Sínodo sobre a Amazônia. “O Papa indica um horizonte profético”, afirma o monge Enzo Bianchi

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Setembro 2019

Periferias, migrações, exploração de recursos naturais, mudanças sociais e vulnerabilidade familiar, corrupção, proteção ambiental. Esses são os temas no centro do próximo Sínodo sobre a Região Pan-Amazônica. Também as informações mais recente confirmam que "os problemas da Amazônia são os problemas do planeta, dizem respeito a todos e não apenas a uma terra ou a uma cultura", como ressalta Enzo Bianchi, fundador da comunidade monástica de Bose.

"Os problemas da Amazônia são os problemas do planeta, dizem respeito a todos e não apenas a uma terra ou a uma cultura". Desse ponto parte Enzo Bianchi para aprofundar os temas que estarão no centro do Sínodo sobre a Amazônia, que será realizado no Vaticano de 6 a 27 de outubro próximo.

A entrevista é de Alberto Baviera, publicada por SIR, 21-09-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis a entrevista.

Irmão Enzo Bianchi, por uma série de razões, incluindo notícias recentes, a Amazônia de um lugar bem definido e distante de nós tornou-se representativa de todo o mundo. O que podemos esperar como Igreja e como ocidentais desta Igreja irmã convocada em Sínodo?

A atitude que os cristãos podem ter em relação a essa terra, em relação a esses povos, em relação a essa cultura deve ser um modelo para todas as relações entre a Igreja e as culturas.

Em que sentido?

O fenômeno da fé que deve ser inculturado nas pessoas, nos povos, é um fenômeno ao qual prestamos pouca atenção no passado.

O Papa nos pede para fazer uma revisão e realmente nos questionarmos como um povo possa expressar sua fé, sua liturgia, sua vida cristã em termos que lhe são próprios. É uma exaltação da diversidade na unidade católica, é colocar o acento no fato que o Espírito Santo é sempre multiforme, como a Sabedoria de Deus é multicolorida de acordo com o que as Escrituras dizem.

É uma grande mudança ...

É um grande desafio, não é fácil. O Papa indicou esse horizonte profético, há reações e contraposições a esse caminho, polêmicas. Mas acredito que seja um caminho obrigatório, cristão.

No Papa não há outro desejo que a evangelizar todos as pessoas, de todas as culturas. Devemos nos colocar nesse caminho, ainda que com atraso e talvez com dificuldade e esforço.

Também no Instrumentum laboris fala-se mais de uma vez de “Igreja profética". Como o Sínodo sobre a Amazônia pode ajudá-la a assumir esse perfil?

Na medida em que serão delineados, por exemplo, a comunidade cristã, os ministérios e a diaconia dentro dela. Mas também na medida em que serão abertos caminhos litúrgicos com modos de celebrar mais adequados à cultura e ao povo. Isso é algo que diz respeito a todos. Também nós, na Itália, devemos nos perguntar o que significa celebrar a liturgia em 2019. Certamente teremos revisões a fazer, promover uma dinâmica, uma nova maneira que possa ir ao encontro dos homens de hoje.

Se lá ocorre o problema daqueles que não se tornam cristãos, nós temos aquele das novas gerações que não frequentam mais à missa e não sentem nenhuma atração pela liturgia católica. O que queremos fazer? Aceitar os fatos ou repensar para poder dialogar, inclusive liturgicamente, com as novas gerações.

O senhor, que participou do Sínodo de 2018, conhece bem as dinâmicas da discussão e do discernimento entre os participantes. Quais serão os aspectos decisivos, do seu ponto de vista?

O problema é o caminho das Igrejas, se elas são capazes ou não de um discernimento comunitário. Porque tudo reconduz ao discernimento: o Papa, o Sínodo, até a literatura teológica. Aliás, realmente podem ser abertos caminhos de discernimento comunitário, que são uma novidade na Igreja? Porque no plano pessoal já se refletiu e isso foi praticado sobretudo nos últimos séculos. Mas naquele comunitário, eclesial, que é sempre um discernimento sinodal, é um caminho todo a ser criado, a ser inventado. E quando um caminho deve ser feito por um povo, é um caminho longo, implica tempos longos, educação, amadurecimento, assunção de novas formas.

É um novo caminho, o Papa o indicou como a fronteira do terceiro milênio.

No Sínodo sobre a Amazônia, obviamente, também se falará sobre o meio ambiente e a "ecologia integral" ...

Essa foi a profecia do Papa Francisco. Primeiro, tivemos aqueles que pensavam em ecologia, os "verdes", que não conseguiam pensar nos pobres. E aqueles que pensavam nos pobres e que seguiam mais as linhas sociais, mas não levavam em conta a ecologia. Com a Laudato si', o papa conseguiu mostrar que são duas faces da mesma moeda.

O futuro da terra diz respeito aos pobres, o futuro dos pobres diz respeito à terra.

Na Amazônia, temos esses dois temas que se cruzam: por um lado, a custódia de nossa terra, que é nossa Mãe; pelo outro lado, como os pobres sobre esta terra podem encontrar morada, uma habitação na justiça e na paz.

Temas sobre os quais o Santo Padre nunca deixa de insistir ...

É o grande horizonte profético indicado por Francisco. O Papa, creio, indicou três horizontes: dentro da Igreja, a sinodalidade; com toda a humanidade, a fraternidade; e o terceiro, que diz respeito ao mundo inteiro, toda a criação, toda a Terra, é o problema ecológico e da justiça. Esses são os três desafios, os três horizontes do terceiro milênio, que o Papa com profecia soube identificar e nos indicar.

Estaremos à altura do desafio?

Espero que sim. O Papa tem uma força, acredito que alguns comecem a entender até mesmo nas beiras da Igreja e, inclusive, fora dela. Pode ser que uma sinergia se abra, eu ousaria dizer, mais ampla dos católicos para essas metas.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sínodo sobre a Amazônia. “O Papa indica um horizonte profético”, afirma o monge Enzo Bianchi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV