Bispos alemães desafiam a recusa do Vaticano de intercomunhão com os protestantes

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • “A eleição de uma mulher negra parecia um muro intransponível”. Primeira mulher negra eleita vereadora em Curitiba fala sobre o racismo na cidade

    LER MAIS
  • Apreensão, sensibilidade e propósito: a policrise e o mundo porvir

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Setembro 2020

Os bispos alemães continuam desafiando o Vaticano depois da recusa de uma proposta de intercomunhão católica com os protestantes.

A reportagem é de Cameron Doody, publicada por Novena News, 23-09-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

O veto do Vaticano não foi “um tapa na cara”: algumas críticas estão “errando o alvo”

Algumas das críticas da Congregação para a Doutrina da Fé (CDF) sobre a proposta de hospitalidade eucarística compartilhada são apropriadas, enquanto outras “estão longe do alvo”, disse o presidente dos bispos alemães, dom Georg Bätzing, na terça-feira, 22 de setembro, no início da Assembleia Geral dos Bispos Alemães, em Fulda.

Bätzing, o bispo de Limburg, admitiu que conhece alguns na Igreja que veem o ‘não’ de Roma à intercomunhão como um “tapa na cara”, não apenas dos bispos alemães em geral, mas também para ele pessoalmente, como presidente da Conferência Episcopal e como presidente co-episcopal do Grupo de Estudo Ecumênico de Teólogos Protestantes e Católicos (ÖAK) que elaborou a proposta de intercomunhão, “Juntos na Mesa do Senhor”.

No entanto, Bätzing disse que não vê o veto do Vaticano dessa forma.

Em vez disso, ele disse que o documento da Grupo Ecumênico de setembro de 2019 – que defendia a “hospitalidade eucarística recíproca” entre católicos e protestantes – fazia parte de uma discussão ecumênica mais ampla.

O bispo disse que, em primeiro lugar, cabia ao Grupo responder às preocupações do Vaticano e que, da mesma forma, os bispos alemães estudariam o documento romano em suas discussões na assembleia que ocorrerão até quinta-feira.

No entanto, apesar de reconhecer as “pesadas” objeções do Vaticano à proposta compartilhada de hospitalidade eucarística, Bätzing disse que não via razão para revisar o plano para colocar a proposta em prática no Dia da Igreja Ecumênica da Alemanha, em 2021 em Frankfurt.

Cardeal Koch: “Os bispos não podem classificar a proposta do grupo de trabalho em uma posição superior à carta do CDF”

No domingo, o prefeito para a Doutrina da Fé, o cardeal Luis Ladaria, e o secretário Giacomo Morandi escreveram uma carta de 57 páginas aos bispos alemães expondo uma série de objeções teológicas à proposta de intercomunhão.

A CDF advertiu que “a questão da unidade da Eucaristia e da Igreja, na qual a Eucaristia pressupõe e realiza a unidade com a comunhão da Igreja e sua fé com o Papa e os bispos, é subestimada” no documento.

As autoridades do Vaticano também sinalizaram que “as diferenças doutrinárias” entre católicos e protestantes “ainda são tão importantes que atualmente excluem a participação recíproca na Ceia do Senhor e na Eucaristia”.

“O documento não pode, portanto, servir de guia para uma decisão individual de consciência sobre a abordagem da Eucaristia”, escreveram Ladaria e Morandi, advertindo também que “uma abertura da Igreja Católica à comunhão da ceia eucarística [com os protestantes]… abriria necessariamente novas lacunas no diálogo ecumênico com as Igrejas ortodoxas, não só na Alemanha”.

Antes do encontro dos bispos alemães em Fulda, o presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, o cardeal Kurt Koch, advertiu os bispos alemães para prosseguirem sozinhos, como Igreja nacional, na questão da comunhão compartilhada após a carta da CDF.

“Se os bispos alemães classificassem tal carta da Congregação para a Doutrina da Fé menos do que um documento de um grupo de trabalho ecumênico, então algo estaria errado na hierarquia de critérios entre os bispos”, advertiu Koch.

O cardeal – que esteve envolvido na redação da carta da CDF – disse que o corpo doutrinário do Vaticano enviou a missiva para coincidir com a assembleia plenária dos bispos alemães, para lembrar ao episcopado do país que não tinham autoridade para decidir por si sobre assuntos tão importantes da Igreja universal, como é a Eucaristia compartilhada.

Teólogo defende o progresso ecumênico

Por sua vez, a teóloga Dorothea Sattler – coautora do documento do Grupo Ecumênico ÖAK e chefe do Instituto Ecumênico da Faculdade de Teologia Católica da Universidade de Münster – defendeu a proposta de intercomunhão e rejeitou a acusação da CDF de que o grupo havia separado Cristo da Igreja.

Com relação ao ecumenismo “não podemos começar tudo de novo todas as vezes; já existem tantos estudos que não são reconhecidos”, acrescentou Sattler, sublinhando o fato à luz das objeções do Vaticano “certamente estamos prontos para examinar nosso artigo teologicamente e desenvolvê-lo mais, mas apenas se houver pelo menos a perspectiva que algo vai mudar na prática”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispos alemães desafiam a recusa do Vaticano de intercomunhão com os protestantes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV