Um reencontro com o povo brasileiro. Entrevista com Vito Miracapillo

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Janeiro 2012

"Vou voltar para a Diocese de Palmares. Quanto à paróquia, é o bispo quem vai decidir", afirma o padre ao retornar ao Brasil.

Confira a entrevista.Foto: Leo Caldas

Expulso do país há 30 anos com a acusação de ter se recusado a celebrar uma missa em homenagem ao Dia da Independência, o padre italiano Vito Miracapillo está de volta ao Brasil, disposto a reassumir a Diocese de Palmares, em Pernambuco. Enquanto resolvia os trâmites para garantir sua permanência no país, ele aceitou conceder a entrevista a seguir por e-mail, em que esclarece quais foram as razões que deram origem a sua expulsão. “Os verdadeiros motivos que geraram a minha expulsão foram o trabalho pastoral que desenvolvia com o povo e o apoio que a paróquia ofereceu aos camponeses quanto ao direito à posse da terra na questão da Usina Caxangá”, afirma Miracapillo em entrevista, por email, concedida à IHU On-Line..

Depois de viver os últimos 30 anos na Itália, onde atuou como diretor da pastoral missionária diocesana, Miracapillo avalia que “com a passagem para a democracia, houve uma melhora na vida do povo e mudança no exercício do poder e nas estruturas públicas”. Em relação à ditadura militar, que perdurou no país de 1964 a 1985, e a abertura dos arquivos secretos, ele é enfático: “É necessário que o Brasil, assim como outros países já fizeram, tenha a coragem civil e democrática de conhecer, pelo respeito devido às vítimas, a seus familiares e às instituições do país, o que se passou naquele período histórico e faça triunfar aí a justiça”.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – O senhor foi expulso do país há trinta anos por não aceitar celebrar uma missa em homenagem ao Dia da Independência. Lembra desse dia?

Vito Miracapillo – Lembro sim, mas aquela motivação só foi pretexto do poder e da ditadura, pois negamos uma missa imposta. No domingo, celebrei três missas pela Independência e não podia celebrar outra do jeito que queriam. Além disso, os verdadeiros motivos que geraram a minha expulsão foram o trabalho pastoral que desenvolvia com o povo e o apoio que a paróquia ofereceu aos camponeses quanto ao direito à posse da terra na questão da Usina Caxangá.

IHU On-Line – Como reagiu ao receber a notícia de que seria expulso do país? Qual foi seu sentimento? O senhor sofreu algum tipo de perseguição política?

Vito Miracapillo – Com muita serenidade, mesmo sofrendo, pois sabia que aquele era o preço a
pagar para a transformação da realidade da Zona da Mata Sul. O sentimento maior foi de compaixão pelo povo oprimido, empobrecido e excluído e por não podermos juntos continuar aquele trabalho de transformação pacífica, profunda e real que estávamos levando adiante com os colaboradores leigos, os grupos da paróquia e as comunidades do campo. A perseguição se deu pelo poder econômico da área, que, muito ante da missa imposta, estava preparando a minha expulsão junto com autoridades, capangas e soldados.

IHU On-Line – Como era a relação da Igreja com os militares no período ditatorial?

Vito Miracapillo – Muito crítica, principalmente depois da imposição ao país do estatuto dos estrangeiros, que visava a expulsão de missionários católicos e de refugiados políticos do cone sul da América Latina. Essa medida foi criticada por João Paulo II, quando visitou o país, em julho de 1980. Eu me tornei a primeira vítima.

IHU On-Line – Como a Igreja brasileira se posicionou em relação à sua expulsão do país?

Vito Miracapillo – Como um corpo só, unida e firme a meu favor. Junto com a Igreja, a grande maioria do povo brasileiro tomou posição contra a ditadura e me acompanhou com grande solidariedade até sair do país.

IHU On-Line – Como foi sua acolhida na Itália e como a Igreja italiana se posicionou diante do caso? Houve alguma repercussão internacional?

Vito Miracapillo – A acolhida na Itália foi em tom muito menor, porque por parte da Igreja temia-
se pelos outros padres que aqui trabalhavam e, por outro lado, os interesses econômicos existentes entre os dois países levou a silenciar o caso.

IHU On-Line – Hoje o Brasil é mais independente do que naquela época? Em que aspectos o Brasil continua dependente, e de quem?

Vito Miracapillo – A minha afirmação de que o povo não era independente não era em relação à
independência histórica do Brasil no conjunto das nações, mas sim no que se refere à situação de exclusão e opressão em que o povo vivia e à falta de respeito de seus direitos humanos, civis, trabalhistas.

IHU On-Line – Que atividades desenvolveu nos últimos 30 anos na Igreja italiana?

Vito Miracapillo – Desde que cheguei, o bispo me nomeou pároco e, sendo pároco, me nomeou também diretor da pastoral missionária diocesana. Do ano 2000 até hoje sou diretor da Pastoral Social Diocesana e do setor de Justiça e Paz, assim como do de Preservação do Meio Ambiente.

IHU On-Line – Quais as diferenças e aproximações entre a Igreja brasileira e a italiana?

Vito Miracapillo – As diferenças são mais devidas à extensão do território, ao número de operadores pastorais (padres, religiosos, freiras, pessoas engajadas), às estruturas e recursos econômicos, à cultura e ao tipo de sociedade do que à própria vida interna da Igreja. São muitas as afinidades existentes desde a liturgia até a vida da caridade.

IHU On-Line – O senhor acompanhou a situação política, econômica e social do Brasil ao longo desses 30 anos? Como analisa a posição política do Brasil em relação à ditadura militar e a resistência em abrir os arquivos históricos daquela época?

Vito Miracapillo – Por certo, com a passagem para a democracia, houve uma melhora na vida do povo e mudança no exercício do poder e nas estruturas públicas. Quanto à ditadura, é necessário que o Brasil, assim como outros países já fizeram, tenha a coragem civil e democrática de conhecer, pelo respeito devido às vítimas, a seus familiares e às instituições do país, o que se passou naquele período histórico e faça triunfar aí a justiça.

IHU On-Line – Como avalia a permanência de Severino Cavalcante no cenário político brasileiro ao longo desses 30 anos?

Vito Miracapillo – A avaliação pertence ao povo brasileiro e à sua educação política.

IHU On-Line – Como foi seu encontro com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB)?

Vito Miracapillo – Muito acolhedor e amigável. Um momento para agradecer a ajuda que deu para a revalidação de meu visto de permanência.

IHU On-Line – Qual sua expectativa ao retornar para o Brasil? Pretende reassumir a paróquia de Ribeirão, em Pernambuco?

Vito Miracapillo Vou voltar para a Diocese de Palmares. Quanto à paróquia, é o bispo quem vai decidir.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um reencontro com o povo brasileiro. Entrevista com Vito Miracapillo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV