Moçambique – Conflito de Cabo Delgado: os excessos militares correm o risco de comprometer o apoio da população local

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Santa Teresa de Jesus: inquieta, andarilha, desobediente e muito mais...

    LER MAIS
  • COP26. Kerry reduz as expectativas sobre a cúpula de Glasgow: “Rumo a compromissos ainda insuficientes para alcançar…”

    LER MAIS
  • Diocese Anglicana no Paraná sagrará bispa coadjutora em Curitiba

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Agosto 2020

Chefes de Estado e de Governo da África Austral comprometeram-se a apoiar Moçambique no combate ao "terrorismo e ataques violentos", porém sem especificar como pretendem proceder. É o que afirma um comunicado publicado no final da Cúpula da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), realizada em 17 de agosto.

As forças armadas moçambicanas tentam reconquistar o porto de Mocímboa da Praia depois de um grupo de homens armados da "Província Centro-Africana do Estado Islâmico" (Iscap) ter assumido o seu controlo a 12 de agosto. Na província de Cabo Delgado, a violência dos rebeldes causou mais de 1.000 mortes e deixou 250.000 deslocados desde outubro de 2017.

A reportagem é publicada por Agência Fides, 18-08-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Uma das vozes que mais tem se manifestado na defesa da causa dos habitantes de Cabo Delgado é a de D. Luiz Fernando Lisboa, bispo de Pemba, de nacionalidade brasileira.


Mapa da África Austral com destaque a Moçambique. Fonte: Wikicommons

O Presidente Filipe Nyusi em Pemba na sexta-feira, 14 de agosto, acusou “aqueles moçambicanos que, bem protegidos, não se preocupam com o sofrimento de quem os protege – incluindo alguns estrangeiros que escolhem livremente viver em Moçambique mas que, em nome dos direitos humanos, não respeitam o sacrifício de quem mantém esta jovem pátria de pé e protegem a sua permanência em Cabo Delgado e em Moçambique em geral”. Segundo vários comentaristas, o presidente Nyusi se referia justamente ao bispo brasileiro.

Fontes da Igreja local relatam que o bispo Lisboa denunciou os excessos das forças armadas na repressão dos jihadistas, muitas vezes envolvendo civis inocentes, mas isso não significa que ele ignore as atrocidades cometidas pelos rebeldes. O bispo, porém, expressa a preocupação de que os abusos cometidos pelas Forças Armadas estejam criando recrutas para os insurgentes, alienando o apoio da população local. A repressão violenta por si só não é suficiente para acabar com a insurreição, mas é necessário compreender as necessidades das populações de uma área muitas vezes ignorada pelas autoridades centrais, ressaltam vários especialistas independentes do conflito.

 


A Pastoral da Comunicação da Diocese de Pemba promoveu dia 19/08 um encontro com a imprensa. Dom Luiz falou do telefonema que recebeu do Papa Francisco e respondeu às perguntas dos jornalistas. 

 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Moçambique – Conflito de Cabo Delgado: os excessos militares correm o risco de comprometer o apoio da população local - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV