Adiar metas de recuperação da biodiversidade custará o dobro aos países

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • O suicídio no clero do Brasil

    LER MAIS
  • “Agro é fogo”: incêndios no Brasil estão ligados ao agronegócio e ao avanço da fome, diz dossiê

    LER MAIS
  • Polícia de RO invade casa de advogada para apreender material de defesa de camponeses

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Fevereiro 2021

Perda progressiva de espécies também elevará custo da produção de alimentos e materiais.

Há consenso entre os cientistas de que a Terra está vivendo um rápido declínio de sua biodiversidade devido à destruição de habitats naturais.

Um estudo realizado pelo Museu de História Natural de Londres em parceria com a consultoria Vivid Economics compara os custos para os governos do mundo de duas estratégias para alcançar as metas de conservação florestal até 2050: agir agora ou adiar a ação por uma década. O resultado indica que esperar para agir será duas vezes mais caro.

A reportagem é de Cinthia Leone, publicada por EcoDebate, 12-02-2021.

A pesquisa é um dos estudos incluídos em um detalhado relatório independente divulgado na semana passada – a Dasgupta Review, uma revisão de alto nível da literatura científica sobre o tema conduzida pelo célebre economista indiano Partha Dasgupta e pelo professor emérito da Universidade de Cambridge Frank Ramsey.

A mensagem dos dois relatórios é clara: a perda de biodiversidade em nível planetário é um problema urgente, representa um grave risco para a humanidade e os países não poderão arcar com os custos econômicos do adiamento das medidas necessárias.

O estudo, que foi debatido ontem (11/02) em evento virtual aberto ao público, afirma que, ao demorar para agir, os países podem tornar a ação para frear a perda de biodiversidade não apenas mais cara, mas também inviável política e economicamente. Sem ações mais ambiciosas dos governos, mais espécies serão extintas nos próximos 30 anos do que em toda a Era Comum (850-1850), e os custos para produção de alimentos e de materiais subirá sensivelmente até 2050. Agir imediatamente poderia reduzir as extinções de espécies em 25% no mesmo período, diz o texto.

As conclusões do estudo são baseadas em diferentes cenários e faixas de tempo em que as restaurações florestais seriam conduzidas. Trabalharam na criação do relatório os pesquisadores de biodiversidade do Museu de História Natural Andy Purvis, Adriana De Palma e Ricardo Gonzalez, em conjunto com a equipe da Vivid Economics.

“O desflorestamento não apenas conduz à extinção de espécies. Ele acelera a mudança climática e torna mais prováveis futuras pandemias”, afirma Purvis. “Ignorar o problema é deixar às gerações futuras um planeta quebrado; agir agora poderia consertá-lo.”

“A Transição Positiva para a Natureza, que modelamos neste relatório, afetará todas as partes da economia que tenham um impacto material sobre a natureza na terra e nos oceanos”, explica o diretor da Vivid Economics, Robin Smale. Para ele, os governos têm o poder político, legal e econômico para orientar suas economias no sentido dessa transição.

O relatório faz recomendações aos governos:

• Melhorar imediatamente a eficácia da fiscalização de áreas protegidas, que é a forma mais barata de ação;

• Desenvolver imediatamente programas de reflorestamento utilizando o plantio de espécies nativas, o que terá efeitos mais rápidos do que o crescimento natural (quando a área desmatada é abandonada e ao longo dos anos retoma sua cobertura original). O reflorestamento também deve priorizar áreas de alto endemismo (espécies que só existem naquela região ou bioma);

• Projetar mecanismos de incentivo à biodiversidade na forma de compromissos avançados de mercado, visando áreas ricas em biodiversidade e locais com alto potencial de restauração;

• Introduzir regras que exijam que os projetos de reflorestamento que recebam pagamentos por benefícios climáticos, por exemplo, créditos de carbono, também priorizem a biodiversidade;

• Anunciar imediatamente a ambição futura do país e o provável nível de incentivo à biodiversidade, e traduzi-los em cenários relevantes para os investidores. Isso permitirá que as pessoas possam tomar decisões de investimento consistentes com as projeções. O anúncio antecipado mantém os custos de ajuste baixos;

• Transformar o setor financeiro para adequá-lo a uma Transição Positiva para a Natureza;

• Redistribuir imediatamente os subsídios à produção de alimentos e materiais por meio de (i) adoção de tecnologias que melhorem a produtividade, incluindo a intensificação ecológica em locais onde a produtividade fica aquém de seu potencial; (ii) incentivos à biodiversidade; (iii) financiamento de áreas protegidas. Os incentivos econômicos devem trabalhar a favor, e não contra a biodiversidade e o clima.

Notas

Acesse o relatório aqui.

O evento em que o relatório foi debatido ontem é parte de uma série de ações coordenadas pelo Museu de História Natural de Londres sob o título: “Nosso Planeta Quebrado: como chegamos a esse ponto e formas de consertá-lo”. Confira a programação aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Adiar metas de recuperação da biodiversidade custará o dobro aos países - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV