Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Entrevistas

"A Internet, sem anonimato, é uma prisão de segurança máxima’. Entrevista com Henrique Antoun

Na entrevista de hoje, concedida, por telefone, o professor Henrique Antoun aborda o tema da Internet e os comportamentos e posicionamentos que a tornaram possível. Ele também aborda a cultura que a web está gerando com as possibilidades que ela permite. “A web é povoada, de fato, pelos movimentos sociais, hackers, grupos de ONGs, grupos de lutas sociais que começam a entender aquele lugar como um espaço que precisava ser povoado pela população e que não fosse restrito aos militares e universidades”, disse.

Henrique Antoun é professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É coordenador do grupo de pesquisa Cibercult e secretário executivo da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura (ABCiber).

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Li uma afirmação sua de que são os comportamentos que criam a web. Como a construção da web hoje representa a sociedade atual?

Henrique Antoun – A web tem várias camadas de construção. Ela tem uma camada militar ligada à preocupação norte-americana com uma possível guerra nuclear com a União Soviética. A Internet deveria ser, então, uma rede que permitisse aos aliados conduzirem um conflito sem que pudesse ser capturada a esfera do comando. Ela é também um projeto das universidades que vem como possibilidade de interação comunicativa e de poder de construir projetos comuns, de longo alcance e de amplo desenvolvimento. Mas, a Internet também foi construída pelos movimentos sociais dos anos 1960. Na medida em que estes vão sendo marginalizados, e a própria televisão assume a liderança da mídia de massa, passando a responder pela educação social, esses movimentos ocupam a web. Portanto, a web é povoada, de fato, pelos movimentos sociais, hackers, grupos de ONGs, grupos de lutas sociais que começam a entender aquele lugar como um espaço que precisava ser povoado pela população e que não fosse restrito aos militares e universidades.

IHU On-Line – Você diz que a Internet é filha dos movimentos da década de 1960. Pode nos explicar isso?

Henrique Antoun – Os movimentos sociais que se apropriaram da Internet ao longo dos anos 1980, através da lutas, e assim povoaram a web, são movimentos egressos dos anos 1960. São movimentos ligados às causas que as instâncias institucionais da sociedade não abraçava, como a questão dos homossexuais, das mulheres, dos trabalhadores ilegais e jovens. Foram nas ONGs que esses movimentos encontraram um modo de prosseguir. No decorrer dos anos 1980, como até hoje, os movimentos sociais não encontravam ouvidos e vozes na imprensa. Na Internet, então, encontraram um meio onde não só poderiam coordenar sua ação como podiam se comunicar e manter a sua versão dos fatos, assim como uma coerência da sua linha de atitudes.

IHU On-Line – Ao analisar os caminhos desses movimentos na web, como você classifica a pirataria?

Henrique Antoun – A questão da pirataria é atual e diz respeito aos grandes cartéis do entretenimento que acham que a cópia dos materiais que eles produzem e distribuem é um crime terrível. Na verdade, é parecido com a gritaria das editoras com o “xerox”. Você não tem como coibir isso, e a única forma de proibir é fazendo com que os preços sejam mais acessíveis do que os preços da cópia. Se copiar um livro me custa menos do que comprá-lo, há alguma coisa errada por quem está imprimindo o livro. A pirataria é uma discussão de proprietários querendo ganhar tempo para se adaptar às novas formas de fazer negócio.

IHU On-Line – Um dos temas que se tem discutido muito é a questão do anonimato na Internet. Nesse sentido, e a partir da pesquisa que o senhor está trabalhando, quais são os principais problemas da democracia na cibercultura?

Henrique Antoun – A Internet, sem anonimato, é uma prisão de segurança máxima. Ou você preserva a privacidade de que se comunica dela ou você faz da Internet uma prisão. Ela é uma máquina de controle, se não houver anonimato, ninguém escapa.

Normalmente, as grandes corporações, empresas e sindicatos, instâncias institucionais da velha cultura, mídia e sociedade de massa acham que a Internet está destruindo a democracia. Isso porque estão destruindo a maneira representativa de massa de conduzir a sociedade, ou seja, está destruindo a maneira como alguns poucos podem se arvorar a decidir o que todo mundo quer por processos de eleição e representação. São processos que estão mais do que viciados e já não funcionam. Há mais de 30 anos que nenhum deles é capaz de dar conta daquilo que as populações investem e almejam. Então, esses grupos, o tempo inteiro, dizem que a Internet vai destruir a democracia porque ela beneficia um tipo de participação, e não essa representação.

A Internet está muito mais ligada a uma ideia de democracia participativa do que a democracia representativa. A cultura de massa está centrada na ideia de que um produto guarda a vontade de todo mundo. A Internet está baseada no gráfico de lei de energia onde se tem uma multiplicidade inumerável de modos de existir, de atuar e fazer. É um lugar onde todos encontram a sua chance de prosseguir, mas dependem das participações, e não das representações. Além disso, é uma grande máquina de organizar a ação coletiva.

IHU On-Line – O Brasil "invadiu" o Orkut. Além disso, a presença do país vem crescendo no Facebook e no Twitter. Como o senhor vê nosso país no cenário da comunicação digital no mundo?

Henrique Antoun – O momento em que o Brasil ocupa o Orkut e se torna presença massiva nele, ele marca uma mudança de postura na política brasileira e na participação do público brasileiro. Até então, o brasileiro era aquele refém da televisão que se limitava a tudo o que a TV emitia. O Orkut marca o momento em que a população deixa de servir aos interesses da instituições de dominação de massa. O atual governo, creio eu, também está emancipando a população, dando-lhe capacidade de vida e manifestação.

IHU On-Line – O que é a cibercultura hoje?

Henrique Antoun – O André Lemos gosta de dizer que a cibercultura é a cultura contemporânea, porque ela é essa cultura que envolve computadores, celulares e as relações que se estabelecem a partir do uso desse tipo de ferramenta. Essa cultura, que já foi de massa, hoje se desloca para essa rede interativa e para esses modelos de interação distribuída dessa interface de comunicação formam inúmeros grupos de discussão sobre os mais diferentes assuntos. E isso possibilita que qualquer um possa, a qualquer momento, transmitir notícias, exprimir suas opiniões e formar um pequeno grupo. Isso significa que a Internet não incentiva que você queira ter sucesso por 15 minutos, mas sim que você quer liderar algum tipo de movimento ou coordenar algum tipo de ação.

IHU On-Line – Que sociedade a cibercultura está ajudando a criar?

Henrique Antoun – Saber com clareza é difícil. Mas certamente é uma sociedade profundamente diferente da sociedade de massa. Ela está fundada no capitalismo cognitivo, nas lutas da multidão contra os regulamentos do império, na comunicação participativa e nos novos modelos de democracia. Ela cada vez mais se distancia desse mundo onde alguns poucos podiam se arvorar ao poder de falar para todo mundo.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"MARX : aproximando-se os dois autores , ha de fato uma divergência . ambos constestam as desparidad..." Em resposta a: Thomas Piketty e a aposta em um capitalismo humanizado
"Isto mesmo. Em São Paulo há mais de mil moradias inúteis, esperando alguém que as habite, e os j..." Em resposta a: Juiz ponha o pé no chão e não favoreça a especulação!

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes