O trabalho e o bem-estar digital. Artigo de Maurizio Ferraris

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS
  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Maio 2019

“Os gigantes da web não se importam com os nossos segredos, mas sim em saber o que compramos, o que olhamos, em que acreditamos. E importa que haja uma humanidade capaz de consumir, constituindo o motor imóvel de todo o processo. Portanto, essa enorme produção de valor é o verdadeiro capital humano sobre o qual se fundamenta o bem-estar digital e que deve ser pago pelos gigantes digitais”, escreve Maurizio Ferraris, filósofo, professor da Universidade de Turim, em artigo publicado por Il Manifesto, 03-05-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o artigo.

O que eu proponho não é uma esquerda despreocupada, mas sim uma esquerda finalmente pensativa, capaz de pensar nas dificuldades que a humanidade atravessa hoje e, raciocinando, analisando, encontrar as soluções, que devem ser diversas, porque o mundo é diverso.

Eu admiro Roberta De Monticelli e, justamente por isso, ver a minha proposta de um bem-estar digital sendo tratada como um jogo de palavras bem-humorado me desagradou um pouco. Eu absolutamente não estava brincando. Roberta encarna a ala nobre da esquerda, atenta aos princípios e aos direitos, necessária e indispensável, mas infelizmente fácil de guilhotinar com um tuíte contra os migrantes.

No outro polo, há uma ala conspiracionista que fala de exploração e de alienação como fruto de manobras do Kapitale, com um protesto que foi capitalizado pela direita. No meio, há um terceiro estado bem-disposto, aquele que lemos nos artigos do dia 1º de maio, em que se denunciava o desaparecimento do trabalho, só que se pensava no trabalho do século XX.

Para os conspiracionistas do Kapitale, eu simplesmente digo que tal coisa não existe, e que todos nós somos o capital, como parte de um mundo social mais complexo e inter-relacionado do que se pensava nos tempos de Marx. Para os aristocratas dos direitos humanos, eu digo que se ocupar com o real é o único modo de proteger os direitos. Ao terceiro estado preocupado com o trabalho, eu digo que o problema é precisamente o do trabalho, só que o trabalho não desapareceu, mas mudou radicalmente, e é justamente essa radicalidade que falta agora na compreensão do presente.

Já que estamos falando do bem-estar do futuro, convém partir do bem-estar do passado. A simples intuição de Keynes, que está na base do bem-estar do século XX e que permitiu que a esquerda socializasse a mais-valia do capital industrial, foi considerar a poupança e o investimento como as duas faces da mesma realidade.

Se se olha para o capital como para uma totalidade, é preciso superar a crença moralista de que aqueles que colocam o dinheiro no banco são premiados porque poupam. Não é assim: é premiado porque disponibiliza dinheiro que será investido, sustentando, em longo prazo, consumos que são o fim último de toda produção de bens. E o investimento constitui a via régia para obter aquilo que – em uma era de automação ainda imperfeita – constituía o objetivo fundamental do bem-estar, o alcance do pleno emprego. E, para que isso ocorra, escreve Keynes, “os indivíduos despreocupados de amanhã são absolutamente necessários para criar a razão de ser daqueles sérios e ponderados de hoje”. É o mesmo que dizer que só se poupa hoje para gastar amanhã, e uma poupança sem gasto não faz sentido.

O que é necessário para o bem-estar digital? Certamente, não as demonizações pelas quais o Vale do Silício seria uma cova de piratas, mas algo que a China está entendendo muito bem, embora esteja implementando ao seu modo, isto é, com pouca atenção aos direitos civis e às liberdades individuais.

A ideia é muito simples. A automação crescente e bem mais perfeita em comparação com os tempos do bem-estar industrial produziu uma disjunção conceitual sobre a qual ainda não se refletiu: o trabalho humano não é mais sinônimo de produção, porque esta é crescentemente assegurada pelas máquinas – e, na produção, a inteligência artificial, chamada a executar ordens, funciona melhor do que qualquer agente humano, assim como um braço mecânico acerta a cesta com muito mais sucesso do que qualquer atleta.

Nenhum humano, porém, estaria disposto a assistir a uma partida de basquete entre braços mecânicos. E construir robôs espectadores não faz sentido. Precisamente aí, portanto, torna-se indispensável a contribuição humana, que, como eu recordava no artigo do dia 19 de abril, é chamado a dar significado compartilhado a uma atividade insensata em si mesma, e pode fazer isso porque constitui o fim último de todo o processo.

Exatamente aí se esconde a intuição de fundo do bem-estar digital. No momento em que o trabalho não coincide mais com a produção, é necessário estabelecer em nível macroeconômico que o consumo é o verdadeiro trabalho, assim como nos anos 1930 o new deal se baseou no fato de que o investimento é a verdadeira poupança. Os consumidores são absolutamente necessários para criar a razão de ser daqueles indivíduos sérios, ponderados e entediantes que são máquinas, e o objetivo do bem-estar, o pleno emprego, é obtido muito melhor com o consumo, que diz respeito a todos, do que com a produção, que diz respeito a uma minoria cada vez mais exígua.

Isso não era possível antigamente, quando o consumo não deixava vestígios e não gerava conhecimento. Hoje, ao contrário, o enorme poder de arquivo e de cálculo das redes informáticas que possibilita, em princípio, a automação perfeita é também aquilo que permite coletar as informações de uso e de comportamento que derivam da nossa mobilização.

Os gigantes da web não se importam com os nossos segredos, mas sim em saber o que compramos, o que olhamos, em que acreditamos. E importa que haja uma humanidade capaz de consumir, constituindo o motor imóvel de todo o processo. Portanto, essa enorme produção de valor é o verdadeiro capital humano sobre o qual se fundamenta o bem-estar digital e que deve ser pago pelos gigantes digitais.

Para fazer com que eles paguem, porém, é necessário pensamento, e não despreocupação. O pensamento que consiste em reconhecer o consumo como trabalho. Roberta defendia que esse mundo de consumidores lembra um Admirável Mundo Novo, mas eu gostaria de lembrar que Auschwitz também é uma fábrica, com trabalhadores probos e uma moral produtiva impecável e do século XX, infelizmente dedicada ao extermínio.

Acampamentos e oficinas não são nobres em si mesmos; só o são se produzem o florescimento humano, e, inversamente, o consumo não é o equivalente de uma felicidade forçada e idiota, mas constitui o verdadeiro objetivo de uma humanidade que se reconheça como portadora de necessidades, de desejos e, portanto, de fins, ou seja, daquilo que nenhum autômato jamais poderá ter.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O trabalho e o bem-estar digital. Artigo de Maurizio Ferraris - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV