Um epigrama de amor de Ernesto Cardenal musicalizado por Luis Pastor González

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Temos que entrar em sintonia com o caos”, avalia Franco “Bifo” Berardi

    LER MAIS
  • Papa Francisco, uniões civis e o reconhecimento da intimidade. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • “A pandemia é a maior ameaça para a democracia na América Latina, desde os anos 1980”. Entrevista com Steven Levitsky

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Fevereiro 2019

“Ao perder-te eu a ti, tu e eu perdemos: / eu, porque tu eras o que eu mais amava / e tu porque era eu quem te amava mais”, faz parte da estrofe de um epigrama que aparece no livro Epigramas (1961) do poeta trapista Ernesto Cardenal, e que agora o cantor e compositor Luis Pastor González canta em homenagem ao poeta de 94 anos.

A reportagem é de Gloria Acosta, publicada por La Prensa, 20-02-2019. A tradução é de André Langer.

Carinho, admiração e respeito pela obra literária do poeta e sacerdote jesuíta levou González a cantar estes versos de amor que o poeta em sua juventude dedicou às moças.

“Mas, de nós dois tu perdes mais do que eu: / porque eu poderei amar a outras como amava a ti / mas a ti não te amarão mais do que te amava eu”, diz a segunda parte deste romântico poema lírico.

González disse que se sentiu motivado a fazer este arranjo musical ao ver o delicado estado de saúde em que se encontra o poeta, internado no Hospital Vivian Pellas há 16 dias.


Foto: La Prensa

Ao ser perguntado sobre o que achava do fato de que agora Cardenal poderá administrar os sacramentos, já que o Papa Francisco levantou a suspensão, disse: “É muito importante para ele passar à eternidade com essa revogação da proibição imposta por João Paulo II há 35 anos”.

Musicalizar sua poesia

Para González é como uma combinação “da admiração que se tem por ele e da oportunidade de tê-lo muito próximo”. E porque seus epigramas são famosos e diz tê-los encontrado em muitas livrarias de aeroportos.

Outra vez os ouviu da voz de Luis Enrique Mejía Godoy. No seu caso recorda que conheceu uma versão no álbum Nicarafricanico.

No seu caso, sua composição é diferente, conta com “voz e piano” e muda alguns aspectos da melodia original. Participam Reynaldo Ruiz e Luis Enrique Mejía Godoy; e tem um vídeo simples com a imagem do poeta e seus versos.

E inclui em sua versão o terceiro fragmento, que diz: “Moças que um dia leiais emocionadas esses versos / e sonhais com um poeta: / sabei que os fiz para uma como vocês / e que foi em vão”.

O artista recordou que no 90º aniversário do poeta celebrado no Teatro Nacional Rubén Darío foi o produtor de uma homenagem a Cardenal.

Recordou também que teve a oportunidade de cantar para ele no primeiro e no segundo Festival Internacional de Poesia de Granada. E que participou da celebração do 89º aniversário do Cardenal.

“Fizemos um concerto e uma missa campesina em Solentiname. Eu fiz a produção. Participaram Carlos, Luis Enrique e outros artistas, celebrando o seu irmão Fernando Cardenal”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um epigrama de amor de Ernesto Cardenal musicalizado por Luis Pastor González - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV