Conhecimento indígena, chave para projetos de restauração ecológica bem-sucedida

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Março 2019

Projetos de restauração ecológica envolvendo ativamente povos indígenas e comunidades locais são melhor sucedidos.

O artigo é publicado por Universitat Autònoma de Barcelona e publicado por EcoDebate, 01-03-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Eis o artigo.

Este é o resultado de um estudo realizado pela ICTA-UAB, que valoriza a contribuição do conhecimento indígena e local na restauração de ecossistemas degradados.

Os povos indígenas e as comunidades locais são afetados por mudanças ambientais globais porque dependem diretamente de seu ambiente imediato para atender às necessidades básicas de subsistência. Portanto, salvaguardar e restaurar a resiliência dos ecossistemas é fundamental para garantir a sua soberania alimentar e sanitária e bem-estar geral. Seu interesse em restaurar ecossistemas dos quais eles se beneficiam diretamente e seu conhecimento íntimo de suas terras, recursos e dinâmicas que os afetam, posiciona-os como elementos-chave na consecução dos objetivos dos projetos de restauração ecológica.

No entanto, as contribuições dos povos indígenas e comunidades locais continuam a ser amplamente ausentes nos fóruns de política ambiental internacional, nos quais a importância biológica e a viabilidade de restauração são priorizadas em detrimento da preocupação local.

O estudo, liderado pelo pesquisador do ICREA no ICTA-UAB Victoria Reyes-García, revisa centenas de casos nos quais, através de práticas tradicionais, os povos indígenas contribuem para o manejo, adaptação e restauração da terra, criando novos tipos de ecossistemas altamente biodiversos. “Há muitos exemplos em que os povos indígenas assumiram papéis de liderança na restauração de florestas, lagos e rios, pastagens e terras secas, manguezais e recifes e zonas úmidas degradadas por pessoas de fora ou mudanças climáticas, combinando com sucesso as metas de restauração e aumentando a participação da população local. ”, Explica Victoria Reyes-García.

Práticas tradicionais incluem queima antropogênica alterando aspectos espaciais e temporais da heterogeneidade de habitats para criar diversidade, práticas de deposição de resíduos resultando em enriquecimento de carbono do solo, sistemas rotacionais de roça capazes de manter cobertura florestal e diversidade de plantas, interplantando plantas úteis em florestas nativas aumentando a diversidade florestal e espalhando feno rico em espécies e limpando prados para manter a produtividade e resiliência das pastagens.

No entanto, a pesquisa ressalta que nem todas as iniciativas de restauração envolvendo povos indígenas e comunidades locais foram benéficas ou bem-sucedidas. “Algumas campanhas não envolveram com sucesso as comunidades locais ou impactaram os resultados do reflorestamento, devido à falta de clareza das políticas projetadas no nível central ou à negligência dos interesses locais”, diz Reyes-García. Ela destaca que os resultados positivos são normalmente associados a projetos nos quais as comunidades locais têm se envolvido ativamente em atividades de co-design, instituições consuetudinárias foram reconhecidas e tanto benefícios diretos de curto prazo para a população local quanto apoio de longo prazo para a manutenção de restaurados. áreas foram asseguradas.

Portanto, Victoria Reyes-García defende que “a fim de atender a Aichi Meta 15 da Convenção sobre Diversidade Biológica sobre a restauração de 15% dos ecossistemas globalmente degradados, é necessário aumentar a participação de povos indígenas e comunidades locais nas atividades de restauração ecológica”.

Referência:

Reyes García V., Fernández Llamazares A., McElwee P., Molnár Z., Öllerer Z., Wilson S.J., Brondizio E.S.. The contributions of Indigenous Peoples and Local Communities to ecological restoration. Restoration Ecology. (2018)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Conhecimento indígena, chave para projetos de restauração ecológica bem-sucedida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV