Novo cardeal do Congo tem paixão de longa data pelos direitos humanos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desgaste do discurso evangélico

    LER MAIS
  • Outro papa. Ratzinger, sua renúncia e o confronto com Bergoglio

    LER MAIS
  • ‘Eu serei sempre minoria’, diz padre Júlio sobre sua vocação em ajudar pobres e oprimidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Setembro 2019

O novo cardeal do Congo usará o seu título para destacar os problemas da África, trazendo ao mesmo tempo uma paixão de longa data pelos direitos humanos ao cenário internacional, segundo algumas pessoas próximas a ele.

A reportagem é de Jonathan Luxmoore, publicada por Catholic News Service, 15-09-2019. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

O Mons. Donatien Nshole Babula, secretário geral da Conferência dos Bispos do Congo, descreveu o cardeal-designado Fridolin Ambongo Besungu, de Kinshasa, como um “pastor zeloso e direto, um homem franco, apegado à verdade e que sabe o que é preciso fazer para o bem daqueles a ele confiados”.

No dia 1.º de setembro deste ano, o Papa Francisco anunciou que Ambongo, de 59 anos, será um dos treze novos cardeais instalados em um consistório a acontecer no dia 5 de outubro próximo, no Vaticano.

Nshole contou ao Catholic News Service que o cardeal-designado aprendeu muito sobre as condições de todo o continente africano enquanto foi presidente da Comissão de Justiça e Paz da Igreja congolesa entre 2008 e 2016.

O monsenhor disse também que esta nomeação é um tributo à “força de personalidade” de Ambongo e à sua capacidade intelectual de ver as perspectivas mais amplas, para além do aqui e agora”. É também um sinal da preocupação do papa “pelos pobres e desfavorecidos”.

Ambongo já prestou um trabalho muito importante para a paz e os direitos humanos, ao insistir que tudo deve estar baseado na justiça. É isso o que ele vai mais procurar destacar agora no cenário internacional”, diz Nshole.

Nascido de uma família de seringueiros em Boto, em 24-01-1960, Ambongo fez os votos perpétuos aos franciscanos capuchinhos em 1987 e ordenou-se em 1988 depois de estudar teologia moral na Academia Alfonsiana, em Roma. Lecionou na Universidade Católica de Kinshasa e se tornou o superior da província congolesa dos capuchinhos.

Em 2004, Ambongo foi nomeado bispo da Diocese de Bokungu-Ikela e administrador apostólico de Kole, tornando-se arcebispo de Mbandaka-Bikoro em novembro de 2016 e arcebispo de Kinshasa em dezembro de 2018 após nove meses trabalhando de coadjutor do Cardeal Laurent Monsengwo Pasinya.

O Mons. Andre Masinganda, vice-secretário geral da Conferência dos Bispos, contou ao Catholic News Service que a reputação de Ambongo como alguém de fala franca e firme não o impede de mostrar uma “abertura pastoral a todos” e que tem uma “grande capacidade pela síntese em toda e qualquer situação”.

Ambongo com certeza está pronto para receber e considerar as opiniões dos demais, e é capaz de acalmar e unificar”, disse o padre.

“O seu lema, Omnia Omnibus (Todas as coisas para todas as pessoas), implica que suas portas estão abertas a todos, seja no poder, seja na oposição. Eu acho que ele irá estender isso ao mundo da política e da diplomacia”, acrescentou.

O Pe. Clement Makiobo, que estudou com o cardeal-designado, disse ao jornal católico francês La Croix que o seu colega se tornou um “apaixonado pela justiça e por questões do mundo do direito” desde que se opôs ao ditador Mobutu Sese Seko, quem governou o então Zaire de 1965 a 1997. Makiobo falou que o novo cardeal também é uma pessoa focada na defesa da democracia e da legalidade, em lugar de “se opor diretamente ao poder vigor”.

“No entanto, quando os direitos elementares do povo congolês precisam de proteção, e quando é necessário denunciar uma tendência autoritária promovida pelos que estão no poder, o novo cardeal se vai se mostrar intransigente”, previu Makiobo.

“Esta sua nomeação completa uma vida de compromisso com a dignidade humana, em um país onde a Igreja continua sendo a única instituição capaz de desafiar o poder”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Novo cardeal do Congo tem paixão de longa data pelos direitos humanos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV