México: "Violência contra a última caravana de migrantes", denuncia um sacerdote

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade. Artigo de Ladislau Dowbor

    LER MAIS
  • Segredo, confissão e abuso: Cardeal Federigo, o Inominado e Lúcia. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • “É preciso afastar Bolsonaro já para parar a matança”. Entrevista com Chico Whitaker

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Janeiro 2020

São cerca de 500 migrantes da América Central da caravana de migrantes no primeiro grupo de 2020 que se refugiaram na casa-abrigo diocesano Belen na diocese de Tapachula (México).

A reportagem é publicada por Agência Fides, 27-01-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Em nota recebida pela Agência Fides, o padre César Augusto Cañaveral Pérez, coordenador diocesano da dimensão pastoral da mobilidade humana, estigmatiza a associação mental "migrante igual criminoso".

"Gostaria de saber, porque a Guarda Nacional não se confronta com o crime organizado; os migrantes chegam por necessidade, não são criminosos e o México não respeita o direito ao livre trânsito", diz padre Pérez, que denuncia: "a sociedade mexicana ajuda a criminalizar os migrantes: o muro humano é pior do que um muro material".

O sacerdote lembra que a Igreja Católica está construindo pontes de solidariedade para ajudar os migrantes, pois a ajuda que o governo prometeu ainda não chegou. Caravanas de migrantes atravessam o México tentando chegar aos Estados Unidos. Ao longo do caminho, os migrantes sofrem abusos de todos os tipos, especialmente os mais fracos, mulheres e crianças.

Padre Cañaveral Pérez afirma que o abrigo recebe entre 200 ou 300 pessoas todos os dias. Esse é o fluxo constante ao longo do ano, mas agora, depois que as caravanas se dispersam, o número de pessoas que procuram abrigo aumentou consideravelmente, várias pessoas tiveram que procurar outras estruturas de acolhimento. O sacerdote relata que somente no dia 24 de janeiro chegaram 120 migrantes, quase todos necessitando de assistência médica e psicológica devido às violências e maus tratos infligidos a eles pela Guarda Nacional. O padre Cañaveral Pérez criticou as autoridades mexicanas por se comportarem de maneira pior que aquelas dos Estados Unidos.

A capacidade do albergue é de 140 pessoas, mas o número agora triplicou. Além disso, existem outros centros paroquiais que receberam migrantes nos municípios de Costa, Soconusco e Serra de Chiapas.

Nos últimos dias, houve ataques violentos contra membros da última caravana de migrantes da América Central direcionada aos Estados Unidos por policiais que os acusam de não terem respeitado as indicações relativas ao número de pessoas que poderiam acessar os diferentes postos de imigração de fronteira.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

México: "Violência contra a última caravana de migrantes", denuncia um sacerdote - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV