“Eventos climáticos considerados excepcionais já são a nova normalidade”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desmonte do SUS: decreto anuncia privatização da atenção básica em retrocesso histórico

    LER MAIS
  • CNBB convida brasileiros a plantarem uma árvore no Dia de Finados em memória dos que se foram

    LER MAIS
  • O Papa, os Gays e o Ídolo da Doutrina Imutável

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Fevereiro 2020

Como já ocorre em quase todos os verões, chuvas torrenciais causam tragédias sociais em diferentes locais do país. Neste ano, destacaram-se as chuvas em Minas Gerais em janeiro e, em São Paulo, a tempestade de 10 de fevereiro, que paralisou a cidade e suas atividades por completo. De acordo com a Coalizão pelo Clima, coletivo ambientalista que concedeu entrevista ao Correio, não dá mais pra aceitar o discurso oficial da excepcionalidade das chuvas. Trata-se, em resumo, da nova normalidade climática.

“Nossos governantes, da esfera municipal a federal, continuam dizendo que são eventos inesperados ou citando uma ou duas ações como suficientes para acabar com as enchentes. Duvidamos sempre de soluções simples. Esse é um problema global, diversas cidades do mundo inteiro estão passando pelos mesmos problemas”.

Nesse sentido, apesar de apontarem falhas administrativas de governos, a Coalizão critica o comportamento irresponsável do governo brasileiro no plano internacional e reforça a tese de que tais eventos climáticos punirão de forma mais severa as parcelas mais pobres da população.

“Nós sabemos que a população negra e periférica é muito mais afetada que as classes altas em enchentes, secas e falta d'água, calor extremo, etc. Isso porque as classes altas têm acesso à moradia, saúde e saneamento que nem todas as comunidades possuem. É muito claro que algumas regiões, dentro do Brasil e de cidades, sofrerão mais que outras”.

A reportagem é de Gabriel Brito, publicada por Correio da Cidadania, 20-02-2020.

Eis a entrevista.

Como compreender a atual época de chuvas no Brasil à luz do trabalho que a Coalizão produz? Estaria acima da média e por quê?

Com as mudanças climáticas, temos que fazer a análise de que esse é o nosso novo clima, ou o novo estado normal. Eventos extremos vão acontecer cada vez mais no nosso dia a dia. E as enchentes, principalmente urbanas, são uma das faces dos efeitos das mudanças climáticas. Nós, da Coalizão pelo Clima, estamos em contato direto com as pessoas que mais sofrem os impactos: o povo. Enxergamos que o nosso trabalho de informar e encontrar formas de resistir às mudanças climáticas é essencial para nossa sobrevivência.

O descalabro vivido em São Paulo em apenas um dia de chuvas se deve a quais motivos?

Vários, que vão desde o nível mundial de incapacidade de governos e grandes empresas de implementar ações de redução de emissões de gases de efeito estufa durante décadas, até o municipal, de falta de planejamento urbano que seja inclusivo tanto para pessoas como a Natureza.

Nossas cidades são impermeáveis, nossos rios canalizados, nossas matas devastadas. Com isso tudo, mais a intensificação do aquecimento global, não dá para dizer que foi inesperado, como nossos governantes continuam dizendo.

 Como analisa o discurso oficial perante os acontecimentos?

Nossos governantes, da esfera municipal a federal, continuam dizendo que são eventos inesperados ou citando uma ou duas ações como suficientes para acabar com as enchentes. Duvidamos sempre de soluções simples. Esse é um problema global, diversas cidades do mundo inteiro estão passando pelos mesmos problemas. Como dissemos antes, não dá mais para aceitar esse discurso.

Em linhas gerais, o Brasil, em suas diferentes regiões, tem condições de enfrentar de forma razoável a intensificação de quaisquer eventos climáticos, sejam chuvas, secas, ondas de frio etc.?

Enquanto os governos não assumirem a importância dos efeitos das mudanças climáticas isso fica difícil de acontecer. Trabalhamos com um conceito de racismo ambiental que acredito ser importante de ser comentado aqui, pois significa que as mudanças climáticas afetam a população de formas diferentes.

Nós sabemos que a população negra e periférica é muito mais afetada que as classes altas em enchentes, secas e falta d'água, calor extremo etc. Isso porque as classes altas têm acesso à moradia, saúde e saneamento que nem todas as comunidades possuem. É muito claro que algumas regiões, dentro do Brasil e de cidades, sofrerão mais que outras.

O que dizer da postura internacional do país nas discussões climáticas neste momento?

Irresponsável. Tivemos a COP 25 em dezembro que foi um fracasso do ponto de vista de andamento das ações planejadas em 2015. Temos diversos governos no mundo que abertamente negam o aquecimento global, dentre eles o Brasil com o próprio Bolsonaro e Ernesto Araújo, sem falar da atuação lamentável de Ricardo Salles.

É uma irresponsabilidade imensa desprezar a importância da nossa maior floresta e o quanto está sendo desmatada (o desmatamento é um dos causadores do aquecimento global), e também desconsiderar os nossos povos originários como pessoas centrais para a luta da manutenção da nossa biodiversidade e história.

É uma necessidade “para ontem” entendermos que as mudanças climáticas existem e que os impactos ficarão mais evidentes a cada dia. É real e precisamos agir.

Que tipo de agenda política deveria ser aplicada para evitar as diversas tragédias que acometem a população nesse contexto?

Inicialmente, existem acordos mundiais que infelizmente não estão sendo seguidos, como o Acordo de Paris. É urgentíssima a necessidade de se comprometer globalmente. No nível municipal, temos planos de ação climática que estão sendo elaborados por mais de 90 cidades no mundo que integram o grupo C40. A prefeitura de São Paulo está elaborando um agora mesmo, que deve ser lançado em junho deste ano.

Infelizmente, essa construção não está sendo amplamente divulgada, pois toda a sociedade civil deveria estar envolvida nesse processo. Para se ter uma ideia, as únicas reuniões onde esse plano é abordado publicamente acontecem uma vez por mês na UMAPAZ, no Parque Ibirapuera, organizadas pelo chamado Comitê do Clima, mas não se entra em detalhes.

É importante encontrar maneiras de trazer as discussões para as comunidades e engajá-las nesse processo.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Eventos climáticos considerados excepcionais já são a nova normalidade” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV