Degelo do permafrost libera gases de efeito estufa do subsolo

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Byung-Chul Han: smartphone e o “inferno dos iguais”

    LER MAIS
  • Os 13 tweets do Papa no dia do IV Encontro Mundial de Movimentos Populares

    LER MAIS
  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Agosto 2021

 

Após onda de calor de 2020, as concentrações de metano no ar da Sibéria apontam para a emissão de gás do calcário.

A reportagem é publicada por Rheinische Friedrich-Wilhelms-Universität Bonn e reproduzida por EcoDebate, 02-08-2021. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

Quais os efeitos da onda de calor do verão de 2020 na Sibéria? Em um estudo conduzido pela Universidade de Bonn, geólogos compararam a distribuição espacial e temporal das concentrações de metano no ar do norte da Sibéria com mapas geológicos. O resultado: as concentrações de metano no ar após a onda de calor do ano passado indicam que o aumento das emissões de gases veio de formações calcárias abaixo do permafrost em degelo.

O estudo foi publicado na revista Proceedings of National Academy of Sciences (PNAS).

Esquerda: Imagem de satélite do Norte da Sibéria. – Duas áreas de calcário paleozóico são marcadas com linhas tracejadas amarelas. Superior direito: concentração de metano medida por satélite em maio de 2020; inferior direito: em agosto de 2020. (Foto: N. Froitzheim & D. Zastrozhnov, usando dados do GHGSat)

 

 

Solos permafrost permanentemente congelados cobrem grandes áreas do hemisfério norte, especialmente no norte da Ásia e na América do Norte. Se eles descongelarem em um mundo em aquecimento, isso pode representar perigos, porque CO2 e metano são liberados durante o descongelamento – e amplificam o efeito antropogênico de gases de efeito estufa. “O metano é particularmente perigoso aqui porque seu potencial de aquecimento é muitas vezes maior do que o do CO2”, explica o Prof. Dr. Nikolaus Froitzheim do Instituto de Geociências da Universidade de Bonn.

Os pessimistas, portanto, já falavam de uma “bomba de metano” iminente. No entanto, a maioria das projeções anteriores mostrou que os gases do efeito estufa do degelo do permafrost contribuirão com “apenas” cerca de 0,2 graus Celsius para o aquecimento global em 2100. Essa suposição foi agora contestada por um novo estudo de Nikolaus Froitzheim e seus colegas Jaroslaw Majka (Cracóvia / Uppsala) e Dmitry Zastrozhnov (São Petersburgo).

A maioria dos estudos anteriores tratou apenas das emissões da decomposição de restos de plantas e animais nos próprios solos permafrost. Em seu estudo atual, os pesquisadores liderados por Nikolaus Froitzheim fizeram uma comparação entre as concentrações de metano no ar da Sibéria, determinadas por espectroscopia baseada em satélite, e mapas geológicos. Eles encontraram concentrações significativamente elevadas em duas áreas do norte da Sibéria – o Cinturão de Dobra de Taymyr e a borda da Plataforma Siberiana. O que é surpreendente nessas duas áreas alongadas é que a rocha-mãe é formada por formações de calcário da era Paleozóica (período de cerca de 541 milhões de anos a cerca de 251,9 milhões de anos atrás).

Em ambas as áreas, as concentrações elevadas apareceram durante a onda de calor extrema no verão de 2020 e persistiram por meses depois. Mas como o metano adicional ocorreu em primeiro lugar? “As formações de solo nas áreas observadas são muito finas ou inexistentes, tornando improvável a emissão de metano a partir da decomposição da matéria orgânica do solo”, diz Niko Froitzheim. Ele e seus colegas, portanto, sugerem que os sistemas de fratura e cavidade no calcário, que haviam sido obstruídos por uma mistura de gelo e hidrato de gás, tornou-se permeável com o aquecimento. “Como resultado, o gás natural, sendo principalmente metano de reservatórios dentro e abaixo do permafrost, pode atingir a superfície da Terra”, diz ele.

Os cientistas agora planejam investigar essa hipótese por meio de medições e cálculos de modelo para descobrir quanto e com que rapidez o gás natural pode ser liberado. “As quantidades estimadas de gás natural na subsuperfície do norte da Sibéria são enormes. Quando partes disso forem adicionadas à atmosfera após o degelo do permafrost, isso poderá ter impactos dramáticos no clima global já superaquecido”, enfatiza Niko Froitzheim.

 

Instituições participantes:

A Universidade de Bonn, a Universidade de Uppsala e a Universidade de Ciência e Tecnologia AGH em Cracóvia, bem como o Instituto Russo de Pesquisa Geológica Karpinsky em São Petersburgo, estiveram envolvidos no estudo.

 

Referência:

Methane release from carbonate rock formations in the Siberian permafrost area during and after the 2020 heat wave. Nikolaus Froitzheim, Jaroslaw Majka, Dmitry Zastrozhnov. Proceedings of the National Academy of Sciences Aug 2021, 118 (32) e2107632118. Disponível aqui

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Degelo do permafrost libera gases de efeito estufa do subsolo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV