Ken Loach desnuda os sentidos do trabalho

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Discernimentos depois da Primeira Assembleia Eclesial. Artigo de Paulo Suess

    LER MAIS
  • Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

    LER MAIS
  • Formação e espiritualidade do Ministro Extraordinário da Eucaristia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Março 2020

Em Você não estava aqui, a nova provocação de um cineasta rebelde. De um lado, Rick sonha ser próprio patrão – mas é superexplorado e tem vida familiar estilhaçada. De outro, Abby, sua esposa, mostra que trabalho pode ser digno e enriquecedor.

A crítica é de José Geraldo Couto, publicada por Blog de Cinema e reproduzida por Outras Palavras, 27-02-2020.

O veterano Ken Loach sempre foi um cineasta empenhado em examinar os efeitos da mecânica social sobre os indivíduos, bem como as reações de cada um deles dentro de sua escassa margem de manobra. Se na tragédia grega a vontade dos deuses restringia o livre-arbítrio dos homens, nos dramas de Loach essa restrição vem da estrutura da sociedade. É, em suma, um humanista de esquerda, mais precisamente marxista, que constrói suas narrativas críticas dentro dos marcos do drama realista. 

Nome: Você não estava aqui
Nome Original: Sorry we missed you
Cor filmagem: Colorida
Origem: Inglaterra
Ano de produção: 2019
Gênero: Drama
Duração: 100 min
Classificação: 12 anos
Direção: Ken Loach
Elenco: Kris Hitchen, Debbie Honeywood, Rhys Stone

Mais que uma estética, é um método. Em Você não estava aqui, novo filme do diretor, esse método atinge um alto grau de depuração e precisão. Acompanhamos passo a passo o calvário pessoal de um trabalhador de NewcastleInglaterra, e, ao mesmo tempo, o desvendamento de uma ideologia (a do empreendedorismo neoliberal), sem que o peso de um dos termos da equação esmague o outro.

O trabalhador em questão é Ricky Turner (Kris Hitchen) e a primeira coisa que nos chega dele é sua voz: ainda sobre a tela escura, ouvimos o resumo que ele expõe da sua vida profissional, em que fez de tudo um pouco, da escavação de poços à carpintaria, da alvenaria à jardinagem, antes de dizer que agora quer trabalhar por conta própria, “ser o próprio patrão”. Trata-se de uma entrevista, e a primeira imagem que vemos é a de seu interlocutor, um homem que o contrata para ser, em resumo, um entregador franqueado de mercadorias.

Perdedores e guerreiros

“Vejo que você é um guerreiro”, diz o homem, “e o mundo está dividido entre perdedores e guerreiros. Aqui você não trabalha para a gente, mas junto com a gente. Não bate cartão, não tem metas a cumprir, faz seu próprio horário”. Ricky, que rechaçou com orgulho o seguro-desemprego a que teria direito, aceita empolgado as condições. “Estou esperando há décadas uma oportunidade assim”, declara.

O restante do filme dedica-se a desmontar pacientemente esse discurso e esse entusiasmo. Por meio de um mergulho na família de Ricky – a esposa cuidadora de idosos, o filho adolescente que vive criando encrenca na escola, a filha pequena que se ressente cada vez mais da ausência dos pais – somos levados a presenciar os estilhaços desse processo na vida de cada um e na convivência familiar.

Há talvez um excesso de ênfase em alguns momentos, um certo didatismo ostensivo aqui e ali. Por exemplo: numa conversa logo no início, um colega mais experiente entrega uma garrafa de água vazia a Ricky, para ser usada numa emergência urinária, e fala sobre o perigo de dormir na direção. Algumas cenas adiante, tanto a garrafa como o cochilo na direção terão um papel importante na história. Ricky, afinal, trabalha dezesseis horas por dia, tem pouco tempo para dormir, e menos ainda para urinar. Mas a intenção político-pedagógica não chega a comprometer o frescor e a fluência da narrativa.

São talvez os personagens “secundários” que impedem Você não estava aqui de ser apenas um libelo contra o neoliberalismo, ou melhor, que humanizam e enriquecem esse libelo. Quando o interesse de Loach pelas pessoas o leva a examinar a sociedade – e não o contrário – é quando seu cinema se torna mais efetivo e contundente.

Subversão das regras

Na personagem de Abby (Debbie Honeywood), a mulher de Ricky, redescobrimos que o trabalho não precisa se resumir a sua dimensão monetária, de custo-benefício, mas pode também ser algo dignificante, significativo e enriquecedor, um campo em que, por meio de suas ações, o indivíduo comunga com o outro e com a humanidade toda. Esse sentido elevado do labor humano – que dá vida ao clichê “o trabalho enobrece o homem” – é resgatado lindamente na trajetória de Abby de casa em casa.

O filho adolescente Sebastian (Rhys Stone), por sua vez, indica uma potência para a criatividade e o prazer sufocada pelas expectativas castradoras de uma sociedade “de resultados”. Por fim, a pequena Liza (Katie Proctor) não é apenas a criança-vítima que volta a urinar na cama quando a situação fica tensa, mas também a força de candura e invenção que, ao acompanhar o pai no trabalho uma única vez, muda radicalmente o astral e ameaça implodir todo o sistema de exploração.

Uma das cenas mais felizes – em todos os sentidos – é aquela em que, subvertendo todas as regras, a família toda vai levar a mãe, na van do pai, para atender a uma emergência na casa de uma idosa. Ali se juntam prazer, arte (a música compartilhada), afeto, solidariedade – e trabalho – de um modo que até então parecia impossível.

É para essa utopia a um só tempo modesta e grandiosa que esse cineasta de 83 anos parece apontar com seu renitente humanismo.

 

Assista ao trailer de Você não estava aqui abaixo:

 

Nota de IHU On-Line:

Instituto Humanitas Unisinos – IHU promove o XIX Simpósio Internacional IHU. Homo Digitalis. A escalada da algoritmização da vida, a ser realizado nos dias 19 a 21 de outubro de 2020, no Campus Unisinos Porto Alegre.

XIX Simpósio Internacional IHU. Homo Digitalis. A escalada da algoritmização da vida.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ken Loach desnuda os sentidos do trabalho - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV