Quando o plástico biodegradável não degrada mais rápido que o polietileno convencional

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco ataca o 'desejo de poder', a 'rigidez disciplinar' e a 'deslealdade' nas associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades

    LER MAIS
  • Vacinas, o grande golpe da Big Pharma

    LER MAIS
  • A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Mai 2019

O onipresente saco de plástico é útil para transportar mantimentos e outros itens para casa da loja. No entanto, essa conveniência prejudica o meio ambiente, com detritos plásticos cobrindo a terra e os cursos de água. Os fabricantes oferecem sacolas plásticas biodegradáveis ou compostáveis, mas em muitos casos, essas alegações não foram testadas em ambientes naturais.

Agora, os pesquisadores relatam na Environmental Science & Technology da ACS que os sacos não se degradam em alguns ambientes mais rapidamente que o polietileno comum.

A informação é de American Chemical Society, publicada por EcoDebate, 17-05-2019. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

Segundo a Comissão Europeia, cerca de 100 bilhões de sacolas plásticas entram no mercado da União Européia a cada ano. Muitos deles são usados apenas uma vez e depois jogados fora, jogados no chão ou soprados pelo vento em lagos ou oceanos. Além de serem feios, os detritos plásticos podem prejudicar os animais e os ecossistemas.

Alguns fabricantes de sacolas oferecem plásticos que se deterioram através das ações de microorganismos, enquanto outros usam plásticos oxi-biodegradáveis contendo aditivos pró-oxidantes para acelerar o processo. Além disso, plásticos compostáveis podem ser degradados por microorganismos sob condições gerenciadas. No entanto, essas soluções potenciais para o problema dos plásticos não foram bem estudadas em ambientes diferentes por longos períodos de tempo.

Os pesquisadores colocaram sacolas plásticas etiquetadas como biodegradáveis, oxibiodegradáveis ou compostáveis, bem como sacolas convencionais de polietileno, ao ar livre, enterraram-nas no solo ou submergiram-nas na água do mar. Além da sacola compostável no ambiente marinho, que se degradou em 3 meses, fragmentos ou amostras inteiras de cada tipo de sacola permaneceram após 27 meses. Após 3 anos no mar ou no solo, as sacolas convencionais, biodegradáveis e oxi-biodegradáveis ainda podem transportar cerca de 5 quilos de mantimentos sem rasgar.

Os pesquisadores concluíram que nenhuma das sacolas deteriorou-se de forma confiável em todos os ambientes dentro de 3 anos, e as sacolas biodegradáveis não deterioraram consistentemente mais rapidamente do que o polietileno convencional.

Os autores não reconhecem nenhuma fonte de financiamento.

Referência

Environmental Deterioration of Biodegradable, Oxo-biodegradable, Compostable, and Conventional Plastic Carrier Bags in the Sea, Soil, and Open-Air Over a 3-Year Period” - Environmental Science & Technology

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quando o plástico biodegradável não degrada mais rápido que o polietileno convencional - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV