Cardeal espanhol: ‘O comunismo marxista … renasceu’ no país

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Não podemos colocar a questão do celibato acima da celebração da Eucaristia!”, afirma dom Erwin Kräutler

    LER MAIS
  • Nunca um presidente foi tão vulgar com uma mulher. Espere o efeito bumerangue

    LER MAIS
  • Um dicionário de teologia de acordo com a sensibilidade contemporânea. Artigo de Gianfranco Ravasi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Janeiro 2020

Cardeal espanhol adverte a comunidade católica de que o país está à beira de um reavivamento comunista.

A reportagem é publicada por Catholic News Service, 17-01-2020. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

O cardeal-arcebispo de Valencia, na Espanha, Dom Antonio Canizares Llovera, disse que a eleição do governo de coalizão em novembro cria uma situação “mais crítica” do que inicialmente se pensava ou acreditava.

“O comunismo marxista, que parecia destruído com a queda do Muro de Berlim, renasceu e é certo que governará a Espanha”, falou Canizares, vice-presidente da conferência episcopal espanhola.

“O sentimento de democracia é substituído pela imposição de um único modo de pensar e pelo autoritarismo e absolutismo incompatível com a democracia”, disse.

Em carta postada em 11 de janeiro no sítio eletrônico diocesano, o cardeal falou que parecia que a Espanha estava copiando os erros dos governos socialistas da América Latina, tais como a Venezuela.

“Com grande dor, tenho de lhes dizer e advertir que percebo uma tentativa de fazer a Espanha deixar de ser a Espanha”, explicou o religioso.

O cardeal afirmou também que o espírito de transição para a democracia após a Guerra Civil Espanhola, de 1936 a 1939, e o governo subsequente do Gen. Francisco Franco foram “esvaziados e esquecidos”, apenas para serem substituídos por ideologias que “sempre dividem, nunca unem”.

Em uma aparente referência à guerra civil, o prelado lembrou a memória de ódio, intransigência e dos “rostos realçados e rejeitados”, e previu que uma Espanha dividida corre o risco de voltar aos velhos confrontos.

Canizares conclui a carta, também publicada com destaque na capa do Paraula, jornal arquidiocesano, repetindo um apelo anterior aos católicos para que “rezem insistentemente” pela Espanha.

Este sentimento do prelado foi ecoado por Dom Jesus Sanz Montes, da Diocese de Oviedo, quem disse, em carta de 12 de janeiro postada no sítio diocesano, que a Espanha estava entrando em um “momento grave” de sua história.

Montes alertou os católicos sobre as “políticas e os caminhos” que limitariam a liberdade em uma variedade de formas, sobre o emprego de mentiras como ferramenta política e da censura política que, segundo ele, seriam usadas para reprimir a liberdade de expressão.

Tudo o que os católicos podem fazer é serem os cristãos fiéis a que foram chamados a ser dentro da sociedade.

O primeiro-ministro Pedro Sanchez, líder do Partido Socialista dos Trabalhadores da Espanha, assumiu o poder em 8 de janeiro após entrar em uma coalizão com o Unidos Podemos, partido minoritário de extrema-esquerda liderado por Pablo Iglesias.

Sanchez não quis fazer o tradicional juramento de inauguração com uma mão sobre a Bíblia e um crucifixo.

O governo de Sanchez comprometeu-se com uma pauta secularizante, que conta com a exclusão das aulas de religião no currículo escolar.

Ele também prometeu legalizar a eutanásia, introduzir programas de educação sexual secular e nacionalizar as propriedades que o governo sustenta terem sido “erroneamente registradas” como sendo da Igreja Católica.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal espanhol: ‘O comunismo marxista … renasceu’ no país - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV