Suspeito de matar Marielle tinha ódio da esquerda, diz delegado

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • A radical visão teológica do Papa Francisco

    LER MAIS
  • O surgimento dos ''cismáticos devotos'' na Igreja Católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Março 2019

O policial militar reformado Ronnie Lessa, preso nesta terça-feira 12 suspeito de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, tinha ódio de personalidades ligadas à esquerda. Essa foi a conclusão que a investigação da Polícia Civil do Rio de Janeiro chegou após analisar o perfil das buscas realizadas pelo ex-policial.

A reportagem é de Alexandre Putti, publicada por CartaCapital, 12-03-2019.

Em entrevista coletiva no Palácio Guanabara, em Laranjeiras, sede do governo do Rio, o delegado Giniton Lages, responsável pela Delegacia de Homicídios da Capital, afirmou que a obsessão de Lessa não era apenas por Marielle. Outras personalidades ligadas à esquerda como Marcelo Freixo e sua família também foram alvos de pesquisa pelo ex-policial.” Nessa análise percebemos ódio, desejo de morte e obsessão por parte do suspeito com personalidades ligadas à esquerda do país”, afirmou Lages.

Além de pesquisar sobre a vida dessas personalidades, Lessa também fez uma longa investigação sobre armamentos, principalmente sobre a arma utilizada no crime. Além disso, ele procurou sobre a utilização e preços de silenciadores específicos para o armamento que matou Marielle e Anderson. O ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz também foi preso suspeito de participar do crime.

O motivo do assassinato da vereadora ainda não foi revelado. Segundo o delegado, motivo de ódio pode ser um deles, mas ainda não é algo definitivo. A operação investigará, também, se o crime foi cometido partindo dos próprios suspeitos ou se foi algo feito a mando de um terceiro. “O caso ainda está aberto. A segunda fase está em andamento. Temos 34 mandatos de busca e apreensão em curso”, disse Lages.

O crime completará 1 ano na próxima quinta-feira 14 e essa é a primeira vez que o caso tem algum indício de resposta. Lages conta que houve dificuldade por falta de estrutura da Polícia Civil do Rio e, também, por se tratar de um crime planejado e pensando por muito tempo. “Em momento algum eles desceram do veículo. Isso é muito emblemático. Estávamos diante de um crime que foge à regra”, completou.

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) afirmou, em seu Twitter, que as prisões dos executores são importantes, mas agora o principal é saber “quem mandou matar e qual a motivação”. Lages garantiu que essa questão será respondida na segunda fase da operação. O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC-RJ), que também participou da coletiva, afirmou que delação premiada será uma opção para essa segunda fase da investigação. “Tenho certeza que avançamos muito e vamos avançar mais ainda para restabelecer a ordem na cidade do Rio de Janeiro”, disse o governador. 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Suspeito de matar Marielle tinha ódio da esquerda, diz delegado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV