O papa Francisco reforça a Igreja dos pobres com a beatificação do bispo argentino Enrique Angelelli

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Santa Teresa de Jesus: inquieta, andarilha, desobediente e muito mais...

    LER MAIS
  • COP26. Kerry reduz as expectativas sobre a cúpula de Glasgow: “Rumo a compromissos ainda insuficientes para alcançar…”

    LER MAIS
  • Diocese Anglicana no Paraná sagrará bispa coadjutora em Curitiba

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Mai 2019

Os “padres villeros” celebram como uma vitória o reconhecimento do sacerdote e três de seus colaboradores, todos assassinados em 1976 pela ditadura.

A reportagem é de Federico Molina Rives e José León Suárez, publicada por El País, 30-04-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Foi uma beatificação de alto conteúdo político. O bispo Enrique Angelelli e três de seus associados, dos quais dois padres e um leigo, são desde este fim de semana "mártires da Igreja", assassinados in odium fidei, ou por ódio à fé. Suas críticas à ditadura custaram-lhes a vida na província de La Rioja, onde eram missionários, logo no começo do governo militar em 1976. O cardeal italiano Giovanni Angelo Becciu viajou do Vaticano a La Rioja para chefiar a cerimônia. Ele reuniu cerca de 50 bispos e milhares de pessoas. Mas os herdeiros de Angelelli comemoraram longe daquele ato institucional, ao lado dos trilhos do trem em José León Suárez, um bairro popular nos arredores de Buenos Aires. Lá trabalham os "padres villeros", que viram na beatificação de Angelelli a reivindicação do papa Francisco por uma Igreja mais próxima dos pobres.

José León Suárez é a terra do padre José María Di Paola, um padre "com os pés enlameados", como o Papa gosta. O padre Pepe, como dizem, chega à cerimônia com roupas informais e a casula na mão. Ele dará uma missa para as pessoas que o seguem em sua militância, reforçado pela figura de Angelelli e os outros três mártires: o franciscano Carlos de Dios Murias, o padre francês Gabriel Longueville e Wenceslao Pedernera, um leigo que era catequista. "Frei Murias morou aqui em José León Suárez, foi missionário. O importante para nós é que a Igreja, através de Francisco, proponha um modelo de Igreja comprometida com os outros ", diz Di Paola.

Angelelli morreu em 4 de agosto de 1976, vítima de um acidente de estrada ocorrido, a poucos quilômetros de Chamical, alguns minutos antes de ter participado do funeral de Murias e Longueville. Foi torturado e fuzilado pelos militares após o sequestro em uma base aérea. Os grupos armados da ditadura já haviam baleado Pedernera em sua casa e na frente de sua família. Os quatro faziam trabalho social nos bairros mais pobres da província e foram alvo do golpe contra Isabel Perón.

Para o Prêmio Nobel da Paz Adolfo Perez Esquivel, presente em José León Suárez, o reconhecimento de Angelelli está em linha com a santificação do salvadorenho dom Oscar Romero, em outubro passado. "Romero foi silenciado por muitos anos. O mesmo vale para os quatro mártires de La Rioja, não apenas para Angelelli. Eu conheci todos eles. Eles eram pastores que andavam e denunciavam injustiças, e é por isso que eles foram mortos ", diz Pérez Esquivel. É, em todo caso, retirar da escuridão aqueles setores da Igreja que não apoiaram o terrorismo de Estado, como tantos outros o fizeram.

O público se reúne em um triângulo formado pelos trilhos da ferrovia e viaduto da Avenida Márquez, que atravessa as vias. É uma área comercial, mas muito deprimida. Os lojistas reclamam que tudo está "fodido, fodido", como nunca desde a crise de 2001, quando chegaram ao fundo do poço. Entre as lojas há barracas que vendem alimentos montados pelas paróquias para arrecadar dinheiro. Atrás são murais pintados em homenagem a Angelelli e além do desperdício da pobreza. Di Paola celebra uma missa sem protocolos em uma plataforma e pede uma Igreja comprometida. Outro diácono pega o microfone e discursa para o povo: "Temos quatro mártires argentinos. Este é um presente do Papa Francisco para quem critica, para quem fala pavadas", diz ele. Refere-se aos ataques que o Papa recebe por causa de sua má relação com o governo Macri ou sua proximidade com o peronismo.

As fronteiras entre religião e política se confundem. Entre as famílias com filhos, vizinhos a pé e religiosos estão os movimentos sociais que atuam na área, como o Movimento Unidade Popular (MUP). Maria tem 63 anos e é a porta-voz. “A situação é pior, há mais e mais garotos que vão para as salas de jantar. As pessoas estão muito zangadas e também muito tristes. Nós viemos todas as terças-feiras para distribuir chá de mate seco e tortas fritas aqui, na estação. Antes, demorava duas ou três horas, e agora tudo se vai em menos de uma hora ", diz ele. Ángel Bollero vende bonés em uma loja sob a ponte. Ele tem 62 anos e tem 30 anos nesse mercado improvisado. "Ele está fodido. Vende-se pouco e as pessoas reclamam. Eu não estou ao nível de 2001, mas notavelmente fodido", diz ele.

A pobreza subiu para 32% na Argentina, de acordo com a última medição oficial, em um contexto econômico recessivo e inflação alta. Di Paola concorda que a crise atinge com dureza especial os bairros onde os padres villeros trabalham, mas logo esclarece que eles sabem como resistir. "As pessoas estão ansiosas e preocupadas", diz o padre, "mas nos bairros mais humildes você aprende a compartilhar, a procurar engenhosamente por recursos". Na Argentina, país de crises recorrentes, essa estratégia de sobrevivência é chamada de solidariedade.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O papa Francisco reforça a Igreja dos pobres com a beatificação do bispo argentino Enrique Angelelli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV