Estatuto da diversidade sexual. Entrevista Especial com Maria Berenice Dias

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Agosto 2011

A Ordem dos Advogados do Brasil – OAB está preparando, por meio da Comissão da Diversidade Sexual, um Estatuto da Diversidade Sexual, para garantir, em uma única legislação, os direitos dos homossexuais. "A criação do Estatuto é uma reivindicação antiga do movimento Lésbicas, gays, bissexuais e transexuais - LGBT. Eles sentem falta de uma legislação única, que trate de todas as questões envolvendo a diversidade sexual", disse Maria Berenice Dias, presidente da Comissão da Diversidade Sexual, em entrevista à IHU On-Line realizada por telefone.

Dignidade, igualdade e não discriminação são os princípios básicos que regem o Estatuto da Diversidade Sexual. Segundo Berenice Dias, a decisão do STF, de reconhecer a união homoafetiva deve ser considerada um avanço, mas, para garantir seus direitos, a comunidade LGBT deve lutar pela criminalização da homofobia. "Precisamos criminalizar a homofobia, porque não é possível condenar um agressor se não existe uma lei nesse sentido".

Maria Berenice Dias é desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, advogada especializada em Direito Homoafetivo e vice-presidente e fundadora do Instituto Brasileiro de Direito de Família.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Por que a OAB quer criar o Estatuto da Diversidade Sexual?

Maria Berenice Dias – A criação do Estatuto é uma reivindicação antiga do movimento LGBT. Eles sentem falta de uma legislação única, que trate de todas as questões envolvendo a diversidade sexual. Há bastante tempo venho apoiando essa iniciativa e, desde que me aposentei, tenho buscado formação no âmbito da ordem dos advogados em todos os estados para capacitar os advogados a trabalharem com o direito homoafetivo e com a elaboração do Estatuto.

Essas comissões para elaborar o Estatuto começaram a ser criadas em todo o Brasil e, no último ano, levei à Ordem dos Advogados Federal a proposta de criar uma comissão nacional para elaborar uma legislação completa, que traga regras e penalização de posturas homofóbicas. Esse processo também está sendo elaborado em parceria com os movimentos sociais que integram as comissões em todo o país.

IHU On-Line – Qual a previsão para que esse Estatuto seja concluído e comece a vigorar?

Maria Berenice Dias – Neste momento, estamos recebendo sugestões de toda a comunidade LGBT e da comunidade jurídica. A expectativa é apresentar o projeto ao Senado Federal no final do mês de agosto.

IHU On-Line – E como a sociedade pode participar de sua construção?

Maria Berenice Dias – Todas as pessoas podem participar. Divulgamos o sumário do projeto e estamos agregando as ideias dos participantes. As pessoas podem encaminhar sugestões para o endereço de e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

IHU On-Line – Juridicamente, o Estatuto tem um caráter legal? Ele de fato irá garantir direitos aos homossexuais?

Maria Berenice Dias – Sim. A proposta é dar um tratamento igualitário à população LGBT e aos seus vínculos afetivos. O Estatuto irá tratar a união homoafetiva da mesma maneira que trata do direito de família, por exemplo.

IHU On-Line – Quais serão os princípios fundamentais do Estatuto?

Maria Berenice Dias – Os princípios fundamentais são aqueles que estão na Constituição. Os mais importantes são os princípios da dignidade, da igualdade e o da não discriminação. Outro princípio importante de ser ressaltado é do direito à felicidade, que ainda não está na Constituição brasileira. Felicidade é o que a população LGBT busca: eles querem ter o direito de serem felizes com as suas características, sem que isso seja alvo de preconceito, de discriminação, de exclusão no âmbito de tutela do direito.

IHU On-Line – Em que aspectos o Direito ainda deve avançar para garantir os direitos dos homossexuais?

Maria Berenice Dias – O Direito ainda tem muito a avançar, pois não existe uma legislação para garantir os direitos homossexuais no Brasil. Embora não exista uma lei efetiva em relação aos homossexuais, os direitos deles estão sendo reconhecidos pela Justiça. Então, a partir de agora, precisamos criminalizar a homofobia, porque não é possível condenar um agressor se não existe uma lei nesse sentido.

IHU On-Line – E já está tramitando no Congresso algum projeto de lei nesse sentido?

Maria Berenice Dias – Sim. Há vários anos. O projeto 122 já foi arquivado e desarquivado, posteriormente, pela senadora Marta Suplicy. As iniciativas a favor da comunidade LGBT avançam de uma maneira muito vagarosa no âmbito do Legislativo. Por isso, defendemos a ideia de criar um Estatuto que englobe todos os direitos dos homossexuais.

IHU On-Line – Que avanços jurídicos já foram alcançados em relação aos direitos dos homossexuais?

Maria Berenice Dias – Há dez anos estamos lutando para que os direitos dos homossexuais sejam reconhecidos pelo Judiciário. Depois de muitos anos, eles começaram a avançar e culminaram com a decisão do Supremo Tribunal Federal – STF, no dia 5 de maio de 2011, que referendou a ação que a Justiça já vinha deferindo e reconhecendo como uma entidade familiar. Então, hoje os homossexuais têm direito ao casamento, um dos direitos fundamentais da pessoa: o direito de constituir família de uma maneira igualitária. De certa maneira, os poderes Judiciário e Executivo avançaram na medida em que adotaram várias políticas públicas e criaram institutos e espaços de discussão das questões da população LGBT.

IHU On-Line – Como avalia a postura do governo em relação aos homossexuais e o recuo na distribuição dos kits contra homofobia?

Maria Berenice Dias – A não distribuição dos kits não chegou a ser um recuo, mas a perda da possibilidade de um avanço.

IHU On-Line – Como vê as manifestações após a aprovação do STF, principalmente em relação às igrejas evangélicas, uma vez que muitos se pronunciaram contra a união homoafetiva? A posição dessas igrejas reflete, de alguma maneira, a posição de parte conservadora da sociedade?

Maria Berenice Dias –
Em primeiro lugar, reflete. Porque eles têm uma grande maioria no Congresso. Essas igrejas acabam se escondendo atrás de dogmas religiosos para querer discriminar pessoas, quando a função do legislador é outra: incluir todos os cidadãos no âmbito jurídico. Os legisladores têm a obrigação de editar leis que protegem a todos. Essa movimentação das igrejas tem um caráter um pouco assustador, pois não estão agindo, como dizem, em nome Jesus para garantir os direitos de professar sua fé. Não vejo como os direitos dos homossexuais podem afrontar os princípios religiosos.

IHU On-Line – Existe alguma política pública para os homossexuais?

Maria Berenice Dias – O Brasil ainda não tem políticas públicas nesse sentido, apesar de todo o interesse dos movimentos. As manifestações homofóbicas demonstram que não podemos viver numa sociedade em que os cidadãos se desrespeitam. No momento em que não se respeita o direito do outro, não se assegura o direito de ninguém. Isso gera muita insegurança à população.

IHU On-Line – É possível comparar o sistema jurídico brasileiro com o de outros países em relação à garantia dos direitos dos homossexuais?

Maria Berenice Dias – Muitos países asseguram os direitos dos homssexuais. Eles têm acesso ao casamento e a uma legislação protetiva e de combate à homofobia. Em termos legislativos, o Brasil está muito atrasado comparado ao resto do mundo.

IHU On-Line – Que avanços se podem esperar com o Estatuto?

Maria Berenice Dias – A ideia é fazer uma mobilização nacional, que acabe provocando o legislador a abrir mão desse descaso com que trata as questões homossexuais. O Estatuto seria um marco importante em termos de cidadania, em termos de democracia e em termos de igualdade.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estatuto da diversidade sexual. Entrevista Especial com Maria Berenice Dias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV