“Teremos números dramáticos de mortos. O vírus deve ser eliminado em todo o mundo”

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O novo rosto do clero: perfil dos “padres novos” no Brasil

    LER MAIS
  • Por que Bolsonaro ainda não caiu

    LER MAIS
  • Papa deve enviar Greta Thunberg para a COP26 em seu lugar

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Janeiro 2021

O infectologista especialista soa o alarme: "Cuidado com os contágios nos países pobres". “Vacinas e medicamentos contra o Sars-Cov-2 devem ser considerados bens comuns, porque vão salvar o mundo”.

Stefano Vella, 68, especialista em doenças infecciosas, professor de Saúde Global da Universidade Católica e ex-presidente da Agência Italiana de Medicamentos, é consultor da Unitaid da OMS, representante para a Itália no programa de pesquisa Horizon da Comissão Europeia e entre os assessores do próximo G20 “em que teremos que analisar o problema de como ajudar os países desfavorecidos a saírem da pandemia”.

A entrevista com Stefano Vella é editada por Francesco Rigatelli, publicada por La Stampa, 07-01-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis a entrevista.

Professor, como você vê a situação italiana e global?

O Institute for Health Metrics dos EUA faz projeções dramáticas para o mundo e para a Itália sobre contágios e mortes nos próximos meses. Não estamos absolutamente fora disso.

A pandemia será derrotada quando for derrotada em todo o mundo?

Certamente, e acima de tudo, devemos lembrar do terceiro mundo. Os números de cada país são importantes, mas sem esquecer que é uma pandemia global e o vírus não deve ficar à espreita em algum lugar e depois voltar.

Em primeiro lugar, é preciso admitir que a pandemia não parou, mas avança em ondas. Além de manter as medidas, que são economicamente desastrosas e precisam ser mais esclarecidas, devemos saber que só sairemos desta situação com vacinas para eliminar o vírus em todos os cantos do planeta. A saúde global é justamente isso e o próximo G20 será o lugar para abordar o assunto, até porque não é o primeiro nem o último vírus deste tipo num mundo cada vez mais populoso, densamente metropolitano e menos verde.

Depois da Pfizer ontem a Agência Europeia de Medicamentos - EMA aprovou a Moderna, serão suficientes?

Nesta fase, sim, é um resultado histórico das pesquisas e da aprovação dessas vacinas seguras e eficazes. Boas notícias, mesmo que o vírus mude de ‘tipo’ para uma de suas variantes.

O que a EMA espera com a AstraZeneca?

A autoridade europeia está fazendo todas as verificações necessárias, mas no final vai aprová-la.

Vai aprovar a versão de duas doses que cobre 62 por cento ou com meia dose e outra com 90%?

É difícil repetir todo o estudo para demonstrar a segunda hipótese, provavelmente vai aprovar a primeira versão reservando-se o direito de continuar os estudos sobre a segunda. Em todo caso, não fazem mal.

Por que já foi aprovado no Reino Unido e administrado as vacinas em dose única?

Estão em uma situação desesperadora e embora a segunda dose seja necessária para completar a proteção, estão tentando cobrir o maior número possível de pessoas com a primeira.

O atraso da AstraZeneca pesará na Itália?

Não, porque vai chegar em breve e há muitas outras vacinas. Além da Pfizer e da Moderna, a grande promessa é da Johnson & Johnson que funcionaria com uma dose. Depois, não esqueçamos as vacinas russas e chinesas, que têm um potencial enorme e também são exportadas para outros países. É bom ter produtos diferentes, para verificar a sua eficácia em campo e utilizá-los em todo o mundo. A EMA em breve aprovará como medicamentos os primeiros anticorpos monoclonais.

A vacinação deve ser obrigatória?

Não haverá necessidade porque, como foi o caso do HIV quando os medicamentos específicos chegaram e a mortalidade caiu, as pessoas vão perceber que a vacina vai deter a pandemia.

A campanha de vacinação está lenta?

Não vamos de zero a cem em uma semana, mas acho que em seis meses todos os maiores países vacinarão as pessoas que estão em risco e até o final do ano podemos pensar em toda a população e no terceiro mundo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Teremos números dramáticos de mortos. O vírus deve ser eliminado em todo o mundo” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV