Desigualdade social e desgoverno é negação da vida!

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Discernimentos depois da Primeira Assembleia Eclesial. Artigo de Paulo Suess

    LER MAIS
  • Formação e espiritualidade do Ministro Extraordinário da Eucaristia

    LER MAIS
  • Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Setembro 2021

 

"A sociedade deve buscar um modelo econômico que respeite a liberdade humana, a livre iniciativa, que esteja comprometida com a eliminação da injustiça social, ou seja, que faça surgir uma economia solidária. A sustentabilidade do futuro passa por uma nova ética econômica, que renove a ação do homem no mundo", escreve Marcos Aurélio Trindade, mestrando em Bioética PUCPR, especialista em saúde mental, investigador na UBA - Argentina e professor colaborador da Unimontes-MG.  Ativista de direitos humanos, saúde e educação

 

Eis o artigo.

 

A humanidade do século XXI necessita de uma luz norteadora, que orienta para responder aos desafios econômicos sociais. Um modelo de organização social que, atenda as necessidades e o sentido existencial da vida neste planeta, apresentando um modelo ético.

Nos dias atuais de nossas vidas, estamos presenciando as catástrofes do marco neoliberal, que assolam o impulso do coletivismo social. O mundo em que vivemos é medonho e obscuro, demarcado de guerras exploratórias, ativadas pela forma econômica individual, opressiva, insistindo em dividir a vida. Utilizando a todo o momento uma arma de indústria cultural, opressiva ideológica arguida na economia, produzindo alienados e uma sociedade consumista sem atenção a vida.

A concentração de renda que é um dos males imperativos que a sociedade está sofrendo, se torna cada vez mais nítida. A geração de pobreza, atrelada ao modelo vigente só colabora para que os pobres fiquem mais pobres e ricos mais ricos. Os bilionários da esfera mundial e suas prosperidades individuais, aceitadas por uma organização obscura, estão gerando mais desigualdades sociais, acirrando um pacto de destruição planetária no que diz respeito à vida.

No contexto brasileiro, as grandes potências financeiras estão propagando um avanço exorbitante de desigualdades sociais, pois as fontes e dados mostram, que os bilionários desse país, apresentam cinco por cento do capital, sobre cinquenta por cento dos mais pobres. A questão aqui, não se trata em aniquilar as estruturas desse mercado financeiro, mas, trata-se de reformulá-los a luz de uma responsabilidade com o valor social e comprometido com a responsabilidade, sobre os menos favorecidos.

Sabemos que a concentração de renda gera pobreza devastadora e somos testemunhas sobre esse cenário. Porém a humanidade necessita enxergar o ser humano e todo o processo fisiológico do meio ambiente, como bem maior, para a harmonia cosmológica e a inibição da pobreza. É complicadíssimo quando olhamos para uma elite, que é privilegiada em detrimento de outras camadas sociais que não possuem nada. Não dá para falar de meritocracia nesse sentido, quando tantas pessoas não tiveram acessos às questões básicas e essenciais da vida. O Brasil é um país rico em diversidades naturais, porém a expressiva forma prática de distribuição é alarmante e perigosa, gerando muita pobreza.

Temos noticiado diuturnamente os noticiários da crise sanitária, dilacerada sobre essa pandemia ao nível global. A política em nosso País não se coaduna para os futuros do benefício do bem comum social, pois o exercício do poder governamental executivo é praticado como uma atuação obscura e desprovida de conhecimentos, agravadas pela irresponsabilidade na sociedade. O desgoverno mostrou-se cristalizado em referência as ações sociais, mediante aos menos favorecidos e tampouco demonstrou interesse, para a crise mortal do vírus covid -19, atuando com desprezo a vida e também dos inumeráveis entes ceifados. O que devemos entender aqui é na verdade uma criação ideológica que não atende os interesses da ciência, por não preocupar ao cuidado preventivo na promoção de saúde global.

Abordando sobre questões voltadas a aspectos econômicos, o caminho proposto é o engajamento de uma economia interativa e não excludente, para a criação de riqueza e a manutenção dela, que se manifesta pelo fruto do trabalho da potencialidade humana. Não basta gerar lucro e emprego, sem um compromisso social, o capitalismo deve acima de tudo, eliminar a injustiça social. Se o trabalho é promissor em relação a todo ser humano, deve-se pensar numa economia solidária, comprometida em primeiro lugar com a sociedade onde o lucro não seja um fim, mas um meio para alcançar o bem comum, que não exclui parte da população de participar da ação humana do trabalho digno.

Nesse sentido, a sociedade deve buscar um modelo econômico que respeite a liberdade humana, a livre iniciativa, que esteja comprometida com a eliminação da injustiça social, ou seja, que faça surgir uma economia solidária. A sustentabilidade do futuro passa por uma nova ética econômica, que renove a ação do homem no mundo.

A forma de organização social se materializa nas empresas, onde há relações de trocas, entre os detentores do capital e a força de trabalho, em busca da geração de uma riqueza, que satisfaça as necessidades de todos. A questão ética é: Para qual fim está sendo destinada a geração de riqueza no século XXI? Como orientação, recorremos ao texto da Doutrina Social da Igreja, para trazer uma luz a esta questão. Caso o modelo econômico vigente não seja capaz de atender a finalidade exposta, é a prova de que vivemos em uma sociedade injusta, incapaz de promover o bem comum, cabendo às pessoas da boa vontade e a revisão do modelo econômico na luta para implementação de um novo modelo capaz de atender os princípios expostos. A doutrina social, n,338 diz que:

“A empresa deve caracterizar-se pela capacidade de servir o bem comum da sociedade mediante a produção de bens e serviços úteis. Procurando produzir bens e serviços em uma lógica de eficiência e de satisfação dos diversos sujeitos implicados, ela cria riqueza para toda a sociedade: não só para os proprietários, mas também para os outros sujeitos interessados na sua atividade. Além de tal função tipicamente econômica, a empresa cumpre também uma função social, criando oportunidades de encontro, de colaboração, de valorização das capacidades das pessoas envolvidas. Na empresa, portanto, a dimensão econômica é condição para que se possam alcançar objetivos não apenas econômicos, mas também sociais e morais, a perseguir conjuntamente”.

O homem não pode ser reduzido apenas como um objeto, tratado como uma coisa, mas deve ser valorizado pelo ato salvífico do trabalho, pelo fruto e o resultado que produz. É nessa perspectiva, que o trabalho permite a edificação do homem. Deve existir uma ruptura da estrutura desumanizante, em relação à estrutura humanizante, pois o ato humanizante é que, sana o modelo opressor na relação do detentor do capital e o trabalhador. Atentemo-nos sobre o que o catecismo da igreja católica afirma:

A vida econômica abrange interesses diversos, muitas vezes opostos entre si. Assim se explica o surgimento dos conflitos que a caracterizam. Deve haver um empenho no sentido de minimizar estes últimos pela negociação que respeite os direitos e os deveres de cada parceiro social: os responsáveis pelas empresas, os representantes dos assalariados, por exemplo, as organizações sindicais e, eventualmente, os poderes públicos". 

A política ideal é promover atividades econômicas que são socialmente comprometidas com o valor humano e eliminar as que não estão comprometidas. Penso e como diz o padre Júlio Lancellotti: “Não estamos no mesmo barco, estamos na mesma tempestade. Uns de iate, outros a nado!”

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Desigualdade social e desgoverno é negação da vida! - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV