A "virada histórica" do Papa nas uniões civis é apenas o ponto de partida

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco ataca o 'desejo de poder', a 'rigidez disciplinar' e a 'deslealdade' nas associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades

    LER MAIS
  • Vacinas, o grande golpe da Big Pharma

    LER MAIS
  • A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Outubro 2020

"Uma posição importante, sem dúvida, para os católicos LGBT, que sofrem com a dilacerante cisão da dupla pertença, e também para as comunidades LGBT perseguidas naqueles países - como a Polônia - onde as autoridades católicas apoiam sua repressão. No entanto, não se pode ignorar as contradições apresentadas por Bergoglio nos últimos anos, que chegou a comparar a suposta ideologia de gênero ao nazismo e ao fascismo", escreve Jonathan Bazzi, em artigo publicado por Domani, 22-10-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o comentário.

Na quarta-feira no Rome Film Fest, foi exibido o documentário de Evgeny Afineevsky em que o Papa Francisco fala a favor das uniões homossexuais. Nessas horas, há quem comemora e quem minimiza.

Ponto de virada histórico? Saída tardia?

Não se pode negar a importância da postura do pontífice, embora se trate de frases descontextualizadas e gravadas há um ano, em espanhol, um discurso, enfim, com coordenadas não inteiramente claras. Uma posição importante, sem dúvida, para os católicos LGBT, que sofrem com a dilacerante cisão da dupla pertença, e também para as comunidades LGBT perseguidas naqueles países - como a Polônia - onde as autoridades católicas apoiam sua repressão.

No entanto, não se pode ignorar as contradições apresentadas por Bergoglio nos últimos anos, que chegou a comparar a suposta ideologia de gênero ao nazismo e ao fascismo, ou quando falou da necessidade de recorrer à psiquiatria para crianças que manifestam tendências homossexuais.

A partir de agora, portanto, abre-se um espaço no qual, para que a situação possa mudar, devem haver atos mais concretos e posições mais coerentes, um espaço em que se possa assistir a uma verdadeira transformação dos valores que inspiram o mundo católico e de sua influência sobre a política e sobre a sociedade civil.

A comunidade LGBT colhe esse resultado positivo, mas permanece no limiar, alerta, na consciência de que a partir de hoje o fundamentalismo católico não pode deixar de levar em consideração essas palavras de Bergoglio, mas o trabalho a ser feito, por quem se preocupa com a igualdade e os direitos civis, ainda é muito.

Leia mais 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A "virada histórica" do Papa nas uniões civis é apenas o ponto de partida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV