A exogenia neoliberal

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Novembro 2019

“A exogenia como um processo de subjetivação em plena exterioridade constrói simpatia com as mercadorias ou objetos desejados e erradica em sua totalidade a empatia com as pessoas. Essa é a novidade da exogenia, que só existe subjetividade para as coisas e não para a humanidade”, escreve Aníbal Ignacio Faccendini, doutor em Ciências Jurídicas e Sociais, cientista social e professor da Universidade Nacional de Rosário, Argentina, em artigo publicado por Página/12, 28-10-2019. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

O dilema histórico da humanidade foi e será como constrói sua subjetividade. Como constitui e se constitui para a realidade cotidiana e para a distante. O homem da antiguidade produzia sua subjetividade a partir do paganismo politeísta e na relação de domínio do amo e escravo. Na Idade Média, o subjetivo instituinte será o monoteísmo e a relação de domínio do senhor feudal com o servo da gleba.

É na Idade Média, a partir do monoteísmo, que se produz uma intensidade, distinta e centralizada por esse monoteísmo, que é o encantamento com o ambiente, entendido como natureza. É assim que neste período histórico as pessoas contemplavam a natureza, se surpreendendo e a reverenciando. Também os povos originários.

As pessoas, então, sentiam que faziam parte do ambiente em termos de integração, de cuidando com ele e não de conquista. Não acreditamos que esta etapa seja a panaceia, mas, sim, que era distinta e reverencial à Terra. O que positivamente nos demostra que nem sempre houve o antropocentrismo de conquista como produtor de subjetividades. Portanto, é possível e se deve gerar modelações de condutas humanas de integração e cuidado da Terra. Desde já, distinta e melhor que a outrora medieval, devendo prevalecer a justiça social e ambiental.

É com modernidade, avassaladora, veloz, racional, inundada de ganância e ambição extrema, que longe de toda emoção, mas substanciada na tensão do dominante contra a/o trabalhador(a), que se romperia o encantamento medieval com a natureza. O desencantamento prevaleceu e a conquista do planeta instigou. É a alienação em relação à Terra que permitiu a depredação, poluição e a deterioração da Casa Comum.

Essa alienação a respeito do ambiente do planeta, se acentuará com o capitalismo financeiro em grau de pleno divórcio. Diferente era, mesmo dentro da modernidade, a subjetividade constituinte das pessoas na economia mundial industrial com intervenção estatal e justiça social, no período de 1945 a 1976. Na Argentina, por exemplo, a participação dos trabalhadores na captação da riqueza nacional - nos anos 1954 e 1973 – será muito alta, o que marca a equidade social existente nessa época.

É com a financeirização de toda a vida pelo neoliberalismo, que começa no final dos anos 1970 e início dos anos 1980, que ocorre a grande ruptura e nasce a exogenia: as empatias pessoais se reduzem muito e crescem em demasia as simpatias e desejos por coisas, pelas mercadorias e pela monetarização de tudo.

As pessoas na presente etapa instituem sua subjetividade, já plenamente a partir de fora, por meio, entre outros instrumentos, do excesso das redes informáticas, da invasão da mídia e o consumismo, sendo este último em excesso para os ricos e escasso para os pobres. Etapa que também gera indiferença com o coletivo e o social. Lida-se com demasiada superficialidade com as expectativas das maiorias da classe média em pertencer, chegar e alcançar a riqueza material.

A subjetividade do presente também se edifica vendo a outra e o outro como um meio instrumental a ser descartado em seu momento. As pessoas na atual época da financeirização da vida se conectam a partir de seu vazio, o vácuo exogenamente em disposição individualista, competitiva e narcisista. Próprio do sistema de financeirização de toda a vida, que aumenta o individualismo de forma cruel.

É o neoliberalismo que gera o fenômeno da exogenia. É um conceito que nos aponta que a constituição subjetiva das pessoas se realiza absolutamente de fora e a conexão com os outros é produzida em uma chave de concorrência e individualismo.

Sofremos a exogenia quando somos modelados pela pura exterioridade, quando somos totalmente falados e interpretados. Quando paramos de pensar em si e para si em comunidade. Assim como acontece no mercado. A violência do mercado invade todos as relações. A exogenia como um processo de subjetivação em plena exterioridade constrói simpatia com as mercadorias ou objetos desejados e erradica em sua totalidade a empatia com as pessoas. Essa é a novidade da exogenia, que só existe subjetividade para as coisas e não para a humanidade.

Há duas ideias que potencializam essa patologia social e que são levantadas pela sociologia: adiaforização e aporofobia. A primeira é a perda de todos os escrúpulos e decências mínimas. E a outra é o medo, desprezo e terror aos pobres. A saída é por dentro. Recuperar o pensar, que é mais do que raciocinar. A subjetivação deve ser metabolizada pelo nosso interior e nos vincular com o outro, com empatia e solidariedade sob os grandes eixos da justiça social e ambiental.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A exogenia neoliberal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV