Sistema alimentar global pode levar à perda de biodiversidade rápida e generalizada

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Santa Teresa de Jesus: inquieta, andarilha, desobediente e muito mais...

    LER MAIS
  • COP26. Kerry reduz as expectativas sobre a cúpula de Glasgow: “Rumo a compromissos ainda insuficientes para alcançar…”

    LER MAIS
  • Diocese Anglicana no Paraná sagrará bispa coadjutora em Curitiba

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Dezembro 2020

As descobertas publicadas na Nature Sustainability mostram que o sistema alimentar mundial precisará ser transformado para evitar a perda de habitat em todo o globo.

A reportagem é publicada por University of Leeds e reproduzida por EcoDebate, 22-12-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

A equipe de pesquisa internacional, liderada pela University of Leeds e pela University of Oxford, descobriu que o que comemos e como é produzido precisará mudar rápida e dramaticamente para prevenir perdas generalizadas e severas de biodiversidade.

O Dr. David Williams, da Escola de Terra e Meio Ambiente de Leeds e do Instituto de Pesquisa de Sustentabilidade, é o principal autor do artigo.

Ele disse: “Estimamos como a expansão agrícola para alimentar uma população global cada vez mais rica provavelmente afetará cerca de 20.000 espécies de mamíferos, pássaros e anfíbios".

“Nossa pesquisa sugere que, sem grandes mudanças nos sistemas alimentares, milhões de quilômetros quadrados de habitats naturais podem ser perdidos até 2050.

“Quase 1.300 espécies provavelmente perderão pelo menos um quarto de seu habitat restante e centenas podem perder pelo menos a metade. Isso os torna muito mais propensos a se extinguir.

“Em última análise, precisamos mudar o que comemos e como é produzido se quisermos salvar a vida selvagem em escala global. Precisamos alterar nossas dietas e métodos de produção de alimentos. ”

Modelagem da expansão agrícola

O estudo estimou como os sistemas alimentares afetariam a biodiversidade em uma escala de terra mais refinada do que a pesquisa anterior (2,25 km2), tornando os resultados mais relevantes para a ação de conservação ao destacar exatamente quais espécies e paisagens são susceptíveis de serem ameaçadas.

Ele fez isso vinculando as projeções de quanta terra agrícola cada país precisará com um novo modelo que estima onde a expansão e o abandono agrícolas são mais prováveis de ocorrer.

Ao verificar se as espécies animais podem sobreviver em terras agrícolas ou não, os pesquisadores puderam estimar as mudanças no habitat, descobrindo que as perdas foram particularmente graves na África Subsaariana e em partes da América Central e do Sul.

Muitas das espécies que provavelmente serão mais afetadas não estão listadas como ameaçadas de extinção e, portanto, é improvável que sejam atualmente alvos de conservacionistas.

O Dr. Michael Clark, da Oxford Martin School e Nuffield Department of Population Health , University of Oxford, também é um dos principais autores do artigo.

Ele disse: “Como as metas internacionais de biodiversidade estão definidas para serem atualizadas em 2021, esses resultados destacam a importância de esforços proativos para proteger a biodiversidade, reduzindo a demanda por terras agrícolas".

“As discussões sobre desaceleração e reversão da biodiversidade geralmente se concentram em ações convencionais de conservação, como o estabelecimento de novas áreas protegidas ou legislação específica para espécies ameaçadas. Eles são absolutamente necessários e têm sido eficazes na conservação da biodiversidade.

“No entanto, nossa pesquisa enfatiza a importância de reduzir também os estresses finais à biodiversidade – como a expansão agrícola.

“A boa notícia é que, se fizermos mudanças ambiciosas no sistema alimentar, poderemos evitar quase todas essas perdas de habitat”.

Reduzindo a perda de biodiversidade

O estudo examinou o impacto potencial de fazer essas mudanças ambiciosas, modelando se as transições para dietas saudáveis, reduções na perda e desperdício de alimentos, aumentos na produção de safras e planejamento internacional do uso da terra poderiam reduzir futuras perdas de biodiversidade.

Essa abordagem permite que os formuladores de políticas e conservacionistas identifiquem quais mudanças têm maior probabilidade de ter o maior benefício em seu país ou região.

Por exemplo, aumentar a produtividade agrícola provavelmente traria enormes benefícios para a biodiversidade na África Subsaariana, mas faça muito pouco na América do Norte, onde a produtividade já é alta.

Em contraste, mudar para dietas mais saudáveis teria grandes benefícios na América do Norte, mas é menos provável que tenha grandes benefícios em regiões onde o consumo de carne é baixo e a insegurança alimentar é alta.

O Dr. Clark acrescentou: “É importante notar que precisamos fazer todas essas coisas. Nenhuma abordagem é suficiente por si só.

“Mas, com coordenação global e ação rápida, deve ser possível fornecer dietas saudáveis para a população global em 2050 sem grandes perdas de habitat”.

 

Referência:

Williams, D.R., Clark, M., Buchanan, G.M. et al. Proactive conservation to prevent habitat losses to agricultural expansion. Nat Sustain (2020). Disponível aqui

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sistema alimentar global pode levar à perda de biodiversidade rápida e generalizada - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV