Papa Francisco reabilita Ernesto Cardenal, padre e poeta nicaragüense

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Párocos, franciscanos, ex-núncios: os treze novos cardeais de Francisco ampliam as fronteiras do Colégio cardinalício

    LER MAIS
  • “Temos que entrar em sintonia com o caos”, avalia Franco “Bifo” Berardi

    LER MAIS
  • Milícias do Rio mantêm parceria com polícia, facções e igrejas pentecostais, aponta estudo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Fevereiro 2019

O Papa Francisco aprovou a reabilitação do sacerdote e poeta Ernesto Cardenal, que apoiou a revolução sandinista na Nicarágua, e que o Papa João Paulo II humilhou em 1983, repreendendo-o, de dedo em riste, no alcatrão da pista do aeroporto de Manágua, quando Cardenal estava de joelhos.

A informação é publicada por Público, 17-02-2019.

A notícia ainda não foi tornada pública – foi avançada pelo jornal espanhol El País, citando uma carta enviada pelo Sumo Pontífice. Hoje com 94 anos, hospitalizado com uma infecção renal grave, Ernesto Cardenal recebeu a visita do núncio do Vaticano em Manágua, que se ofereceu para celebrar com ele a sua primeira missa em 35 anos – pois a pena a que João Paulo II o condenou impedia-o de o fazer.

Cardenal era seguidor da corrente cristã nascida na América Latina denominada teologia da libertação, que dá apoio aos mais pobres e à libertação dos povos oprimidos. Para o Papa polaco João Paulo II, que viveu as durezas do comunismo, este tipo de ideias e as revoluções e guerrilhas de esquerda na América Latina eram difíceis de aceitar.

Ao sair do avião, o Papa foi recebido com um grande cartaz, que dizia "bem-vindo à Nicarágua livre graças a Deus e à revolução", e pelo presidente Daniel Ortega, líder da Frente Sandinista de Libertação Nacional desde 1962, que lhe deu um discurso de meia-hora, debaixo de um Sol escaldante, a exaltar a revolução, recorda para o El País, o jornalista veterano Juan Arias, que acompanhou a viagem papal.

"Sempre que o Papa tentava deixar clara a sua rejeição à chamada Igreja Popular, a multidão interrompia-o com gritos de 'entre cristianismo e revolução não há contradição'", recorda Arias. O Papa não conseguia terminar a sua homília.

A certa altura, Ernesto Cardenal aproximou-se do Papa, ajoelhou-se e tentou beijar-lhe a mão. João Paulo II tirou a mão. Quando Cardenal lhe pediu a bênção, esticou o dedo severo e disse-lhe: "Antes tens de te reconciliar com a Igreja", recorda Juan Arias.

O Papa João Paulo II, que morreu a 2 de Abril de 2005, aplicou posteriormente a suspensão a divinis a Cardenal por acumular de forma considerada "incompatível" com o sacerdócio o cargo de ministro da Cultura da Nicarágua. Ficou proibido de administrar sacramentos.

Ernesto Cardenal é considerado um dos mais importantes poetas da América Latina ainda em vida. Com formação superior em Teologia, nos Estados Unidos, recebeu vários prêmios literários pela Europa, tendo sido candidato a Nobel da Literatura em 2005, atribuído ao britânico Harold Pinter.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco reabilita Ernesto Cardenal, padre e poeta nicaragüense - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV