A ecologia humana de Bergoglio, que prepara a encíclica sobre a criação

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O fenômeno dos padres fisiculturistas e estrelas das redes sociais

    LER MAIS
  • “O Papa me disse: Deus ama os filhos homossexuais como eles são”

    LER MAIS
  • Francisco para os pais e mães de homossexuais: “A Igreja ama os vossos filhos do jeito que eles são, porque são filhos de Deus”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Fevereiro 2015

Francisco recordou ontem suas palavras à FAO, em novembro. Naquela ocasião a frase reveladora foi pronunciada pelo Papa na saída, ao saudar os dependentes: “A água não é gratuita, como tantas vezes pensamos. Será o grave problema que poderá levar-nos a uma guerra”. Fome, sede e “economia que mata”, desflorestamento e conflitos. A “terceira guerra mundial em partes” se combate em várias frentes, sempre sobre a pele dos pobres. Tutela do ambiente e “ecologia humana”: tudo vem ao caso, no pensamento de Bergoglio.

A nota é de Gian Guido Vecchi, publicada por Corriere della Sera, 08-02-2015. A traduçao é de Benno Dischinger.

Em março o Papa concluirá a encíclica sobre a custódia da criação, que ele pretende publicar entre junho e julho para que seja meditada antes da conferência de Paris sobre as mudanças climáticas. A mensagem à Expo, como a intervenção à FAO, antecipa conteúdos e estilos. Francisco exorta a resguardar-se dos “sofismas”, daquele “nominalismo do pensamento” abstrato da realidade e inconcludente. Volta à mente o juízo sobre a conferência climática de Lima, revelado aos jornalistas no vôo a Manila: “O encontro no Perú não foi grande coisa, iludiu-me a falta de coragem. Porque é preciso ter a coragem de não “parar até certo ponto” e “ir ao fundo dos problemas: reconhecer a “iniquidade” como raiz de todos os males, agir sobre “causas estruturais”, renunciando “à autonomia absoluta dos mercados e da especulação financeira”, fundar o agir político sobre “pilastras” da ”dignidade da pessoa humana” e do “bem comum”. E custodiar “com ternura” a “mãe terra” que “pede respeito e não violência, ou pior ainda, arrogância de padrões”. Ai ao ”tomá-lo a bofetadas”. Mais vezes o Papa repetiu a frase que lhe disse um velho camponês: Deus perdoa sempre, os homens às vezes, a natureza jamais. 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A ecologia humana de Bergoglio, que prepara a encíclica sobre a criação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV