COP25: Tentativa de alinhar os planos climáticos globais falha

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Estas são as razões do ‘adeus’ do (ex-)cardeal Angelo Becciu

    LER MAIS
  • Pantanal: “Já queimaram uma área tão grande que os bichos não têm mais para onde correr”

    LER MAIS
  • “O Óbolo de São Pedro foi usado para pagar um imóvel em Londres”: a investigação sobre o cardeal Becciu

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Dezembro 2019

Não há consenso sobre se as novas promessas climáticas devem durar cinco anos, dez anos ou uma mistura de ambos, enquanto os países se reúnem nas negociações da ONU em Madri.

A reportagem é de Jocelyn Timperley e Chloé Farand, publicada por Climate Home News, e reproduzida por EcoDebate, 06-12-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Os países não chegaram a acordo sobre o período que as futuras promessas climáticas devem cobrir nas negociações da ONU em Madri.

As promessas do Acordo de Paris devem estar alinhadas para todos os países a partir de 2031. Mas as conclusões preliminares divulgadas nas negociações da COP25 na sexta-feira mostraram que não foi encontrado nenhum acordo sobre o comprimento das janelas, com uma ampla gama de opções restantes em cima da mesa, incluindo cinco anos, dez anos ou várias maneiras de misturar os dois.

Observadores dizem que prazos mais curtos terão mais chances de promover cortes rápidos na poluição.

O fracasso em avançar significa que é improvável que o problema seja resolvido nessas negociações, que terminam na próxima semana.

Os países pareciam considerar o assunto como de baixa prioridade. Em particular, a UE viu pouca necessidade de chegar a acordo nesta sessão e não tomou uma posição clara sobre qual opção eles apoiavam.

“Em nossa opinião, os prazos compatíveis com o Acordo de Paris são de cinco ou dez anos, ou uma combinação de ambos”, disse um negociador da UE ao Climate Home News. “Não expressamos preferências por nenhuma dessas três opções para o por enquanto.

Li Shuo, do Greenpeace, previu que nenhuma solução seria alcançada em Madri sem um claro movimento da UE para esclarecer sua posição.

O atraso na decisão de prazos comuns foi uma “oportunidade perdida”, de acordo com Yamide Dagnet, do World Resources Institute, acrescentando que ela não entende por que uma decisão já vencida foi adiada novamente.

“Os países não poderiam concordar em um texto para enviar texto aos ministros”, diz ela. “Mesmo que houvesse tensões políticas, deveria ter sido uma decisão simples.”

Dagnet acrescenta que pouco tempo foi dado na agenda oficial para os países progredirem no assunto. “Apenas duas horas foram dadas para os países tomarem uma decisão”, diz ela. “Qual é o sentido de esperar cinco anos para tomar uma decisão sobre um ciclo de cinco anos em um momento de emergência climática?”

As partes também não concordaram com o prazo para quando uma decisão final deve ser tomada.

A UE, o Canadá e a Austrália disseram que o acordo deve ser alcançado até 2023, o mais tardar, embora possa ser feito mais cedo. A Arábia Saudita apoiou a suspensão das negociações sobre o tema até 2023, enquanto os EUA disseram que deveriam ser suspensos até 2022.

Com as negociações esgotando o tempo designado e sem tempo extra para tentar chegar a um consenso, a China invocou uma cláusula de atraso que leva a discussão para as próximas negociações climáticas em junho do próximo ano. A aprovação oficial desse resultado pode ocorrer em um plenário de encerramento a ser realizado na segunda-feira, embora mais discussões possam ocorrer neste plenário.

Mas outros países disseram que uma decisão deveria ter sido tomada nesta sessão, incluindo o pequeno estado insular, o país menos desenvolvido e os agrupamentos de países da América Latina e a Indonésia.

O Chile, que ocupa a presidência da conferência, esperava obter um resultado na chamada questão de prazos comuns. No entanto, em vez disso, o foco diplomático foi amplamente alcançado no consenso sobre as regras para um mercado internacional de carbono.

Essas negociações também fizeram um progresso lento durante a primeira semana da reunião, com novos rascunhos de texto de negociação adiados, à medida que os negociadores mantinham suas posições. 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

COP25: Tentativa de alinhar os planos climáticos globais falha - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV