“Uma carta aberta ao papa Francisco”, por José María Castillo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco e as uniões homossexuais

    LER MAIS
  • “A dignidade é a resposta popular ao cinismo aberto dos que estão no poder”. Entrevista com Slavoj Žižek

    LER MAIS
  • Dom Paulo Cezar Costa, novo Arcebispo de Brasília. Nota da Comissão Justiça e Paz de Brasília

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Setembro 2020

“A Igreja em saída é a Igreja que deixa de viver bloqueada pelos ritos e normativas dos séculos passados”, escreve José María Castillo, teólogo espanhol, em carta aberta ao papa Francisco, publicada por Religión Digital, 23-09-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Eis a carta.

Granada, 22 de setembro de 2020.

Estimado padre Jorge Mario, bispo de Roma, papa Francisco,

Há mais de dois anos sinto o desejo intenso de lhe escrever, para lhe expressar minha gratidão pelo bem que está fazendo ao mundo e à Igreja. Queria enviar esta carta em privado, mas vejo que não é seguro que uma carta assim chegue ao Papa.

Meu desejo, ao escrever esta carta, é destacar e insistir que o centro e o eixo da Igreja não é a religião cristã e a fiel observância de seus ritos e suas normas. O centro e o eixo da Igreja é o Evangelho de Jesus. Segundo apresentam os evangelhos que acabo de indicar, a Religião e o Evangelho são incompatíveis. Por isso os dirigentes da religião condenaram e mataram Jesus.

A submissão às observâncias religiosas tranquiliza as consciências. Por isso, nossa experiência religiosa já não é de fiar. A vontade de Jesus ficou resumida nos três mandatos que o próprio Jesus nos deixou na última ceia. Não somente em um mandato, o da eucaristia, mas em três:

1º) Lavar os pés dos demais, isso é, viver servindo como escravos;

2º) Compartilhar o pão e o vinho, onde Jesus faz-se presente em nossas vidas;

3º) Aceitar e viver o “novo mandamento”, no qual a “novidade” está em que Jesus já não fala de amor a Deus e ao “próximo”, mas somente do “amor mútuo”.

Nisto está o distintivo que define e caracteriza o cristão. E por isto mesmo, no juízo final, que anuncia Jesus em Mateus 25, tampouco se menciona Deus “que fizestes a um destes, terás feito a mim”.

A “Igreja em saída” é a Igreja que deixa de viver bloqueada por ritos e normativas de séculos passados. É a Igreja que vive para humanizar este mundo tão desumanizado e sobrecarregado de desprezo pelos mais fracos.

A partir deste projeto, o Espírito do Senhor nos levará à verdade plena, vivendo unidos ao Bispo de Roma, cabeça do Episcopado segundo a sucessão apostólica.

Cordialmente unidos e sob a proteção da Virgem,

José María Castillo

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Uma carta aberta ao papa Francisco”, por José María Castillo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV