Argentina. Padres pedem a decretação da emergência alimentar

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Na igreja do Papa Francisco, os movimentos estão parando

    LER MAIS
  • Abusos, sínodo e a falsa prudência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Setembro 2019

Os Padres na Opção pelos Pobres (Curas en la Opción por los Pobres) somaram sua voz à daqueles que, de distintos setores da sociedade, reivindicam que se declare a emergência alimentar e pedem à base do governo no Congresso e ao governo nacional que acompanhem a iniciativa que, nesse sentido, já mobiliza a oposição parlamentar.

A reportagem é de Washington Uranga, publicada por Página|12, 11-09-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Ao mesmo tempo, os padres saíram em contraposição aos porta-vozes do governo, pedindo à oposição para não fazer política com a fome e denunciaram que “negar a urgência da fome de milhões de cidadãos que não conseguem completar uma cesta alimentar básica, é fazer política com a fome”. Também é fazer política, seguem dizendo os padres católicos, “mandar rezar os que passam fome (...) e não evangelizar, como quer fazer crer a deputada Elisa Carrió (que bem faria ela mesmo em rezar, para pedir a Deus que perdoe sua maldade)”.

Recorda o grupo dos Padres que “a Comissão de Pastoral Social do episcopado argentino, a própria cúpula do episcopado e numerosíssimas organizações sociais vem advertindo há meses da necessidade de fazer frente à emergência alimentar, em que atravessa a nossa Pátria”. Entre aqueles que demandaram a medida está também a Federação Argentina de Igrejas Evangélicas (FAIE) que, com a assinatura de seu presidente, o pastor Néstor Miguez, se somou ao pedido da declaração de emergência alimentar e nutricional dada a “comprovação da situação precária que golpeia o nosso povo, especialmente os setores mais esquecidos, meninos, meninas e idosos”.

Em um breve texto de apenas uma página, os padres católicos sustentam agora que é o momento “de trabalhar em consequência do mandato que os votantes deram ao Presidente e aos legisladores de servir ao bem-comum”, sem “nos determos a falar do cinismo e da maldade daqueles que verdadeiramente fazem política com a fome: cinismo e maldade que, por outro lado, se comentam sozinhas”. Agregam, aludindo a alguns dos argumentos empunhados pelo governo, contra a declaração de emergência, que “se há problemas para saber de onde poderão sair os fundos para solucionar a emergência alimentar, como perguntou o ministro da Educação (!), lhe sugerimos a promulgação de um Decreto de Necessidade e Urgência, que exproprie os bens dos que protagonizaram a fuga de capitais, que sumiram do país nessa crise, começando por seus membros e ex-membros”.

Negar as cifras que o próprio Indec e o Observatório Social da Universidade Católica Argentina publicam diariamente, é fazer política com a fome”, dizem os padres. “E – finalizam – ser insensíveis aos rostos e nomes que escondem essas cifras é imoralidade”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina. Padres pedem a decretação da emergência alimentar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV