Governo Bolsonaro celebra Dia das Abelhas liberando ainda mais agrotóxicos

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS
  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • “Facebook ameaça a democracia”, adverte Chris Hughes, cofundador da rede social

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Outubro 2019

Número de substâncias aprovadas em 2019 já passa de 400. Muitos desses produtos são proibidos na União Europeia. Chega de veneno!

A reportagem é de Mariana Campos, publicada por Greenpeace, 09-10-2019.

Hoje é o Dia Nacional das Abelhas e o Dia Nacional da Agroecologia, duas datas importantes para quem valoriza uma alimentação saudável e sem veneno para todas as pessoas. Parece que o governo Bolsonaro escolheu esse dia a dedo e liberou mais 57 agrotóxicos no país, mostrando que não está preocupado com a saúde da população e do meio ambiente. Já são 410 novos agrotóxicos desde o início de 2019 – número que supera o total de quase todos os anos anteriores (a exceção é 2018).

O ritmo de aprovações de agrotóxicos é, de longe, o mais acelerado da última década. “Já batemos recordes de anos anteriores inteiros e ainda estamos em outubro. Chegaremos ao fim de dezembro com um triste recorde. Muitos desses produtos são proibidos na União Europeia. Por que os europeus são poupados, mas os brasileiros não?”, questiona Iran Magno, da campanha de Agricultura e Alimentação do Greenpeace Brasil.

Como se não bastasse a liberação massiva de substâncias nestes 10 meses, o governo também enfraqueceu a proteção da saúde de quem planta e quem come. Ao adotar a nova classificação da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), fatores importantes como potencial dos agrotóxicos para causar cegueira e corrosão na pele, por exemplo, não entram mais na categoria de “alta toxicidade”. Os mais altos níveis de toxicidade são atribuídos apenas para produtos que apresentam risco de morte por ingestão ou contato. Resumo da ópera: mudar a classificação não elimina o fato de que os agrotóxicos continuam sendo veneno. Adotar essa simplificação extrema pode deixar os trabalhadores do campo ainda mais vulneráveis aos efeitos nocivos dos agrotóxicos.

Abelhas + agroecologia = isso sim dá samba!

Rainhas da polinização, as abelhas são nossas aliadas na produção de alimentos. No Brasil, mais da metade das 141 espécies de plantas cultivadas precisa da polinização que é feita, principalmente, pelas abelhas. No entanto, agrotóxicos como glifosato, neonicotinóides e fipronil têm causado uma enorme mortandade desses insetos.

É por este motivo, e porque a sociedade civil está dizendo “Chega de Agrotóxicos”, que precisamos cobrar do governo que incentive práticas como a agroecologia, que respeita os processos naturais de um ecossistema, evitando impactos negativos na nossa saúde e na do meio ambiente.

“Reduzir gradualmente o uso de agrotóxicos é um pedido completamente razoável. O que não é razoável é continuar envenenando a população”, diz Iran.

Leia mais

Comunicar erro

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governo Bolsonaro celebra Dia das Abelhas liberando ainda mais agrotóxicos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV