O incômodo com os pobres. Os novos escravos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Não posso me calar

    LER MAIS
  • Estudantes, trabalhadores e sonhadores. Quem eram os jovens que morreram após ação da PM em baile funk

    LER MAIS
  • O fim do indivíduo. Viagem de um filósofo à terra da inteligência artificial

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Junho 2019

"O designer defensivo é a última fronteira do decoro urbano e de uma cultura da rejeição que considera uma ameaça aqueles que estão fora dos circuitos da conformidade e dos critérios regulares, aqueles da acumulação, do bem-estar, do equilíbrio de classe, da satisfação, da prosperidade", Alberto Bobbio, em artigo publicado por L'Eco de Bergamo, 14-06-2019. A tradução é de Luisa Rabolini

Eis o artigo. 

Quanto incomoda esse Papa Francisco que continua falando sobre os pobres? Em resumo, por que nunca está satisfeito, nem mesmo com o que a Igreja faz pelos pobres? Sejamos sinceros e admitamos que esta é a verdadeira questão que vem à cabeça diante dos repetidos raciocínios de Bergoglio, que dia sim e outro também apresenta não só os números, mas também as caras do escândalo de um mundo onde os pobres são cada vez mais pobre. Ele voltou a fazer isso na sexta-feira, na mensagem para o terceiro Dia Mundial da Pobreza, que ele inventou para perseverar metodicamente em suas provocações. Que necessidade havia de um dia da pobreza? A Caritas já não está tratando deles?

Alguém chega a afirmar que, assim, a Igreja se desvia de sua verdadeira missão, ou seja, falar de Deus, tratar da salvação das almas, do Espírito e assim por diante. Em vez disso, aqui está o ponto: fugir da identificação de Deus com os pobres "equivale a mistificar o Evangelho e diluir a revelação". Em suma, o cuidado dos pobres para os cristãos é algo muito mais do que a mera filantropia que tampona a necessidade e liga a sirene nas emergências. Cuidar dos pobres significa sentar-se ao pé da Cruz e ouvir a palavra daquele pobre que foi crucificado.

E, nisso, a Igreja e o Papa incomodam. Tudo está bem desde que a Igreja se dedique aos pobres, que foram relegados às reservas indígenas. Tudo está bem até que aos pobres seja dada uma mão, talvez duas, dinheiro e coisas. Mas quando a Igreja levanta a voz e revela, quando desmascara, quando, como Bergoglio escreve em sua mensagem, ela não apenas escuta, intervém, protege e defende, mas "resgata" e "salva" acaba na linha de mira, porque desvela a ilusão quase geral no mundo de saber como se proteger dos pobres.

Quando depois insiste em dizer que muros e barreiras apenas criam a ilusão de "sentir-se seguros com as próprias riquezas" e que assim "não será para sempre", até mesmo partem acusações de ameaça à ordem mundial. E, no entanto, Francisco está fazendo exatamente essa operação. Não se limita aos números dramáticos do 1% da população mundial que possui o equivalente da riqueza de 80% dos demais, mas denuncia que os pobres são os novos escravos e não apenas aqueles que são obrigados a colher tomates sob o sol, migrantes que se tornaram "recursos" e, portanto, admitidos pelos traficantes do medo, mas também os jovens impedidos de encontrar trabalho por "políticas econômicas míopes", famílias forçadas a emigrar e depois separadas, e todos aqueles sobre os quais, segundo o Papa, "o juízo está sempre alerta" e não podem sequer se dar ao luxo de "se sentirem tímidos ou desanimados" e são percebidos como "ameaçadores ou incapazes" apenas "porque são pobres": “julgados muitas vezes como parasitas da sociedade, aos pobres não se perdoa nem mesmo a sua pobreza".

Não deixamos mais que eles durmam nas ruas, inventamos "uma arquitetura hostil", os bancos com braços, para que ninguém possa se deitar à noite, para que ninguém possa viver nem mesmo da maneira mais desesperada possível. O designer defensivo é a última fronteira do decoro urbano e de uma cultura da rejeição que considera uma ameaça aqueles que estão fora dos circuitos da conformidade e dos critérios regulares, aqueles da acumulação, do bem-estar, do equilíbrio de classe, da satisfação, da prosperidade. Francisco em sua mensagem denuncia a arrogância daqueles que oprimem e explica que Deus não está feliz, porque está do lado dos pobres, a ponto de se identificar com eles. A comunidade cristã não pode subestimar isso, senão compromete o "realismo da fé cristã e sua validade histórica".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O incômodo com os pobres. Os novos escravos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV