Cúpula do Clima (COP26) foi adiada, mas as ações devem ser impulsionadas, dizem ativistas

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade. Artigo de Ladislau Dowbor

    LER MAIS
  • Segredo, confissão e abuso: Cardeal Federigo, o Inominado e Lúcia. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • “É preciso afastar Bolsonaro já para parar a matança”. Entrevista com Chico Whitaker

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Novembro 2020

Antes da erupção da pandemia do coronavírus no início deste ano, uma importante Cúpula do Clima das Nações Unidas – marcando o quinto aniversário da assinatura do Acordo de Paris sobre a redução das emissões de gás carbono – estava agendada para começar nesta semana em Glasgow, Escócia. Embora várias reuniões internas tenham ocorrido virtualmente, a Cúpula foi adiada para novembro de 2021.

A reportagem é de Barbara Fraser, publicada por National Catholic Reporter e EarthBeat, 13-11-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Isso criou uma espécie de “ano vazio” para os 197 países que assinaram o Acordo de Paris. Os Estados Unidos oficialmente saíram do pacto no dia 04 de novembro, no entanto o presidente eleito Joe Biden prometeu entrar novamente, assim que assumir o governo em janeiro.

Especialistas dizem que os países devem usar esse ano para dar um passo à frente nos esforços para reduzir as emissões de gás carbono para impedir que a temperatura da Terra aumente mais que 1,5 °C. E mesmo que a pandemia de covid-19 tenha jogado a economia global para o caos, ela também criou uma oportunidade para os países ajustarem um caminho para um futuro mais verde como plano da recuperação econômico.

A pandemia “representa um desafio para nós”, disse Cliona Sharkey, diretora de advocacy do Movimento Católico Global pelo Clima, ao EarthBeat. “Vamos mudar nossos métodos ou não? A ideia de que podemos consertar a emergência climática ajustando ou melhorando o que temos atualmente não é realista”.

Citando o papa Francisco, que relacionou a crise da covid-19 à crise climática, Sharkey acrescentou: “Se quisermos enfrentar as crises interligadas que enfrentamos, precisamos de uma economia regenerativa, uma recuperação regenerativa”.

O ano que antecedeu a remarcação da cúpula do clima – conhecida como a 26ª conferência das partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, ou COP26 – dá aos países a chance de dar passos mais fortes em direção a esse objetivo.

“Depende de nós, com este período adicional de tempo antes da COP 26”, disse Sharkey. “Essa é a questão-chave: sairemos pior ou sairemos melhor desta crise? Alinharemos os pacotes de resposta à covid-19 com ações mais ambiciosas em relação às mudanças climáticas?”.

Durante este “ano sabático”, os países não devem apenas tomar medidas para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa, acrescentou ela, mas também se concentrar em ajudar os países de baixa renda a se adaptarem aos impactos das mudanças climáticas e garantir a assistência financeira para que isso seja possível.

Impactos cada vez mais visíveis

A urgência da crise climática está se tornando cada vez mais evidente. Extremos climáticos recentes – incluindo seca em algumas partes da África e inundações em outras, o tufão Goni que atingiu as Filipinas e o furacão Eta e outras tempestades severas na América Central e no sul dos EUA – enfatizaram a urgência de alvos mais ambiciosos.

“Estamos sentindo os efeitos [do aquecimento global] e as coisas pareciam estar em um ritmo muito mais rápido do que os cientistas previam”, disse Lori Pearson, consultora técnica e política sênior para segurança alimentar e emergência climática da Catholic Relief Services.

Os países deveriam gastar este ano aumentando o que os negociadores do clima chamam de sua “ambição” – o valor pelo qual se comprometem a reduzir as emissões – “para realmente chegar ao 1,5 °C [limite] e mais rapidamente”, disse Pearson.

“Precisamos de mecanismos para ajudar o mundo em desenvolvimento a avançar em suas ambições”, acrescentou ela. “E então a ação, para fazer isso acontecer”.

A Cúpula do Clima do ano passado, que pretendia lançar compromissos mais ambiciosos, ficou aquém das expectativas, tornando a reunião deste ano – agora adiada – ainda mais importante.

No dia 9 de novembro, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, alertou, em nota, que com os compromissos assumidos até agora – conhecidos como Contribuições Nacionais Determinadas, ou NDCs – a temperatura global, que já subiu em média 1 °C desde a Revolução Industrial, poderia aumentar em mais dois graus até o final do século. Aproximadamente um décimo do planeta já ultrapassou 2 °C de aquecimento, de acordo com uma análise do The Washington Post.

De acordo com um relatório dos maiores cientistas do clima do mundo, manter o aumento em não mais de 1,5 °C até o final deste século exigiria zerar as emissões líquidas – o que significa que todas as novas emissões geradas por atividades humanas são removidas da atmosfera – em meados deste século.

“Isso significa que, na verdade, nos próximos 10 anos, todas as emissões devem cair no mínimo pela metade”, disse à EarthBeat Lydia Machaka, oficial de energia e justiça climática da CIDSE, um grupo internacional de organizações católicas de justiça social.

A União Europeia, o Japão e a Coreia do Sul estão entre os países que se comprometeram a atingir emissões líquidas zero até 2050. A China disse que faria o mesmo antes de 2060. Mas, para garantir que alcancem essa meta, devem ser mais rigorosos metas para esta década.

“É muito mais fácil para os tomadores de decisão falarem sobre 2050 do que é 2030 porque 2030 significa o mandato político em que estão e o que está por vir”, disse Sharkey. “E esse é o prazo para entregar reduções significativas. Precisamos ver ações significativas em todas as frentes até 2030”.

Aproveitando a recuperação da covid-19

Machaka vê possibilidades de progresso à medida que os países planejam sua recuperação da crise econômica causada pela pandemia.

“A covid realmente representa uma nova chance, porque as coisas ficaram mais lentas”, disse ela. “Existem oportunidades, quando recomeçamos, para recomeçar de uma forma mais verde”.

David Waskow, diretor da iniciativa climática internacional do World Resources Institute, sem fins lucrativos, com sede em Washington, vê possibilidades em várias frentes, incluindo energia renovável, que está “galopando à frente em muitos lugares”, e eletrificação de veículos.

A União Europeia já delineou um Green Deal Europeu de redução de carbono, que se concentra na criação de uma economia circular limpa, reduzindo a poluição e restaurando a biodiversidade, bem como fornecendo assistência técnica e financeira a outros países.

Nos EUA, a maior ênfase do governo Trump nos combustíveis fósseis e a retirada do Acordo de Paris colocaram os EUA, historicamente o maior emissor mundial de gases de efeito estufa, em descompasso com outros países ricos.

Biden, no entanto, já sinalizou que fará da crise climática uma prioridade, devolvendo o país ao Acordo de Paris assim que começar o governo e implementando um plano de recuperação que prevê uma economia de energia limpa e geradora de empregos, resultando em emissões líquidas zero de 2050.

A tarefa será mais difícil para os países de média e baixa renda, disse Waskow. Eles precisarão de mais assistência, incluindo alívio da dívida, se quiserem tornar suas economias mais verdes à medida que se recuperarem.

Antes da pandemia, o crescimento econômico de muitos países de renda média significava que suas emissões aumentavam em um ritmo mais rápido do que nas nações mais ricas. No entanto, esses países ainda representam um pequeno percentual das emissões, em comparação com gigantes como EUA, China e Índia.

E os países industrializados têm a obrigação – uma “dívida ecológica”, como Francisco a chamou – de ajudar esses países a cumprir as metas do Acordo de Paris, disse Sharkey.

“Equidade é fundamental”, disse ela. “Estamos todos na mesma tempestade, mas não estamos no mesmo barco e os barcos não são iguais”.

O financiamento é insuficiente

Sob o Acordo de Paris, os países mais ricos se comprometeram a ajudar as nações de baixa renda com contribuições para o Fundo Verde para o Clima. O total deveria chegar a 100 bilhões de dólares por ano em 2020, mas ficou muito aquém, especialmente depois que Trump renegou 2 bilhões de dólares da promessa de 3 bilhões dos EUA.

Muitas das promessas não eram contribuições adicionais, mas fundos que as nações mais ricas teriam fornecido de qualquer maneira como ajuda ao desenvolvimento, disse Sharkey. Outros eram empréstimos, em vez de doações, que aumentaram o fardo da dívida das nações de baixa renda.

Dos 54,5 bilhões e dólares em financiamento público para o clima de nações mais ricas para países de baixa renda entre 2013 e 2017, cerca de 40 bilhões de dólares foram em empréstimos e menos de 13 bilhões de dólares em doações definitivas, de acordo com um relatório de outubro de 2020 do Fundo Verde para o Clima.

O financiamento é fundamental para ajudar os países de baixa renda a obter acesso à tecnologia, como energia solar ou eólica, que tem altos custos iniciais, mas que resultará em economia a longo prazo, disse Waskow. Também é crucial para ajudar os países de baixa renda a lidar com os impactos que já estão experimentando.

“Em todo o mundo, as pessoas [ainda] experimentam desastres climáticos”, disse Machaka. “Muitas vezes vimos países falando em reduzir as emissões, mas esquecendo-se da adaptação”.

Embora isso assuma formas diferentes em lugares diferentes, dependendo dos impactos, duas áreas críticas ao redor do mundo são alimentos e água, especialmente porque o aumento das temperaturas e as secas ameaçam a produção agrícola e o abastecimento de água, disse Waskow.

A adaptação requer não apenas assistência aos agricultores, para ajudá-los a se ajustar às mudanças nas condições, mas também sistemas de informação para prever e rastrear os efeitos desses impactos conforme eles se propagam das áreas rurais para as cidades, disse ele.

Indivíduos, comunidades, nações devem agir

Embora as Cúpulas do Clima das Nações Unidas concentrem-se principalmente nas ações dos países e financiadores, os indivíduos e as comunidades desempenham um papel fundamental na abordagem da crise climática, disse Sharkey.

Para os indivíduos, “as novas perspectivas da fé e católica, que incluem a reconexão com a criação, reconectando com o Criador, e com a gratidão, um entendimento do nosso lugar na Criação”, disse ela.

Comunidades e paróquias podem agir em áreas para redução da emissão, aumentando a eficiência energética, cortando o gasto e conservando a água, afirmou. Nos EUA, as dioceses e paróquias estão fazendo auditorias de energia, trocando para a energia solar e trabalhando para reduzir o desperdício.

“Mas, como um defensor, algo que sempre digo quando as pessoas me fazem essa pergunta é [que] a coisa mais importante que você pode fazer é levantar a voz”, para insistir que os políticos em nível local, regional e nacional “ajam em linha com a melhor ciência”, disse Sharkey. “Que grande coisa será se, com este ano sabático, vermos um grande aumento e as pessoas ligarem desde o nível local até o nacional por mais ação”.

Em última análise, diz Machaka, oficial de justiça climática da CIDSE, deter o aumento perigoso das temperaturas globais e ajudar os países a resistir aos efeitos, de enchentes e secas ao aumento do nível do mar, é uma tarefa para todos.

“A emergência climática é algo que não deve ser politizado”, disse ela. “Trata-se de preservar a vida neste planeta. E é isso que deve orientar nossa ação, não a política”.

Em sua nova encíclica, Fratteli Tutti, Francisco “está chamando não a focar no que nos divide, mas a focar realmente no bem comum, que é ter um planeta saudável e desfrutar de todos os dons, ter acesso a todos os direitos humanos”, Machaka adicionado. “Continuaremos a luta, nossa luta comum, por um futuro climático justo e equitativo. E continuaremos tomando medidas para garantir que aqueles que sofrem com o impacto do clima sejam ouvidos”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cúpula do Clima (COP26) foi adiada, mas as ações devem ser impulsionadas, dizem ativistas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV