Emergência Climática: Derretimento das geleiras globais está acelerando

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O Sínodo Mundial é uma preparação para um futuro Concílio, afirma arcebispo de Praga

    LER MAIS
  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Mai 2021

 

Uma equipe de pesquisa internacional, incluindo cientistas da ETH Zurique, mostrou que quase todas as geleiras do mundo estão se tornando mais finas e perdendo massa. E essas mudanças estão acelerando. A análise da equipe é a mais abrangente e precisa de seu tipo até o momento.

A reportagem é publicada por Eidgenössische Technische Hochschule Zürich e reproduzida por EcoDebate, 30-04-2021. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

As geleiras são um indicador sensível das mudanças climáticas – e podem ser facilmente observadas. Independentemente da altitude ou latitude, as geleiras têm derretido em alta velocidade desde meados do século XX. Até agora, no entanto, a extensão total da perda de gelo foi apenas parcialmente medida e compreendida.

Agora, uma equipe de pesquisa internacional liderada pela ETH Zurich e a Universidade de Toulouse é a autora de um estudo abrangente sobre o recuo global das geleiras, que foi publicado online na Nature em 28 de abril. Este é o primeiro estudo a incluir todas as geleiras do mundo – cerca de 220.000 no total – excluindo os mantos de gelo da Groenlândia e da Antártica. A resolução espacial e temporal do estudo não tem precedentes – e mostra como as geleiras perderam espessura e massa rapidamente nas últimas duas décadas.

 

Derretimento rápido: um riacho ruidoso de água do degelo conecta as geleiras Morteratsch e Pers (r.), Engadine, Suíça. Há alguns anos, as geleiras eram conectadas por gelo. (Foto: P. Rüegg / ETH Zurique)

 

Aumento do nível do mar e escassez de água

O que antes era gelo permanente diminuiu em volume em quase todos os lugares do globo. Entre 2000 e 2019, as geleiras do mundo perderam um total de 267 gigatoneladas (bilhões de toneladas) de gelo por ano em média – uma quantidade que poderia ter submergido toda a superfície da Suíça com menos de seis metros de água a cada ano. A perda de massa glacial também se acelerou fortemente durante este período. Entre 2000 e 2004, as geleiras perderam 227 gigatoneladas de gelo por ano, mas entre 2015 e 2019, a massa perdida foi de 298 gigatoneladas por ano. O derretimento glacial causou até 21 por cento do aumento observado no nível do mar durante este período – cerca de 0,74 milímetros por ano. Quase metade da elevação do nível do mar é atribuída à expansão térmica da água à medida que ela se aquece, com derretimento das camadas de gelo da Groenlândia e da Antártica e mudanças no armazenamento de água terrestre representando o terço restante.

Entre as geleiras que derretem mais rapidamente estão as do Alasca, da Islândia e dos Alpes. A situação também está afetando profundamente as geleiras das montanhas Pamir, Hindu Kush e Himalaia. “A situação no Himalaia é particularmente preocupante”, explica Romain Hugonnet, principal autor do estudo e pesquisador da ETH Zurich e da Universidade de Toulouse. “Durante a estação seca, o degelo glacial é uma fonte importante que alimenta grandes cursos de água, como os rios Ganges, Brahmaputra e Indus. No momento, esse aumento do degelo atua como uma proteção para as pessoas que vivem na região, mas se a redução das geleiras do Himalaia continuar se acelerando, países populosos como Índia e Bangladesh podem enfrentar escassez de água ou alimentos em algumas décadas.”Os resultados deste estudo podem melhorar os modelos hidrológicos e ser usados para fazer previsões mais precisas em escalas globais e locais – por exemplo, para estimar a quantidade de derretimento das geleiras do Himalaia que se pode antecipar nas próximas décadas.

Para sua surpresa, os pesquisadores também identificaram áreas onde as taxas de derretimento diminuíram entre 2000 e 2019, como na costa leste da Groenlândia e na Islândia e na Escandinávia. Eles atribuem esse padrão divergente a uma anomalia climática no Atlântico Norte que causou maior precipitação e temperaturas mais baixas entre 2010 e 2019, diminuindo assim a perda de gelo. Os pesquisadores também descobriram que o fenômeno conhecido como anomalia de Karakoram está desaparecendo. Antes de 2010, as geleiras na cordilheira Karakoram eram estáveis – e em alguns casos, até crescendo. No entanto, a análise dos pesquisadores revelou que as geleiras Karakoram também estão perdendo massa.

Estudo baseado em imagens de satélite

Como base para o estudo, a equipe de pesquisa usou imagens capturadas a bordo do satélite Terra da NASA, que orbita a Terra uma vez a cada 100 minutos desde 1999 a uma altitude de quase 700 quilômetros. Terra é o lar do ASTER, um gerador de imagens multiespectral com duas câmeras que gravam pares de imagens estéreo, permitindo aos pesquisadores criar modelos de elevação digital de alta resolução de todas as geleiras do mundo. A equipe usou o arquivo completo de imagens do ASTER para reconstruir uma série de tempo de elevação glacial, o que permitiu calcular as mudanças na espessura e na massa do gelo ao longo do tempo.

O autor principal Romain Hugonnet é doutorando na ETH Zurique e na Universidade de Toulouse. Ele trabalhou neste projeto por quase três anos e passou 18 meses analisando os dados do satélite. Para processar os dados, os pesquisadores usaram um supercomputador da University of Northern British Columbia. Suas descobertas serão incluídas no próximo Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que deve ser publicado ainda este ano. “Nossas descobertas são importantes em um nível político. O mundo realmente precisa agir agora para evitar o pior cenário de mudança climática ”, diz o coautor Daniel Farinotti, chefe do grupo de glaciologia da ETH Zurich e do Instituto Federal Suíço para Pesquisa de Florestas, Neve e Paisagem WSL.

 

Referência:

Hugonnet, R., McNabb, R., Berthier, E. et al. Accelerated global glacier mass loss in the early twenty-first century. Nature 592, 726–731 (2021). Disponível aqui.

 


Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Emergência Climática: Derretimento das geleiras globais está acelerando - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV