O amor segundo Roberto Benigni

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Reitor da Unisinos rejeita medalha oferecida pelo Itamaraty

    LER MAIS
  • A Bíblia como vocês nunca leram

    LER MAIS
  • Carta dos epidemiologistas à população brasileira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Fevereiro 2020

Um hino ao amor. Benigni capta a atenção do Festival de Sanremo com a sua fabulação poética, com a sua energia única, com um monólogo apenas para ser ouvido, com uma mensagem universal: “O amor é o infinito posto ao alcance de cada um de nós. Não existe vida humana que, pelo menos por um momento, não tenha sido imortal, e todos vocês sabem disso. O milagre do amor diz respeito a todos os casais que se amam: homem e mulher, mulher e mulher, homem e homem”.

O comentário é de Renato Franco, publicado em Corriere della Sera, 07-02-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

É o Cântico dos Cânticos, o trecho da Bíblia que o comediante e prêmio Oscar quis levar para o Festival porque “é a canção mais bela que jamais foi escrita na história da humanidade, cada palavra é um diamante, é um dom que nos vem de 2.400 anos atrás, um presente de extrema beleza. É uma canção que fala de amor físico, de dois jovens que se amam, ardentes, sinuosos, voluptuosos, eróticos”.

Benigni conta, às vezes com emoção, a gênese desse canto: “Deve ter havido um momento de distração, porque na Bíblia, em certo ponto, fala-se de corpos nus e trêmulos, de erotismo e beijos. Palavras que embaraçavam e que precisavam ser justificadas: dizia-se que o autor era Salomão ou que o texto subentendia interpretações metafóricas. ‘Ele passa toda a noite entre os seios dela’: explicavam que se tratava apenas de símbolos, defendiam que ele era Deus, e que ela era a Igreja, e os seus seios, as suas cúpulas. Tudo para manter oculta a mensagem de amor poderoso que esse cântico trazia consigo. É um poema dedicado à feminilidade, tanto que muitos comentaristas de autoridade pensaram que o autor ou, melhor, a autora é uma mulher. O amor físico era considerado um pecado, mas aqui a Bíblia exaltava precisamente o amor carnal”.

Em tanta poesia, Benigni também consegue encontrar a ironia: “Nós que tivemos como destino essa grandiosa piada de estar no mundo, agora sabemos o porquê. Por amor. E sempre fazemos pouco


amor; até mesmo os jovens falam muito dele, mas fazem pouco. Eu defenderia que se fizesse mais, até hoje à noite no hotel Ariston, ao vivo: todo mundo fazendo amor, dirigidos por Beppe Vessicchio, e como for, será. Seria uma noite belíssima”. [...]

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O amor segundo Roberto Benigni - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV