violento sobre a cidade. A esquerda pode mudar de atitude, e alguns já mudaram. Em vez de se refugiar na própria “zona de conforto”, onde conhecemos os coletivos, discursos e territórios, a esquerda pode mergulhar na multidão e pesquisar-com (copesquisar). É melhor do que ficar desejando querer que tudo passe logo, que possamos retornar a nossas marchinhas anódinas de 100 ou 150 cupinchas, sem qualquer real incômodo ao poder constituído.

A realidade está solta, sem gentileza para os esquemas, e por isso mesmo existem grupos de direita tentando capturá-la. Por isso, em vez de se fechar em sua própria razão iluminada, o caso talvez seja adotar a perspectiva da relação. Isto é, de que maneira esses protestos transformam a própria esquerda, a luta, a produção de subjetividade. Essas transformações estão encarnadas em que sujeitos, com que forma de organização? Está faltando uma antropologia perspectivista nas lutas, menos para “salvar” o ciclo de lutas, do que a própria esquerda tradicional.

IHU On-Line - As manifestações representam uma consciência de classe? Em que sentido?

Bruno Cava - Sobre as manifestações, Marcos Nobre, da Unicamp, escreveu um ensaio em formato instantbook, chamado “Choque de democracia”, onde ele caracteriza a mobilização como sendo “antipeemedebista”. Por peemedebismo, o filósofo designa uma lógica de governabilidade que aprisiona o sistema político brasileiro. É uma lógica de acordões e vetos seletivos, que engessa qualquer mudança e reproduz continuamente o bloco hegemônico no poder. O peemedebismo seria resultado de muitas décadas de destroçamento da cultura democrática no Brasil, quase um déficit de “consciência de classe”, sem real polarização das forças sociais, o que até se manteve nos governos Lula e Dilma. Marcos Nobre se contrapôs, por exemplo, a André Singer, preferindo caracterizar o nosso “espírito da época” com a ideia de peemedebismo, em vez do lulismo.

Mas as manifestações quebraram as pernas do argumento. Não adianta falar, agora, que teriam despontado manifestações antipeemedebistas, como se isso não tivesse nada a ver com todo um conjunto rico de requalificações durante os últimos 10 ou 15 anos. Na realidade, as condições para que esse nível de mobilização e cultura democrática pudessem ocorrer foram fortalecidas nesses governos. Paradoxalmente, contra os próprios governos. Como se houvesse dois lulismos, para complexificar um pouco a tese de Singer.

Um “lulismo de estado”, que governa desde cima, numa lógica macroeconomicista, reformista, repleta de mediações e estruturas para cimentar o apoio tanto do grande capital (bancos, empresas, fluxos de investimento) quanto da população (massificação das políticas sociais, publicidade, aliança com as igrejas e “terceiro setor”). É possível que Dilma, imagem da boa gestão e qualidade tecnocrática, com pouca ou nenhuma atenção à relação com os movimentos e as transformações desde as bases, seja a maior figura dessa face.

E um “lulismo selvagem”, um contraefeito das políticas sociais, talvez nem tanto desejado, que ampliou as capacidades de organização, enunciação, autovalorização e mobilidade de uma porção enorme de brasileiros. A figura de Lula possivelmente guarde essa ambivalência fundamental. Se, por um lado, tinha em Dilma a sua principal assessora, ele soube manter-se conectado, em alguma boa medida, às tendências desde baixo.

A composição social ambivalente está no DNA do levante, e é aí que precisa ser perscrutada a luta de classe, ou seja, o momento de ruptura com um presente estagnado.

IHU On-Line - Por outro lado, como percebe manifestações propostas pelos movimentos tradicionais a exemplo da CUT, do MST, e das centrais sindicais? É um movimento dentro do atual movimento?

Bruno Cava - Nesta altura, não dá para delimitar um “dentro” e um “fora” do movimento atual. Está tudo em disputa. A própria linha está em disputa. Quero dizer, agora tudo é zona de transição, uma franja de recomposição. Essa recomposição pode ser de classe, desde que organizada a partir das transformações (políticas, antropológicas, biopolíticas) que vem acontecendo nos últimos tempos. A CUT, por exemplo, tem muito a ganhar se conseguir se deixar pautar pelas lutas dos precários, do trabalho informal em geral, que vem se tornando onipresente. O MST, por sua vez, se empenha em muitas atividades formuladoras de alternativas ao desenvolvimento. Vale lembrar que, no Egito de 2011, os sindicatos e as ligas campesinas exerceram um papel crucial, miscigenando-se às mobilizações organizadas diretamente pela juventude conectada nas redes sociais.

IHU On-Line - Ao longo dos governos Lula e Dilma, houve muito incentivo à compra de automóveis no país. Como entender o alto investimento em transporte individual em detrimento do transporte coletivo?

Bruno Cava - Não dá para culpar o indivíduo de querer ter um carro particular. Chega a ser perverso você favorecer a elevação da renda da população para, a seguir, culpá-la por querer consumir. A crítica ao consumismo agora que os pobres consomem têm uma impostação elitista insuportável. O objetivo principal nunca foi dividir o bolo, mas comê-lo. O que se deve perguntar não é por que as pessoas preferem carros particulares ao transporte coletivo. Mas, sim, na metrópole brasileira, por que é preferível andar de carro e não ônibus ou metrô. A resposta é evidente. Então como tornar o transporte coletivo preferível? Mais barato, mais rápido, mais seguro?

IHU On-Line - Quais são os principais déficits do transporte público brasileiro?

Bruno Cava - É outra pergunta que não exige grandes conhecimentos sobre urbanismo, arquitetura ou engenharia de transportes. Pensada desde cima, desde os gabinetes, negociatas eleitorais e conchavos, a cidade brasileira do século XXI funciona como uma grande fábrica de valor. As linhas e fluxos são organizados para conduzir a população de regiões-dormitórios para os centros de serviços, e vice-versa. A locomoção é taxada de maneira que qualquer outra utilização (digamos, ir ao cinema no domingo) exija um dispêndio que, para muitos, é demasiado oneroso. Nos dias úteis, a superlotação e a lentidão desaconselham qualquer deslocamento que não seja no circuito casa-trabalho. Todo o sistema parece sempre à beira do colapso, bastando problemas localizados para estancar o escoamento. Em algumas cidades, como São Paulo ou Rio de Janeiro, essa situação está se generalizando para todos os horários do dia. A resposta dos governos tem sido construir grandes canais viários, corredores de ônibus e linhas expressas.

Enquanto isso, as pessoas vão resistindo como podem. Subsiste um verdadeiro ódio contra os ônibus, o alvo preferencial em quase todos os tumultos. É onde os corpos se chocam com esse projeto de cidade, sobre o que não temos nenhuma ingerência. Sequer podemos participar de decisões relativas a nossos bairros e comunidades. Nesse contexto, a pauta da tarifa zero não poderia ser mais oportuna. Vai no calcanhar de aquiles do problema: a exploração que esse sistema difusamente violento se apropria a cada dia. A estratégia não é nova e está inserida numa luta maior por renda (indireta). Consiste em bombardear o governo para que incremente a despesa pública, o que o força a reduzir as margens do capital, os riscos do investimento, e a lucratividade colhida a título de juros. O dinheiro se torna mais barato para as pessoas, e o governo é tensionado em seus acordos e conchavos de governança. Ou seja, a luta da tarifa zero, que as pessoas já se consideram representadas e participam, é uma luta que pode tornar insustentável a atual forma de planejar e governar a cidade. Daí outra realidade, outra forma mais democrática, tende a ocupar o lugar. Essa é, sem dúvida, uma luta pelo direito à cidade.

IHU On-Line - Como avalia a proposta de um plebiscito para votar a reforma política? Quais as possibilidades e implicações dessa proposta?

Bruno Cava - É mais um sintoma de que o medo mudou de lado. Essa oferta por si só já demonstra a tremenda força das manifestações. O poder constituído não faz concessões à toa. Começará a testar a força dos protestos, barganhando medidas e propostas que permitam-no retornar à tranquilidade dos gabinetes e seus projetos negociados desde o alto. Independentemente dos plebiscitos, reduções do preço da passagem, “pacotões” de emergência, não se pode perder de vista que tudo isso é uma conquista direta do poder constituinte que ocupou as ruas. A continuação dessas vitórias, a transformação disso em novas instituições, na regeneração das existentes, depende da continuação das lutas, de sua permanente reinvenção e remotivação. O tumulto é o pulmão das democracias, e esse propósito constituinte não pode ser esquecido. Os plebiscitos, assim, podem ser boas oportunidades para a reafirmação de propósito. Concessões? Sim, obrigado. Mas a gente quer é mais.

Por Patricia Fachin

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Aplaudo de pé a iniciativa do presidente do Equador. Rafael Correa nos representa na luta contra os..." Em resposta a: O Equador apresenta ao Vaticano seu plano para acabar com os paraísos fiscais
"Nota-se um grande desenvolvimento conceitual de ensino por parte das instituições cristãs, sobret..." Em resposta a: Há 237 anos Catarina ordenava que os jesuítas ignorassem a Bula Papal de supressão
"Tese, antítese e síntese: não gosto das coisas. Gosto de gostar e de não gostar das coisas, logo..." Em resposta a: Lançada Frente Nacional contra o "Projeto Escola sem Partido"

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium