Papa Francisco dedica sua primeira encíclica para defender a ecologia

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Janeiro 2015

Da mesma forma que escolheu a ilha de Lampedusa e o drama da imigração para transformar sua primeira viagem apostólica em um libelo contra a "globalização da indiferença", o papa Francisco quis que sua primeira encíclica própria - a anterior havia sido escrita na maior parte por Bento XVI - se transforme em uma defesa apaixonada da ecologia.

A reportagem é de Pablo Ordaz, publicada pelo jornal El País03-01-2015.

Segundo fontes do Vaticano, a encíclica na qual Jorge Mario Bergoglio e um grupo significativo de assessores - entre os quais se destacam o cardeal ganense Peter Turkson e os teólogos argentinos Carlos María Galli e Víctor Manuel Fernández - vêm trabalhando desde o outono de 2013 está praticamente pronta e poderá ser publicada ainda este mês. O papa nunca escondeu sua enorme preocupação diante do que considera um dos maiores desafios da humanidade, "a custódia da criação e a ecologia".

Já não resta qualquer dúvida de que o jesuíta Bergoglio, quer esperasse ou não ser eleito papa depois da renúncia de Joseph Ratzinger, tinha muito claro desde o primeiro dia seu projeto de igreja. Não só porque os primeiros deslocamentos escolhidos por ele - as ilhas de Lampedusa e Sardenha - quisessem encenar a viagem para as periferias da imigração e do desemprego, mas porque já na primeira missa de inauguração do pontificado, em 19 de março de 2013, salientou a importância de "custodiar a natureza".

Na ocasião, o pontífice chegou a dizer que Francisco de Assis, em cujo nome e mensagem inspiram seu papado, representa o modelo de vida austero, respeitoso com a criação, tão distante da atual "conjuntura do descarte", por culpa da qual em alguns países se desperdiça de forma caprichosa alimentos e recursos naturais, enquanto em outras latitudes milhões de pessoas morrem de fome. Só cuidando da natureza, advertiu o papa, é possível também "custodiar as pessoas, preocupar-se com todos, especialmente as crianças, os idosos e os mais frágeis".

Desde aquele dia, foram muitas as referências de Francisco à proteção da natureza, tanto ao longo de suas viagens como nas audiências na Praça de São Pedro. Em maio passado, diante de cerca de 100 mil peregrinos vindos do mundo todo, Bergoglio advertiu: "A natureza não é uma propriedade da qual podemos abusar à vontade, muito menos é a propriedade de alguns poucos, e sim um dom de todos, que devemos custodiar. Se destruirmos a criação, a criação nos destruirá. Nunca se esqueçam disso!"

O papa usou em diversas ocasiões um ditado popular: "Deus perdoa sempre, os homens algumas vezes, a natureza nunca". E em julho passado declarou: "Estamos destruindo a criação. Matamos a natureza sem percebermos que estamos ficando com um deserto, e não com um jardim". O pontífice admitiu que estava escrevendo uma encíclica que poderia ter o nome de "A ecologia da humanidade".

Embora por pessoas intermediárias, no Vaticano logo se soube que Jorge Mario Bergoglio havia decidido que a primeira encíclica de seu punho e letra - a anterior, "A luz da fé", publicada em julho de 2013, pertencia em sua maior parte a Ratzinger - se concentraria na relação do homem com a natureza. Já em fevereiro passado, monsenhor Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, confirmou que o papa assim havia comentado ao presidente francês, François Hollande.

Diversas personalidades do mundo religioso - entre elas o bispo austríaco Erwin Kräutler, missionário há 50 anos na Amazônia brasileira, e a ministra-geral da Ordem Franciscana Secular, Encarnación del Pozo - afirmaram que o papa as consultou antes da redação de sua circular ao mundo católico. Mas a verdade é que o núcleo central da encíclica foi escrito entre Roma e Buenos Aires.

O papa quis que a parte doutrinária fosse sustentada pelos dois responsáveis máximos do Pontifício Conselho para a Justiça e a Paz, seu presidente, o cardeal ganense Peter Turkson, 66, e seu secretário, o bispo italiano Mario Toso, 64, um prestigioso especialista em teologia e filosofia, embora "demasiado progressista" para alguns membros do Vaticano.

A parte expositiva também foi redigida por duas das pessoas mais próximas de Bergoglio, o arcebispo Víctor Manuel Fernández, reitor da Pontifícia Universidade Católica da Argentina, e o sacerdote Carlos María Galli, doutor em teologia. Segundo uma fonte conhecedora da encíclica, esta será "mais uma bomba midiática" no mais puro estilo Bergoglio. Isto é, aumentará o consenso mundial em torno de sua autoridade moral, enquanto os setores mais tradicionais do Vaticano continuarão a observá-lo com certa inquietação.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco dedica sua primeira encíclica para defender a ecologia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV